Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados
Comentário sobre conto de Analia de Oliveira Maia, que concorreu e faz parte da coletanea do Prata da Casa de 2008 Petrobras, que narrava a desventura de uma jovem chamada Maria.

Maria Correu para a Beira do Rio

Maria correu para a beira do rio. Os cabelos desgrenhados, olhos arregalados, pernas firmes à mostra, levava as mãos e braços à frente do corpo na tentativa de alcançar o imponderado. Corria Maria para a beira do rio na busca insana do perdido. Perdido no tempo remoto da perda. Coração aos saltos, pés descalços saltando obstáculos, reais e imaginários. Maria pula troncos atravessados no caminho, corpos inertes de seres matados pela própria mãe. Corpos de coisa e de gente, assassinados, massacrados por mãe, mãe de muitos filhos. Os pés sangram, as mãos lutam, o grito preso na boca escancarada, boca sem dentes, língua sedenta de beijo.

Maria corre, agora, alucinada para a beira do rio, na busca do ontem de tantos anos passados, partida de barco, de homem, de gente, de felicidade. Maria acredita que esteja na beira do rio o amor partido, perdido no horizonte da vida do rio.

Quando a vida partiu, Maria esperava filho. Barriga empinada, nariz largo, boca larga, pés largos, Maria, parada na beira do rio, olhava a vida partir no barco dos homens, seu homem.

Maria ficou, criança na barriga, olhava o barco do homem deslizar rio acima, lento, insistente, diminuindo, pequenino, sumindo... o barco desapareceu no horizonte vermelho daquele dia. Parada, vestido de chita colado ao corpo pela chuva fina que caía sem atenção de Maria. Barriga marcada, rosto molhado de lágrimas salgadas misturadas à água doce da chuva.

Maria esperou pela volta do barcohomem, pelo filhobarriga na mãequemata.

Quando a chuva passou e se foi, como o homem no barco que também não voltou, Maria virou as costas à beira do rio e voltou para a aldeia, sua gente.

Trabalhou, barriga cheia de filho e vazia de homem, Maria trabalhou muito, pariu entre gritos de dor e de surpresa dos outros. Gritos abafados pelos dentes cerrados que ainda existiam, Maria pariu o filho do homem que amou e não retornou, como Maria à beira do rio.

A criança também partiu, pendurada nas asas do anjo do sertão, ainda não havia cicatrizado o umbigo quando o anjo amarelo e caboclo veio buscar, nos braços de Maria, o filho do homembarco que se foi deixando Maria de bucho cheio de vida morta.

Maria não chorou, apenas entregou o filho morto ao anjoamarelo do sertão. Natural como fome, como seca, a morte do menino, logo depois de sentir a vida – instantes de vida, pouca – logo o ar cessou, a cor sumiu e os olhos perderam o pouco brilho. A meio caminho de fecharem parou, pálpebras inconvenientes deixavam à mostra o olhar sem vida da máscara da morte que não perdoa nem mesmo o recém-nascido. As lembranças das dores eram mais nítidas em Maria que as do homem, mas não eram definitivas. As lembranças do parto logo se desmancham como fumaça da recente vida. Não o barco na beira do rio levando nova vida à vida de Maria, como o anjoamarelo. O barco era o anjoamarelo de Maria.

Sem barriga, sem filho, sem homem, Maria enlouquecia pouco a pouco, perdia lucidez como perdia os dentes, um a um caindo na terra seca sem chuva do sertão. Maria também perdeu a voz, a vontade de falar. Sorrir já nem lembrava como, mas ainda pedia um favor aqui, dava um aviso acolá, reclamava logo adiante, mas agora nem isso, apenas olhava. Olhar assustador, demente, apavorava as comadres e afastava os compadres. Até os bichos evitavam encarar Maria nos olhos, baixavam o focinho e saíam pela esquerda, ou pela direita, dependia do bicho.

