Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados

Patomorphia

A Patilha (patilha: ao contrário do que o Aurélio diz, é uma mistura de patos com matilha) grasnava desconfiada na entrada do Curral dos Patos naquele sítio em Paty de Alferes. A chuva patente trazia consigo um patamar de patiferinas (essa eu inventei) trovoadas. A repórter se sentia como uma pata, sem entender patavina do que iria encontrar ali. O Portão rangeu demonstrando patologia de antigüidade, ferrugem. Abandonado. Patife. Aquela patuscada só poderia ter saído da mente sádica do seu editor chefe. Como era mesmo o assunto que ele se referiu? Patognoscia? Não. Patogênese? Ela já estava sentindo era uma patognomia alérgica. Bateu a porta do sítio abandonado. Grasnavam gansos distantes escondidos na penumbra. Alguém veio abrir, passos lépidos sobre o patíbulo. E ainda falavam sobre paternalismo no seu trabalho. Patetas. Era ela que estava ali no meio do nada, na chuva e não eles. Quem abriu a porta, ela não sabia quem, grasnou... Ou quase isso... ..
Com uma voz rouca: - Entra!
e antes que pudesse ser visto, sumiu pela escuridão fantasmagórica do patódromo. Só podia chamar aquela coisa de patódromo. Na verdade havia alguma luz. Uma lamparina iluminou um pouco o piso rústico de madeira desconhecida, coberto por penas. Penas? A voz rouca convocou a assustada repórter:- Venha até aqui.
Ela foi. Passou pelo primeiro patamar, ultrapassou o pórtico, pateando. O indivíduo não se mostrava. Ficava envolto na escuridão. Movia-se estranhamente. Patrícia iria agradecer pessoalmente essa patifaria do seu editor chefe se sobrevivesse.
- Patinha, essa entrevista vai ser a mais fácil de toda sua carreira. O Editor sorria. Odiava ser chamada por aquele apelido.
- o professor é meio excêntrico, e a muitos anos se isolou em seu sítio em Paty de alferes. Sua grande chance, Patinha. Minha grande chance. Pensava.
Ela imaginou a pátera (taça) contendo sangue para o sacrifício sendo erguida enquanto o editor emitia a autorização para sua saída. Ao ouvir a voz gutural da figura sombria que iria entrevistar era como se estivesse em pate
( jogada do xadrez em que o rei não pode se mover). Que situação patética.
Os gansos grasnavam mais alto que os trovões. A voz rouca e patibular (com certa intenção criminosa). Iniciou seu monólogo tão rapidamente que Patrícia quase não teve tempo de ligar o gravador.
- Meu nome você já sabe qual é. Eu sou Patelseer. Mc Voon Patelseer. Meus estudos genéticos sobre melhoria de linhagem dos anseriformes, da família dos anatídeos, vulgarmente conhecidos como patos, é reconhecida mundialmente. Nesse momento Patrícia julgou vislumbrar uma patorra. Um imenso pé. (Aquilo era um pé?) Estava assombrada com a situação.
Se sentia como uma pata-choca. Como levar a sério aquela patacoada? (coisa que não se leva a sério, disparate) Acreditar num vulto, numa voz na escuridão. Relampejava. Cada trovão era como uma patada na sua testa. Acalme-se, seja uma profissional, pensava. Prestaria atenção naquele grasnador.(aquele que grasna).
- Numa noite a anos atrás desenvolvi um composto para dar a patos domésticos a resistência contra doenças que os marrecos possuem. Trabalhava com um composto genético. Levava uma das cobaias juntamente com a injeção contendo o composto para o laboratório. Escorreguei numa poça causada pelo vazamento de uma mangueira e na queda, além de matar o pato, acidentalmente injetei em mim parte da solução.
O vento gelado sibilando apagou o lamparina.
Patrícia escutou um terrível grasnido. Com o susto deixou cair o gravador. A pancada do aparelho no chão assustou Von Patelseer. Grasnando ele gritou:
- Eu disse que não queria que minha entrevista fosse filmada ou gravada!
Esse sujeito devia ter alguma patogenia grave. Subitamente uma cortinada se rasgou, o barulho de vidros espatifando-se no chão desviou sua atenção. Patrícia correu para fora da casa, assustada no meio da chuva torrencial, olhou para o lado, o da janela quebrada e vislumbrou alguém correndo em meio as sombras, desajeitadamente. Então relampejou. Sob o clarão do relâmpago ela viu um imenso pato correndo. O maior de todos que ela já viu, sumindo em direção as colinas do curral dos patos. Ela não tinha entendido patavina. A não ser que...aquele pato não fosse um pato... Não. Chega de patranhas.
Dizendo adeus ao curral dos patos, entrou no carro e nunca mais voltou aquele lugar. O editor chefe ainda a chama de Patinha.
Ela ainda odeia esse apelido.
Patomorphia
"Não pergunte por quem os patos grasnam
Eles grasnam por ti"
Parafraseando o Ernest
vixe.


