Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados
Porque uma cidade cujo Guardiães são os anjos de Deus,
necessita de muro?
Porque Deus necessita de uma cidade celestial, se habita as dimensões?
Porque ela possui pedras preciosas?
Porque o muro não tem nome, mas os fundamentos do muro, que normalmente não podem ser visto, são nomeados?
Porque vemos os fundamentos de modo tão claro  se eram para estarem OCULTOS?
Porque necessita possuir uma variedade tamanha de cristais, jóias preciosíssimas, os mais belos minerais apresentados pela natureza
se é para estar OCULTO?


E porque no final de toda a história da salvação, no livro dos fechamentos de todas as profecias, imeditamente antes do início
de uma Nova Criação, tendo tanta coisas grandiosas para serem MOSTRADAS, o desfile das hostes angelicais, o fim do universo, a chegada
da Nova Criação, etc, Deus me mostra uma construção? UM MURO?
PORQUE QUE EU QUERO VER UM MURO NO CÉU? PORQUE DEUS DENTRE TANTAS COISAS INDISCRITIVEIS, ME MOSTRA UM MUROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO?
E qual o significado de eu homenagear alguém dando seus nomes para um fundamento de uma muralha? Note que não é o muro que recebe os nomes.
Veja que não são os edifícios da cidade que recebem os nomes dos apóstolos. Veja que eles não nomeiam nada do INTERIOR da dita cidade.

APOCALIPSE 21.12-18

E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.
Do lado do levante tinha três portas, do lado do norte, três portas, do lado do sul, três portas, do lado do poente, três portas.
E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.
E aquele que falava comigo tinha uma cana de ouro, para medir a cidade, e as suas portas, e o seu muro.
E a cidade estava situada em quadrado; e o seu comprimento era tanto como a sua largura. E mediu a cidade com a cana até doze mil estádios; e o seu comprimento, largura e altura eram iguais.
E mediu o seu muro, de cento e quarenta e quatro côvados, conforme a medida de homem, que é a de um anjo.
E a construção do seu muro era de jaspe, e a cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro.
E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda a pedra preciosa. O primeiro fundamento era jaspe; o segundo, safira; o terceiro, calcedônia; o quarto, esmeralda;
O quinto, sardônica; o sexto, sárdio; o sétimo, crisólito; o oitavo, berilo; o nono, topázio; o décimo, crisópraso; o undécimo, jacinto; o duodécimo, ametista.





 
Em primeiro lugar a eternidade não é fruto da imaginação humana. Não é criação fundamentada em arquétipos ancestrais da alma. Todas as imagens de coisas celestiais não são fruto de porres monumentais de profetas suburbanos misturadas a lembranças vívidas de imagens religiosas de seus tempos de infância.  Profetas bêbados não tem carteira. A profecia não é de origem humana. Não é psicologicamente induzível por drogas alucinógicas ou fruto de alterações na fábrica química das percepções do tecido cerebral.  Deus propôs coisas espirituais com autoria, feitas do jeito que imaginou com razões especiais. Não há uma eternidade na qual não haja uma cidade celestial, não há como se aproximar da fonte do universo e da origem de todas as coisas sem ser impactado pela beleza de muros que parecem ser feitos de jaspe.  Porque do mesmo modo que imaginou o bentevi e o uirapuru, assim Deus imaginou as coisas invisíveis. Do mesmo modo que doou a cor aos olhos de aishwarya, 