Até que um dia as chuvas voltaram, não se sabe por que cargas d’água Maria acreditou que com as chuvas o homembarco também voltava à beira do rio.

Maria correu para a beira do rio. Os cabelos desgrenhados, olhos arregalados, pernas firmes à mostra, levava as mãos e braços à frente do corpo na tentativa de alcançar o imponderado. Corria Maria para a beira do rio na busca insana do perdido. Perdido no tempo remoto da perda. Coração aos saltos, pés descalços saltando obstáculos reais e imaginários, Maria pula troncos atravessados no caminho, corpos inertes de seres matados pela própria mãe. Corpos de coisa e de gente, assassinados, massacrados pela própria mãe, a mãe de todos, a grande mãe.

Maria insana, sem filho, sorriso idiota sem dentes. Maria acredita que esteja na beira do rio o amor partido, perdido no horizonte da vida do rio.

Maria parada na beira do rio, as lágrimas secaram no tempo perdido, o rosto molhado da água doce da chuva. Vestido de chita colado no corpo mostra as marcas do tempo de espera – de filho, de marido. Maria fica, a chuva fica, só a vida se vai, lenta e paciente, nas asas do anjoamarelo.


trecho:

" rosto molhado de lágrimas salgadas misturadas à água doce da chuva."




Literatura espetacular. Uma mistura de lirismo e prosa, misto de poesia e narração. Poderia cantar a tua história, tão marcada
é a sua métrica.
Só não entendo a desesperança sempre reinante nessas tuas indagações. Teus olhos buscam incansavelmente o paradoxo da mortalidade,
como se sua alma desejasse morrer. Tua Maria perde a essência (grafado rápidamente antes que venha a reforma ortográfica) enquanto morre em vida, ela perde a humanidade, enquanto corre atrás de sonhos...que se desfazem como sonhos...
Enche essa tua boca de esperança, criatura! Saiba tu, que a morte e o caos, que por toda a parte te rodeiam,
foram mortalmente feridas com a semântica do Calvário.
Em toda a parte eu vejo a morte murmurando maldições e seus anjos tortos, perdendo seus espaços milenares conquistados.
Quando ouço a palavra Maria, não são lamentações ou gritos de desespero que tangem as cordas da
alma. Quando ouço Maria, lembro-me da menina de 13 anos que canta uma canção de amor,
Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor,
47 E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;
48 Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada,
49 Porque me fez grandes coisas o Poderoso; E santo é seu nome.
50 E a sua misericórdia é de geração em geração Sobre os que o temem.
51 Com o seu braço agiu valorosamente; Dissipou os soberbos no pensamento de seus corações.
52 Depôs dos tronos os poderosos, E elevou os humildes.
53 Encheu de bens os famintos, E despediu vazios os ricos.
54 Auxiliou a Israel seu servo, Recordando-se da sua misericórdia;
55 Como falou a nossos pais, Para com Abraão e a sua posteridade, para sempre.


Então, saiba que tua Maria merecia ver o anjo amarelo sendo amarrado pelo anjo que reluz como o sol,
que o rio devia se abrir parando o tempo, enquanto o barco vomitava pra fora seu amado,
cumprindo este as promessas que lhe fêz, quando, qual o sacerdote Simeão, elevaria seu promogenito até aos céus,
crendo, que a seca se cura, com o mistério da oração.
Então, senhora das letras, só dircordo da desesperança. Porque Tua Palavra manifesta a força de uma Intercessão, ainda que em forma de lamento.
Transforma essa tua tristeza em indignação e eu te indico ao circulo de profetas.

Parabéns, de novo.
publicado por wellcorp às 11:00 | link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
28
31
comentários recentes
Eu já disse que você é demais, mas, não custa nadi...
Você é um ser lindo!
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
You pretty much said what i could not effectively ...
You pretty much said what i could not effectively ...
Maneiro!
Maneiro!
tags

todas as tags

Posts mais comentados
29 comentários
29 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
3 comentários
3 comentários
blogs SAPO