Seis meses depois.


- Patabéns pra você! nesta pata querida! Muitas patacidades! muitos patos de vida!
Patinha! Patinha! Patinha!
O barulho ensurdecedor daqueles apitos que imitam pato ainda iria tirar Patrícia do sério. Ela sabia que o apelido tinha começado na seção de homicídios lá na redação. E era justamente na seção de homicídios que ela iria aparecer, não como entrevistadora, se descobrisse de quem tinha sido a proeza. As paredes do escritório foram decoradas, como não poderia deixar de ser, com motivos patinos. Uma cena pintada a mão pelo Carl Barks com o Pato Donald descendo o Vale Perdido, onde iria encontrar um povo que nunca vira um objeto redondo, cobria a imensa janela de blindex cinza do lado do edifício. Até o palhaço do editor usava um boné de marinheiro. O bolo imenso com velas em forma de patinhos era trazido pelo oficce-boy do setor. Ele iria morrer.
- Patinha! Patinha! Patinha!
Aline, Vera e Célia, suas colegas de setor, Luciana, Angela e Michelle, do andar inferior, faziam a festa, em conjunto com Alexandre, o Borges, Oliva e o Márcio. O Márcio distribuíra os apitos. Márcio iria morrer juntamente com o oficce-boy. Patrícia se deleitava ao imaginar a cena da janela de blindex se estilhaçando enquanto o Borges e o Márcio eram atirados do oitavo andar da Redação. Só que nessa hora, o blindex se estilhaçou, MESMO. De verdade. A pintura do Carl Barks se rasgou enquanto os pequenos estilhaços voavam para dentro do setor aos gritos assustados de todos os que presenciavam a cena. Algo entrara no edifício, violentamente e agora estava de pé sobre a mesa próxima ao janelão.
- VEJAM! GENTE! QUE BARATO! É O PATO DONALD!
Os presentes abriram os olhos, ainda retirando os estilhaços de sobre o cabelo olhavam espantados o imenso bico do "fantasiado" a sua frente. Irromperam em aplausos.
- UAU! DEMAIS! Gritava o Borges.
O imenso pato com uma roupa estranha correu em direção a Patrícia. O pessoal estava exagerando naquela brincadeira. Todos iriam morrer, pensava. O 'pato' sem nenhuma parcimônia segurou seu braço, a jogou sobre os ombros, sobre os aplausos de toda a platéia forçada e se dirigiu ao janelão.
-PATINHA! PATINHA! PATINHA!
O fantasiado olhou para trás semicerrou os olhos sobre o bico amarelo e pulou, enroscou a mão com quatro dedos numa espécie de corda e pulou! O escritório explodiu em aplausos.
- PATINHA! PATINHA ! PATINHA!
O Márcio sorriu, virou para o Editor-chefe, cumprimentando-o:
- Foi a melhor festa de aniversário da minha vida!
Raptada pelo pato Donald. Era só o que lhe faltava. Todos iriam morrer. Patrícia fervia de raiva. Nunca imaginou que eles pudessem ir tão longe. Quanto se soltasse daquele artista circense, cabeças iriam rolar, a golpes de machado.
- Me solta seu pato ridículo, chega, o espetáculo terminou!
o grasnido familiar despertou as lembranças da jornalista.
- Ainda não. O espetáculo começa agora...
Um grito sufocado partiu das entranhas da jornalista
- Von Pateelser.