assim no lugar das coisas essenciais, no mundo de significados plenos, na terra sonhada por sonhos maiores que os sonhos dos anjos, Ele encheu o lugar de Sua Habitação de coisas que são plenas de evocações, lembranças, alegorias, representações e substancia. Essencialmente plenas de significados e de mistérios que abrangem aquilo que DEUS mais preza, mais ama, mais considera. No lugar mais sublime, ele sublimou os significados, no lugar mais divino, tudo resplandece o que em Deus é mais importante.  Ele está refletido nas obras da Criação, mas no céu, são os segredos mais íntimos e as coisas mais profundas que estão manifestas. O céu mostra Deus desnudando sua alma, revelando seu interior.
E o muro de jaspe é uma das peças desta revelação.
Ele é a chave para os mistérios dos propósitos anteriores a criação.  Ele é guardado por anjos, ele envolve o bem mais precioso do universo, ele envolve, circunda o amanhã de um lugar onde só habitará a alegria e onde filhos e filhas festejarão a vitória contra a morte, a dor e a perda. Onde o pecado não possui espaço ou memorial, onde os demônios não entram e nem podem entrar, onde a essência dos homens é plena de luz.
O muro é feito de jaspe, uma pedra semipreciosa vermelha como o sangue, de matizes e sombras, de texturas que jamais se repetem. Nele ficam portas por onde se acessará a cidade. Ele não possui um nome. Mas aquilo que lhe sustenta possui o nome dos que um dia testemunharam o ministério de Cristo na terra e foram por eles separados para serem suas testemunhas.
O muro se assemelha a um tecido que lembra um coração real, e o sangue que corre neles, de um vermelho vivo.  O muro representa a vida de milhares que viveram e creram, que morreram e perseveraram.  O muro fala da fé no coração humano, cuja base é o testemunho de doze enviados, que representam a todos os que foram enviados por Deus para pregar sua Palavra, para falar de seu Evangelho.
Ele circunda a cidade, porque não há como acessar tal lugar, tal dimensão, tal patamar de vida, tal esfera de coisas, tal esperança sublime, sem passar por aqueles que fazem parte deste muro. Moisés, Davi, Isaias, João, Jesus, Maria, Paulo. Barnabé. Gláucia. Amanda. Felipe. José. Manuela. Ivan. Caio. 
Nenhum ser humano entrará pelas portas sem ser impactado pela vida de outro, que derramou um dia seu coração diante de tamanha esperança. Que sofreu por amar ao próximo, que lutou pelo direito de ser digno diante daquele que vive para todo sempre.  
Esse muro é um memorial eterno, diante de Deus, nada é mais vistoso, nada se vê mais longe, nada é tão impactante quanto avistá-lo. Porque nada é maior dentro de Deus. Não existe coisa mais cheia de significados, do que a vida exercida por aqueles que crêem em sua Palavra.  Diante de DEUS para todo sempre ele coroou a expressão de sua Adoração, de sua Vida, de sua Existência.
O muro é a soma de todos os medos, de todas as dores, de todas as intercessões, de todas as orações, de cada gemido, de cada suspiro. De cada ai.
E a dimensão da oração do coração que crê é tão extrema, é de tamanho valor a intercessão dos que oram, que o muro possui a mesma medida da cidade, cidade esta que SIMBOLIZA a grandeza das coisas que hão de vir.
O muro tem a mesma extensão da cidade. 
Assim Deus imaginou aquilo que representa o choro de Ana, o choro de Maria, o choro de Jesus.  Assim Deus imaginou o que significa a morte de Cristo, a morte de João Batista, a morte de Estevão.  Assim Deus representou na visão dada a João aquilo que lhe arrebata a alma. Aquilo que lhe arrebata os sonhos. Porque o Apocalipse não fala dos sonhos dos homens. Mas dos sonhos de Deus. Fala de suas intenções e de suas finalidades. A história da salvação nele está representada. Por isso é coberto de pedras de valor incalculável aos olhos do apóstolo João.  Porque NADA é mais precioso para DEUS que a vida de seus filhos e filhas, nada é capaz de estremecer a Deidade como a manifestação da vida dos que nele estabeleceram sua confiança.  Que foram conectados a ele pelo vinculo da esperança e que amaram amar mais que odiar. Que amaram o bem e rejeitaram o mal.
Assim se estabelece a visão final de Apocalipse.
Esse muro. A cidade. Representa o amor humano expressado em amor a Deus e o amor divino revelado na pessoa daquele que se fez homem e sangrou entre nós.  
Um muro de jaspe.



Quebrada de Jaspe

<input ... >
frente de la quebrada de jaspe
La cascada de la quebrada de Jaspe
Cerca de Santa Elena de Uairén, en el kilómetro 273, se encuentra la quebrada de Jaspe. La quebrada de Jaspe es uno de los lugares más visitados en la Gran Sabana. De fácil acceso, bien organizado y señalizado, es una parada obligada. Desde el estacionamiento, se debe hacer un pequeño y fácil recorrido por la selva y se llega a la quebrada.
La quebrada de Jaspe
La quebrada de Jaspe, río abajo
Allí se observa una gran laja de unos 300 metros de longitud, en donde el agua apenas tiene unos centímetros de profundidad. A la derecha, se encuentra una pequeña cascada que es un lugar excelente para recibir unos agradables masajes de agua, o sencillamente para disfrutar del agua con una temperatura muy agradable.
quebrada de jaspe
Detalle de la cascada
El nombre de la quebrada de Jaspe, se debe a que el fondo es de una piedra semi-preciosa llamada Jaspe, que es en realidad un compuesto de cuarzo y sílice, con un color rojo muy fuerte.
El piso de la quebrada
El piso de la quebrada
La quebrada de Jaspe es uno de los "monumentos naturales" de Venezuela.
publicado por wellcorp às 14:01 | link do post
Porque uma cidade cujo Guardiães são os anjos de Deus,
necessita de muro?
Porque Deus necessita de uma cidade celestial, se habita as dimensões?
Porque ela possui pedras preciosas?
Porque o muro não tem nome, mas os fundamentos do muro, que normalmente não podem ser visto, são nomeados?
Porque vemos os fundamentos de modo tão claro  se eram para estarem OCULTOS?
Porque necessita possuir uma variedade tamanha de cristais, jóias preciosíssimas, os mais belos minerais apresentados pela natureza
se é para estar OCULTO?


E porque no final de toda a história da salvação, no livro dos fechamentos de todas as profecias, imeditamente antes do início
de uma Nova Criação, tendo tanta coisas grandiosas para serem MOSTRADAS, o desfile das hostes angelicais, o fim do universo, a chegada
da Nova Criação, etc, Deus me mostra uma construção? UM MURO?
PORQUE QUE EU QUERO VER UM MURO NO CÉU? PORQUE DEUS DENTRE TANTAS COISAS INDISCRITIVEIS, ME MOSTRA UM MUROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO?
E qual o significado de eu homenagear alguém dando seus nomes para um fundamento de uma muralha? Note que não é o muro que recebe os nomes.
Veja que não são os edifícios da cidade que recebem os nomes dos apóstolos. Veja que eles não nomeiam nada do INTERIOR da dita cidade.

APOCALIPSE 21.12-18

E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.
Do lado do levante tinha três portas, do lado do norte, três portas, do lado do sul, três portas, do lado do poente, três portas.
E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.
E aquele que falava comigo tinha uma cana de ouro, para medir a cidade, e as suas portas, e o seu muro.
E a cidade estava situada em quadrado; e o seu comprimento era tanto como a sua largura. E mediu a cidade com a cana até doze mil estádios; e o seu comprimento, largura e altura eram iguais.
E mediu o seu muro, de cento e quarenta e quatro côvados, conforme a medida de homem, que é a de um anjo.
E a construção do seu muro era de jaspe, e a cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro.
E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda a pedra preciosa. O primeiro fundamento era jaspe; o segundo, safira; o terceiro, calcedônia; o quarto, esmeralda;
O quinto, sardônica; o sexto, sárdio; o sétimo, crisólito; o oitavo, berilo; o nono, topázio; o décimo, crisópraso; o undécimo, jacinto; o duodécimo, ametista.





 
Em primeiro lugar a eternidade não é fruto da imaginação humana. Não é criação fundamentada em arquétipos ancestrais da alma. Todas as imagens de coisas celestiais não são fruto de porres monumentais de profetas suburbanos misturadas a lembranças vívidas de imagens religiosas de seus tempos de infância.  Profetas bêbados não tem carteira. A profecia não é de origem humana. Não é psicologicamente induzível por drogas alucinógicas ou fruto de alterações na fábrica química das percepções do tecido cerebral.  Deus propôs coisas espirituais com autoria, feitas do jeito que imaginou com razões especiais. Não há uma eternidade na qual não haja uma cidade celestial, não há como se aproximar da fonte do universo e da origem de todas as coisas sem ser impactado pela beleza de muros que parecem ser feitos de jaspe.  Porque do mesmo modo que imaginou o bentevi e o uirapuru, assim Deus imaginou as coisas invisíveis. Do mesmo modo que doou a cor aos olhos de aishwarya, 