Patomorphia


- Patos! Eu odeio Patos.
Patrícia sempre manteve uma certa distância dos anatídeos anseriformes. Isso desde pequena; quando uma criatura branca de longo bico e aparência malévola correu atrás dela por trinta minutos no sítio de seus pais. O animal incansável a perseguiu inabalavelmente através da casa, atrás dos móveis, pôr sobre a cama, na cozinha, no milharal, no curral, na casa da árvore, no lago, na fonte, ao redor do poço, no estábulo, na adega, na dispensa.
- Patos, odeio patos!
Agora, adulta, recuperada, suportava a infeliz sina de ser {rapatada} por um sobrinho do tio Patinhas com excesso de hormônio de crescimento e certo complexo de homem-aranha, sendo carregada sobre telhados dos prédios ao redor de sua redação.
- Patos, odeio patos.
- Me larga seu pato nojento!
O pato impassível lançava os ganchos no próximo telhado e pulava para pegar a corda que pendia perigosamente a metros de distância entre os vãos que separavam os edifícios. Se o maldito errasse um daqueles saltos, era a morte certa. Dava para sentir o cheiro das penas das mãos da criatura queimando quando segurava novamente a corda após cada salto impressionante. Patrícia estava ficando enjoada.
- Paaaaaaaaatoooooo desgraçaado!
Foi muito complicado explicar para a polícia que uma das jornalistas foi raptada pelo sobrinho da vovó Donalda.
- Um pato? Vocês querem me fazer acreditar que um cara vestido de pato destruiu metade da redação e com uma jornalista sobre os ombros pulou pôr aquela vidraça espatifada a oito andares do nível da rua, fora as garagens?
O editor-chefe acenou com a cabeça, afirmativamente...
O Pato pateta parou. Num edifício qualquer. Respirava profundamente. Parecia cansado. Era sua chance. Ela dá uma cotovelada na cabeça do animal e um voleio com o corpo. O pato geme. O pato geme? Desde quando um pato gemia? Patrícia cai sobre uma parte do telhado, infelizmente uma clarabóia. Era um telhado de vidro, um "must" arquitetônico, com sérios problemas de resistência a choques. O período de tempo em que acontecem trinta metros de queda livre de um corpo, até um piso (do que parecia ser um Shopping Center) parece uma eternidade quando você cai envolta numa armação metálica coberta de vidro multicolor. O pato se atirou atrás da jornalista, agarrando uma corda de aço que amarrava a estrutura, conseguindo segura-la a dois metros do chão. Com o impulso os dois vão parar no segundo piso, enquanto o vidro do telhado se espatifa no meio do salão. Olhares espantados os cercam quando os dois caem dentro de uma loja da Boticário, estourando a vidraça e espalhando frascos de Insensatez, Freur e Florata in Blue sobre as lojistas aterrorizadas. Pelo menos iria morrer perfumada. Patrícia está zonza, mas percebe que a criatura está caída atrás do balcão. A questão não era se conseguiria correr... Mas... Se conseguiria correr muito...
O pato imortal levanta a cabeça...


Patrícia corria desesperada pelos corredores do shoping. O pato ia atrás.
- MAMÃE! MAMÃE OLHA LÁ, O PATO DONALD! Gritou uma criança extasiada com a imensa criatura correndo desajeitadamente na tentativa de capturar sua presa. Ela entrou numa loja da C & A, derrubando duas clientes e mais um pedestal tipo arara contendo blusas de Cotton. A criatura saiu arrastando vários pedestais. Chovia calças jeans no amplo salão da C & A. Patrícia queria gritar por socorro, todavia, pensava, o que iria gritar? Tem um pato psicopata querendo me raptar? Salvem-me do pato? Ajudem-me, um pato louco me persegue? Melhor correr. Dois seguranças verificando a baderna causada pela perseguição vão no encalço dos dois. Patrícia desce a escada rolante. A escada rolante errada. Aquela era a de subida.
- Com licença!
E saiu atropelando quem tentava ir par o segundo andar. Conseguiu. Atravessou como uma bala o térreo da loja, porém quando estava quase conseguindo sair foi barrada por dois corpulentos vigilantes. E lá vinha o pato. Os seguranças não sabiam exatamente o que fazer. Podia ser uma promoção qualquer da loja. Talvez não. O Pato se atirou sobre os três, deixando penas sobrevoando o salão, e lá se ia outro blindex. Os dois vigilantes voaram juntamente com os manequins pela vitrine enquanto o pato caía com Patrícia na parte externa da loja. Outro pontapé. Desta vez no bico do animal. Outros guardas ajuntaram-se no local. A polícia conseguiu chegar na parte externa do shopping e seis seguranças corriam em direção da estranhíssima cena. Três deles se jogaram sobre o "louco fantasiado" - conforme disseram nas entrevistas subseqüentes - nada conseguiram. O "fantasiado" se levantou com os três sobre si como se levantasse papel. Patrícia escapou, indo para a calçada na frente do shopping, descendo desenfreadamente as escadarias de acesso. Sentiu um profundo alívio quando se deparou com mais de doze viaturas da polícia fortemente armadas. Mais dois seguranças saíram do shopping. Só que não voluntariamente. O pato psicopata emergiu como um bólido penoso pelas portas semiabertas. Doze escopetas, quinze fuzis, sete metralhadoras e quatro pistolas calibre trinta e oito foram imediatamente apontadas em direção a bicuda e obstinada criatura.
- Paradas aí, mãos na cabeça! Veio a voz policial. O pato obstinado fez que não ouviu. O pato iria morrer. Patrícia ainda corria quando do alto da escadaria o anseriforme se atirou em sua direção. Neste momento o nome de Pateelseer ecoou na sua mente. Havia um homem no interior daquele pato. Aquele anatídeo era mais que um pato. As metralhadoras rugiram ameaçadoramente próximas atingindo a criatura que caía sobre Patrícia. Os dois quedaram como patos sobre o resto da escadaria, enquanto o comandante da operação dava ordens que não atirassem enquanto a jornalista estivesse próxima do animal. Como o bico de um animal pode ser tão duro assim? Pensava enquanto se recuperava do choque próxima ao final da escadaria. Se patofobia tivesse um significado mais literal, não o de “medo de doenças”, ela a teria contraído naquele entardecer. As penas brancas do pato patocida se tingiam de vermelho. Van Pateelseer tira alguma coisa de dentro do casaco e atira sobre os policiais. A explosão de fumaça torna todo o quarteirão, uma noite londrina em dia cerração intensa. Levou cerca de seis minutos para que pudessem começar a enxergar alguma coisa no meio da fumaceira toda. Patrícia estava caída, tossindo quando um policial a levantou.
As manchas de sangue pela calçada apontavam a direção que o pato havia tomado. Porém não conseguiram encontra-lo. Patos selvagens não morrem sem luta.
- Volta pato safado. Dessa vez eu vou estar te esperando.
Patrícia