assim no lugar das coisas essenciais, no mundo de significados plenos, na terra sonhada por sonhos maiores que os sonhos dos anjos, Ele encheu o lugar de Sua Habitação de coisas que são plenas de evocações, lembranças, alegorias, representações e substancia. Essencialmente plenas de significados e de mistérios que abrangem aquilo que DEUS mais preza, mais ama, mais considera. No lugar mais sublime, ele sublimou os significados, no lugar mais divino, tudo resplandece o que em Deus é mais importante.  Ele está refletido nas obras da Criação, mas no céu, são os segredos mais íntimos e as coisas mais profundas que estão manifestas. O céu mostra Deus desnudando sua alma, revelando seu interior.
E o muro de jaspe é uma das peças desta revelação.
Ele é a chave para os mistérios dos propósitos anteriores a criação.  Ele é guardado por anjos, ele envolve o bem mais precioso do universo, ele envolve, circunda o amanhã de um lugar onde só habitará a alegria e onde filhos e filhas festejarão a vitória contra a morte, a dor e a perda. Onde o pecado não possui espaço ou memorial, onde os demônios não entram e nem podem entrar, onde a essência dos homens é plena de luz.
O muro é feito de jaspe, uma pedra semipreciosa vermelha como o sangue, de matizes e sombras, de texturas que jamais se repetem. Nele ficam portas por onde se acessará a cidade. Ele não possui um nome. Mas aquilo que lhe sustenta possui o nome dos que um dia testemunharam o ministério de Cristo na terra e foram por eles separados para serem suas testemunhas.
O muro se assemelha a um tecido que lembra um coração real, e o sangue que corre neles, de um vermelho vivo.  O muro representa a vida de milhares que viveram e creram, que morreram e perseveraram.  O muro fala da fé no coração humano, cuja base é o testemunho de doze enviados, que representam a todos os que foram enviados por Deus para pregar sua Palavra, para falar de seu Evangelho.
Ele circunda a cidade, porque não há como acessar tal lugar, tal dimensão, tal patamar de vida, tal esfera de coisas, tal esperança sublime, sem passar por aqueles que fazem parte deste muro. Moisés, Davi, Isaias, João, Jesus, Maria, Paulo. Barnabé. Gláucia. Amanda. Felipe. José. Manuela. Ivan. Caio. 
Nenhum ser humano entrará pelas portas sem ser impactado pela vida de outro, que derramou um dia seu coração diante de tamanha esperança. Que sofreu por amar ao próximo, que lutou pelo direito de ser digno diante daquele que vive para todo sempre.  
Esse muro é um memorial eterno, diante de Deus, nada é mais vistoso, nada se vê mais longe, nada é tão impactante quanto avistá-lo. Porque nada é maior dentro de Deus. Não existe coisa mais cheia de significados, do que a vida exercida por aqueles que crêem em sua Palavra.  Diante de DEUS para todo sempre ele coroou a expressão de sua Adoração, de sua Vida, de sua Existência.
O muro é a soma de todos os medos, de todas as dores, de todas as intercessões, de todas as orações, de cada gemido, de cada suspiro. De cada ai.
E a dimensão da oração do coração que crê é tão extrema, é de tamanho valor a intercessão dos que oram, que o muro possui a mesma medida da cidade, cidade esta que SIMBOLIZA a grandeza das coisas que hão de vir.
O muro tem a mesma extensão da cidade. 
Assim Deus imaginou aquilo que representa o choro de Ana, o choro de Maria, o choro de Jesus.  Assim Deus imaginou o que significa a morte de Cristo, a morte de João Batista, a morte de Estevão.  Assim Deus representou na visão dada a João aquilo que lhe arrebata a alma. Aquilo que lhe arrebata os sonhos. Porque o Apocalipse não fala dos sonhos dos homens. Mas dos sonhos de Deus. Fala de suas intenções e de suas finalidades. A história da salvação nele está representada. Por isso é coberto de pedras de valor incalculável aos olhos do apóstolo João.  Porque NADA é mais precioso para DEUS que a vida de seus filhos e filhas, nada é capaz de estremecer a Deidade como a manifestação da vida dos que nele estabeleceram sua confiança.  Que foram conectados a ele pelo vinculo da esperança e que amaram amar mais que odiar. Que amaram o bem e rejeitaram o mal.
Assim se estabelece a visão final de Apocalipse.
Esse muro. A cidade. Representa o amor humano expressado em amor a Deus e o amor divino revelado na pessoa daquele que se fez homem e sangrou entre nós.  
Um muro de jaspe.