Patomorphia

- Já falei pela décima vez que eu não sei quem era ou o que queria aquele maluco. Patrícia estava ficando irritada com o interrogatório. Já estava ali a cerca de três horas naquela maldita delegacia, tentando explicar o inexplicável. O que ela iria registrar como queixa? "Na verdade fui perseguida por um homem que eu acredito ter ser transformado num pato em virtude de um experimento científico mal sucedido?" Ou "Na verdade eu fui raptada por um pato que pensa que é um homem?" Melhor ficar calada. A administração do shopping fazia uma arruaça. Quem iria pagar os prejuízos? Lá fora estava pior. Colegas de profissão, as pencas, a esperavam, munidos da avidez com que os freqüentadores de rodízio de pizza esperam a primeira fatia. Ela era a fatia. Quando finalmente a liberaram, foi cercada de inúmeros repórteres.
- Como você se sente sendo perseguida pelo pato Donald?
- Isso é tudo uma promoção da Disney, não é mesmo?
- Essa propaganda politicamente incorreta da propagação da violência e do caos nos centros urbanos é financiada pelo César Maia?
- Isso é uma crítica a política econômica do governo, que age como um se fosse um pato fugindo do FMI em busca de uma resposta?
- O pato era teu amigo?
- É verdade que teu apelido é patinha? Como uma patinha se sente sendo agarrada por um...?
Patrícia não deu tempo para o último engraçadinho terminar com a "perguntinha cretina" a bofetada certeira jogou o entrevistador sobre o câmera da rede Globo e sobre a entrevistadora da Record.
Patrícia entrou na viatura preparada para leva-la até sua casa, do outro lado da cidade. Dois batedores iriam a frente e um camburão seguiria o comboio. Teria proteção policial naquela noite, pelo menos. A noite avançava. Devido a algum motivo, o engarrafamento no retorno era maior do que o de costume. O rádio da viatura avisou que teriam que desviar através duma rota alternativa. Outro comunicado. Um dos batedores aparentemente se perdeu e o seu rádio devia estar desligado. O segundo batedor desapareceu da vista no meio da escuridão do atalho e não deu mais sinal. O policial achou estranho perder contato visual por tanto tempo. O rádio do segundo também não respondia. Resolveu chamar o camburão que vinha logo atrás. O camburão também não retornou a comunicação. O policial resolveu parar. Deixou o carro ligado e em ponto morto. Os policiais com metralhadoras se levantaram e ficaram em pé do lado de fora do carro, assim como o que dirigia, no meio da estrada deserta. Um deles sorriu. Avistou o camburão se aproximando... Rápido... Demais. Deram sinal para que reduzisse a velocidade. Não reduziu. Só tiveram tempo de pular para o lado quando o camburão bateu na traseira da viatura, jogando-a metros de distancia para frente na estrada. Algo estava errado. Muito errado. O camburão parou. Os policiais aturdidos se levantaram sem entender o que acontecera. Dentro do carro Patrícia buscava os documentos espalhados no fundo do carro, colocando a mão na testa machucada. Sozinha no carro, olhou para trás do vidro traseiro espatifado, ouvindo o barulho das rodas do camburão comendo o asfalto, esfumaçando. Patrícia pulou para o volante. O carro ainda funcionava. Engrenou e pisou fundo no acelerador enquanto o enlouquecido motorista do camburão vinha a toda em sua direção, sob uma rajada de balas dos policiais na estrada.
Patrícia já sabia quem era que dirigia aquele camburão.
Pato patife.