Quebrada de Jaspe

<input ... >
frente de la quebrada de jaspe
La cascada de la quebrada de Jaspe
Cerca de Santa Elena de Uairén, en el kilómetro 273, se encuentra la quebrada de Jaspe. La quebrada de Jaspe es uno de los lugares más visitados en la Gran Sabana. De fácil acceso, bien organizado y señalizado, es una parada obligada. Desde el estacionamiento, se debe hacer un pequeño y fácil recorrido por la selva y se llega a la quebrada.
La quebrada de Jaspe
La quebrada de Jaspe, río abajo
Allí se observa una gran laja de unos 300 metros de longitud, en donde el agua apenas tiene unos centímetros de profundidad. A la derecha, se encuentra una pequeña cascada que es un lugar excelente para recibir unos agradables masajes de agua, o sencillamente para disfrutar del agua con una temperatura muy agradable.
quebrada de jaspe
Detalle de la cascada
El nombre de la quebrada de Jaspe, se debe a que el fondo es de una piedra semi-preciosa llamada Jaspe, que es en realidad un compuesto de cuarzo y sílice, con un color rojo muy fuerte.
El piso de la quebrada
El piso de la quebrada
La quebrada de Jaspe es uno de los "monumentos naturales" de Venezuela.
publicado por wellcorp às 14:01 | link do post
Breve relato sobre e uma viagem insólita

As Escrituras revelam encontros espetaculares com os anjos. Num destes, em Sodoma, anjos caminharamm por toda a extensão da nefasta cidade, por horas, talvez dias, sendo vistos por milhares de pessoas, que num dos mais vergonhosos atos humanos da história, tencionaram assassiná-los. Quando estes finalmente chegam na casa de Ló, parente de Abraão e estrangeiro na cidade, uma turba se preparou para interceptá-los. Os anjos se apresentaram e conversaram com Ló sobre as intenções divinas e sobre o tremendo julgamento que imutavelmente se aproximava da cidade, ordenando que Ló saisse IMEDIATAMENTE da cidade macabra. Ele recusa-se a sair, vêementemente. Condoído da situação de seus genros, ele solicita o tempo inútil de tentar convencê-los a abandonar a cidade condenada. Os anjos sabem que é inútil o que ele intenta fazer. Ele passa horas na cidade argumentando com os que haviam desposado suas filhas, em vão. Uma horda de degenerados se encontra na porta da casa de Ló, com um pedido inusitado. Eles querem que Ló abra suas portas e permitam que eles possam pegar dos anjos para abusar sexualmente deles. Eles perceberam a beleza dos seres que caminharam no meio deles, mas ao em vez de serem tomados pela curiosidade, ao invés de questionarem sobre quem eram os visitantes, cuja formosura os espantara, tudo que sentiram foi vontade de violentá-los, tal era o grau de degeneração da cidade. O grupo que vai para frente da casa de Ló é formado por componentes de diversas classes sociais ou de várias faixas etárias. Havia um consenso entre eles, consenso que envolvia desde adolescentes até a maioridade, numa representação significativa do pensamento da cidade, e este consenso era maldito, era fruto de uma impiedade que era reflexo de seu padrão de conduta, aceito por todos os cidadãos. Ló, numa atitude insensata, numa mistura de honra e estupidez (toda vez que essa atitude de Ló é lida diante de uma congregação mista, suscita muita raiva das adolescentes presentes, das mulheres em geral, que consideram tal ato tão desprezível, a luz da moral moderna, quanto os atos dos próprios Sodomitas) na tentativa de salvaguardar a vida dos seus hóspedes OFERECE suas filhas para satisfação da luxúria da multidão de degenerados. A maldade dos habitantes era tal, seu desejo de abusar dos anjos era tanta, que eles entenderam tal “oferta” como OFENSIVA. A sua vontade maldosa devia prevalecer, ninguém poderia se interpor entre seu “desejo” e a selvageria de sua realização. Por tentar impedir que eles se “satisfizessem” Ló é condenado imediatamente a morte, a perda dos bens, ao estupro e morte das filhas e ainda assim eles “tomariam a força” aos estrangeiros.



Partem do discurso para a ação imediata, batendo em Ló e tentando arrombar a porta da casa onde estão as filhas de Ló, sua esposa e os anjos. Os anjos saem pela porta, toma a Ló das mãos da horda, estendem suas mãos e eles são cegos pela luz que suas mãos emitem. Toda a multidão perde a capacidade de enxergar. Os Anjos entram com Ló e o ordenam a sair da casa. Ló ainda demora a arrumar os pertences, sabendo bem o destino que aguarda a cidade quando seus pés deixarem aquele lugar. Há algo que os anjos sabem sobre o instante em que tal acontecerá. Há um decreto, um tempo em que a cidade deixará de existir. E eles agem como se tal cronograma fosse irrevogável. Eles Apressam a Ló, porque sabem QUANDO tal fato irá ocorrer, e o tempo se esgota rapidamente. Eles finalmente, LITERALMENTE, arrastam a família pelas mãos e correndo vão com eles em direção a saída da cidade, ordenando expressamente que não parem, que não olhem para trás. Pela última vez LÓ ainda argumenta que NÃO QUER IR NA DIREÇÃO DETERMINADA pelos anjos. Nesse momento eu creio que os anjos fizeram uma pergunta aos céus: E AGORA? Deus em conversa íntima com os anjos, sendo misericordioso com Ló, PERMITE que ELE ainda ESCOLHA a direção para onde deseja ir. Os anjos permitem que ele prossiga para onde quer ir, desde que não parasse, não OLHASSEM para trás. O que acontecerá com Sodoma e Gomorra é um cataclisma de dimensões atômicas. A região afetada é muito maior que a soma das áreas de Hiroshima e Nagasaqui, onde algo semelhante a queda de um meteoro, rompimento de placas tectônicas ou a explosão de um vulcão gigantesco, ocorreu. Conscientes do que IRIA ocorrer em MINUTOS os anjos se despedem de LÓ...e RETORNAM para a cidade...

O cataclisma que tornará em cinzas Sodoma e Gomorra não será capaz SEQUER de arranhar aos anjos de Deus...

Na mais insólita viagem que os anjos um dia haveriam de realizar.

Ló teve duas filhas, que um dia lhe geraram filhos. Num outro momento de

crise familiar ao qual não almejo me reportar no momento.

Muitas gerações após tais acontecimentos nasceria uma descendente de Ló de nome Ruth. Seria avó do rei Davi. Que seria antecessor de Maria, de quem nasceria o Cristo.

Ló foi amado. Quando os anjos hoje olham para Cristo assentado a destra do Pai, lembram do dia em que empurraram apressadamente a um certo homem teimoso, naquela campina que hoje cheira a sal e enxofre, ás margens do mar morto.



Welington J F.
publicado por wellcorp às 09:51 | link do post
Breve relato sobre e uma viagem insólita

As Escrituras revelam encontros espetaculares com os anjos. Num destes, em Sodoma, anjos caminharamm por toda a extensão da nefasta cidade, por horas, talvez dias, sendo vistos por milhares de pessoas, que num dos mais vergonhosos atos humanos da história, tencionaram assassiná-los. Quando estes finalmente chegam na casa de Ló, parente de Abraão e estrangeiro na cidade, uma turba se preparou para interceptá-los. Os anjos se apresentaram e conversaram com Ló sobre as intenções divinas e sobre o tremendo julgamento que imutavelmente se aproximava da cidade, ordenando que Ló saisse IMEDIATAMENTE da cidade macabra. Ele recusa-se a sair, vêementemente. Condoído da situação de seus genros, ele solicita o tempo inútil de tentar convencê-los a abandonar a cidade condenada. Os anjos sabem que é inútil o que ele intenta fazer. Ele passa horas na cidade argumentando com os que haviam desposado suas filhas, em vão. Uma horda de degenerados se encontra na porta da casa de Ló, com um pedido inusitado. Eles querem que Ló abra suas portas e permitam que eles possam pegar dos anjos para abusar sexualmente deles. Eles perceberam a beleza dos seres que caminharam no meio deles, mas ao em vez de serem tomados pela curiosidade, ao invés de questionarem sobre quem eram os visitantes, cuja formosura os espantara, tudo que sentiram foi vontade de violentá-los, tal era o grau de degeneração da cidade. O grupo que vai para frente da casa de Ló é formado por componentes de diversas classes sociais ou de várias faixas etárias. Havia um consenso entre eles, consenso que envolvia desde adolescentes até a maioridade, numa representação significativa do pensamento da cidade, e este consenso era maldito, era fruto de uma impiedade que era reflexo de seu padrão de conduta, aceito por todos os cidadãos. Ló, numa atitude insensata, numa mistura de honra e estupidez (toda vez que essa atitude de Ló é lida diante de uma congregação mista, suscita muita raiva das adolescentes presentes, das mulheres em geral, que consideram tal ato tão desprezível, a luz da moral moderna, quanto os atos dos próprios Sodomitas) na tentativa de salvaguardar a vida dos seus hóspedes OFERECE suas filhas para satisfação da luxúria da multidão de degenerados. A maldade dos habitantes era tal, seu desejo de abusar dos anjos era tanta, que eles entenderam tal “oferta” como OFENSIVA. A sua vontade maldosa devia prevalecer, ninguém poderia se interpor entre seu “desejo” e a selvageria de sua realização. Por tentar impedir que eles se “satisfizessem” Ló é condenado imediatamente a morte, a perda dos bens, ao estupro e morte das filhas e ainda assim eles “tomariam a força” aos estrangeiros.