Patomorphia

A duas quadras dali ficava a casa de seus pais. O pato já tinha dado duas batidas na sua traseira. Patrícia viu uma metralhadora no banco do carona. Tentou pegar com uma das mãos. O Pato bateu de novo na traseira da viatura com o camburão. A metralhadora caiu na frente do banco. O jeito era soltar o volante e tentar pegar ela assim mesmo. Foi o que fêz. Com o pé pisando fundo o acelerador ela soltou o volante e se inclinou para pegar a metralhadora. O carro desviou para a direita a uma quadra da casa de seus pais. Quando Patrícia ergueu a cabeça viu a praçinha e a feira artesanal. Infelizmente, era tarde para desviar. O carro subiu o meio-fio, entrou na praça, atropelou uma barraca de cachorro-quente, foi em direção ao tecladista que tocava para animar os presentes, que pulou desesperado para a esquerda. O teclado, um Roland Jv-1000, dois pedestais de microfone, uma torre de som (com processador de efeito da Alesis) e uma estante cromada voaram a treze metros de altura. [nota do autor: se eu fosse filmar essa cena, o teclado ia ser um Cassio e teria no máximo um amplificador sem-vergonha, destes, comprados de quinta mão] Mais duas barracas de salgados e o carro estava na rua novamente. Pelo retrovisor Patrícia ainda viu o teclado se espatifando sobre o camburão com o pato obstinado. Virou de costas com a metralhadora na mão direita e disparou. O que restava dos vidros traseiros espalhava-se na pista enquanto os faróis do camburão eram despedaçados. Acertou os pneus também. Pena não dar para dirigir e atirar ao mesmo tempo. A viatura entrou dentro de um supermercado. Atropelou uma estante de carrinhos e foi parar na seção de congelados. Duas toneladas de frios foram lançadas na panificadora do supermercado com a pancada. Sorte que era dia de limpeza. Patrícia saiu do carro, pisando em falso por causa do gelo espalhado pelo chão. A metralhadora ainda estava em suas mãos.
Silêncio.
Patrícia olhava ao redor esperando o camburão chegar. O camburão não chegou.
As luzes do supermercado se apagaram. O pato homicida chegou. O barulho de suas patas se arrastando pelo chão era inconfundível. Aproximando-se... Lentamente.... No meio da penumbra o pato apareceu. Arrastando uma das patas e encurvado. Patrícia mirou a metralhadora aterrorizada. As balas haviam acabado.
Largou a metralhadora no piso. Patrícia tentou correr, mas não conseguiu. Caiu no chão, uma das pernas não respondia mais. O pato veio se aproximando enquanto as cenas de sua infância inundavam sua mente. Van Patelseer parou do lado de Patrícia. Esta não se conteve e gritou:
- Vai, pato desgraçado! Termina logo com o que você queria fazer.
O Pato se inclina em direção a Patrícia. Ferido. Mortalmente. Segura sua mão direita e a arrasta para perto de si. Pega então uma minigravador contendo uma fita cassete. Abre a mão de Patrícia e o coloca ali.
Então fala com sua voz rouca:

- Sua entrevista, Patinha.

Levanta-se, ainda se arrastando, sumindo em meio da escuridão.
No meio do supermercado uma jornalista grita sendo ouvida somente pelos guardas que correm em sua direção:

- Patinha é a tua mãe!.... Seu pato miserável............................................




O Welington Institute language


Em co-produção com Mem Ex Group

apresentou

Patomorphia

"Não pergunte por quem os patos grasnam.
Os patos grasnam por ti."



By Well Welington J F 17/10/2000.
publicado por wellcorp às 04:50 | link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
17
20
21
27
28
29
30
comentários recentes
Eu já disse que você é demais, mas, não custa nadi...
Você é um ser lindo!
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
You pretty much said what i could not effectively ...
You pretty much said what i could not effectively ...
Maneiro!
Maneiro!
tags

todas as tags

Posts mais comentados
29 comentários
29 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
3 comentários
3 comentários
SAPO Blogs