Partem do discurso para a ação imediata, batendo em Ló e tentando arrombar a porta da casa onde estão as filhas de Ló, sua esposa e os anjos. Os anjos saem pela porta, toma a Ló das mãos da horda, estendem suas mãos e eles são cegos pela luz que suas mãos emitem. Toda a multidão perde a capacidade de enxergar. Os Anjos entram com Ló e o ordenam a sair da casa. Ló ainda demora a arrumar os pertences, sabendo bem o destino que aguarda a cidade quando seus pés deixarem aquele lugar. Há algo que os anjos sabem sobre o instante em que tal acontecerá. Há um decreto, um tempo em que a cidade deixará de existir. E eles agem como se tal cronograma fosse irrevogável. Eles Apressam a Ló, porque sabem QUANDO tal fato irá ocorrer, e o tempo se esgota rapidamente. Eles finalmente, LITERALMENTE, arrastam a família pelas mãos e correndo vão com eles em direção a saída da cidade, ordenando expressamente que não parem, que não olhem para trás. Pela última vez LÓ ainda argumenta que NÃO QUER IR NA DIREÇÃO DETERMINADA pelos anjos. Nesse momento eu creio que os anjos fizeram uma pergunta aos céus: E AGORA? Deus em conversa íntima com os anjos, sendo misericordioso com Ló, PERMITE que ELE ainda ESCOLHA a direção para onde deseja ir. Os anjos permitem que ele prossiga para onde quer ir, desde que não parasse, não OLHASSEM para trás. O que acontecerá com Sodoma e Gomorra é um cataclisma de dimensões atômicas. A região afetada é muito maior que a soma das áreas de Hiroshima e Nagasaqui, onde algo semelhante a queda de um meteoro, rompimento de placas tectônicas ou a explosão de um vulcão gigantesco, ocorreu. Conscientes do que IRIA ocorrer em MINUTOS os anjos se despedem de LÓ...e RETORNAM para a cidade...

O cataclisma que tornará em cinzas Sodoma e Gomorra não será capaz SEQUER de arranhar aos anjos de Deus...

Na mais insólita viagem que os anjos um dia haveriam de realizar.

Ló teve duas filhas, que um dia lhe geraram filhos. Num outro momento de

crise familiar ao qual não almejo me reportar no momento.

Muitas gerações após tais acontecimentos nasceria uma descendente de Ló de nome Ruth. Seria avó do rei Davi. Que seria antecessor de Maria, de quem nasceria o Cristo.

Ló foi amado. Quando os anjos hoje olham para Cristo assentado a destra do Pai, lembram do dia em que empurraram apressadamente a um certo homem teimoso, naquela campina que hoje cheira a sal e enxofre, ás margens do mar morto.



Welington J F.
publicado por wellcorp às 09:51 | link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
comentários recentes
Eu já disse que você é demais, mas, não custa nadi...
Você é um ser lindo!
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
You pretty much said what i could not effectively ...
You pretty much said what i could not effectively ...
Maneiro!
Maneiro!
tags

todas as tags

Posts mais comentados
subscrever feeds
SAPO Blogs