Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Welington Corporation

Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados

Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados

Welington Corporation

24
Set07

Terra de ninguém - Jeremias 32

wellcorp




2-4Nessa ocasião Jeremias estava encarcerado no calabouço da cave do palácio; e durante esse tempo o exército de Babilónia cercava Jerusalém. O rei Zedequias tinha-o posto lá por ter continuado a profetizar que a cidade haveria de ser conquistada pelo rei de Babilónia, e que o rei Zedequias seria preso e levado, como prisioneiro, até à presença do rei de Babilónia, para ser julgado e sentenciado.


5Ele te levará para Babilónia, e te meterá lá na prisão, por muitos anos, até que morras. Porquê combater factos? Não poderás vencer! É melhor renderes-te já! Estas foram as palavras que Jeremias lhe disse repetidamente.


6Então veio esta mensagem do Senhor a Jeremias:


7Teu primo Hanameel, filho de Salum, virá em breve ter contigo para te pedir que lhe compres a propriedade que tem em Anatote, porque, pela lei, tens direito a adquiri-la antes que outros se proponham transaccioná-la.


8E com efeito Hanameel apareceu, como o Senhor tinha predito, e veio ver-me à prisão. Queres comprar a minha propriedade de Anatote, na terra de Benjamim, perguntou-me; porque a lei dá-te a ti o direito de a adquirires. Foi assim que me dei conta de que efectivamente a mensagem que tinha recebido vinha do Senhor.


9-10E comprei-lhe o terreno, pagando-lhe duzentos gramas de prata. Assinei e selei o contrato de compra perante testemunhas, tendo pesado a prata, que lhe entreguei logo.
















Terra de ninguém










No Man's Land.
No man's land (significando terra de ninguém) é um termo da língua inglesa empregado para designar um território não ocupado ou, mais especificamente, um território sob disputa entre partes que não o ocuparão por medo ou incerteza.




Na Primeira Guerra Mundial e em outras guerras que envolveram combates de trincheiras, o termo no man's land indicava o espaço entre as trincheiras das duas forças beligerantes. Esse território não pertencia a nenhum dos lados, era um lugar neutro no campo de batalha. No man's land era uma área muito perigosa porque não fornecia nenhuma cobertura que as trincheiras proporcionavam. No entanto, soldados eram forçados a se aventurar nela quando avançavam, e os responsáveis pela evacuação de feridos precisavam atravessar a zona para transportar os soldados para tratamento. No man's land era freqüentemente um experiência difícil para os soldados, variando de algumas centenas de metros a, em alguns casos, apenas 15 metros. Defendidas por metralhadoras e atiradores de ambos os lados, essas zonas eram freqüentemente repletas de minas e arame farpado. Bombardeamento intenso e artilharia cobriam a no man's land em um mar de explosões e fogo, devastando a área


Das três forças armadas que dispomos nos exércitos modernos, duas reportam a antiguidade:
Exército e Marinha. Infantaria e Navios de guerra. A aeronáutica surge no front somente no início do século XX, iniciando com as velhas máquinas voadoras e seus audazes pilotos. As batalhas aéreas se iniciam justamente na primeira guerra mundial. Um avião caindo na terra de ninguém era algo impensado. Dificilmente um piloto sairia de lá vivo. As guerras do passado, no entanto também possuíam seus artefatos de engenharia. E suas estratégias que até hoje são utilizadas. O CERCO, por exemplo, era quando um exército sitiava uma cidade, deixando a míngua seus moradores, até que por falta de haveres ou provisões o exército instalado na dita cidade se rendia e a cidade era tomada. A cidade antiga era fortificada, geralmente defendida com altos muros, torres com armas e imensos vasilhames com óleo que poderiam ser rápidamente incendiados, possuindo também pedras pesadas para serem jogadas dos muros, estacas e uma artilharia composta de flecheiros. O CERCO, entretanto, minava a força de defesa da cidade até que seus habitantes exauridos pela fome fossem forçados a abrir os portões e se render. Na Segunda Guerra mundial os alemães cercam mais de trezentos mil judeus, enclausurando-os num bairro de ruas estreitas, na região pobre de Varsóvia, controlando a entrada e saída de alimentos, fazendo com isoo que milhares perecessem sobre as duras condições do campo de concentração improvisado. 2600 anos antes do gueto de Varsóvia ocorreu um terrível CERCO, na cidade de Jerusalém O protagonista desta antiga guerra não foi o TERCEIRO HEICH inexistente ainda. Foram os caldeus. Estes na época de Jeremias fizeram o mesmo com a cidade de Jerusalém. A cidade enfrentou então o cerco do mais poderoso exército da época, que fizera frente ao egito, que conquistara grande parte do mediterraneo, da india, do casaquistão, paquistão, parte da asia, assim como a arábia e que estendia seu império até o norte da africa. Já havia meses que fora sitiada. Parte da cidade baixa de Jerusalém já se encontrava destruída. Os incendios frequentes eram visto em toda parte. A fome era tremenda. As instituições de nobreza; sacerdócio; as escolas; a economia; nenhum setor restara intacto. Máquinas de guerra, ora lançavam imensas pedras, outras vezes blocos incendiados. Choviam flechas em vários setores dentro dos muros, assim como lanças, que eram lançadas cotidianamente. Jerusalém se tornara verdadeiramente numa terra de ninguém. Encarcerado no pátio da guarda, o nosso conhecido profeta Jeremias. Contra toda a opinião vigente, Jeremias sempre parecia ser do contra. Enquanto os falsos profetas repetiam falsas promessas de livramento, Jeremias repetia o que já vinha afirmando a quase 30 anos. A destruição era inevitável. O rei enfurecido mandou encarcerár o profeta que pregava rebelião. Que ordenava que o povo se RENDESSE. Zedequias, o rei, disse que ISRAEL era nação DIVINA. Que eles eram o povo escolhido. Não pereceriam. Jeremias disse que os exércitos tomariam tudo. Zedequias disse ser o descendente de DAVI e sobre profecias dizendo: "Jamais faltará um homem da casa de Davi que se assente sobre o trono real". Jeremias disse que ele seria arrastado em cadeias e que ele, o rei, olharia nos olhos de seu conquistador.
Jeremias sabia o que haviam feito. Ouvira o grito das adolescentes quando eram queimadas vivas em oferenda a uma divindade maligna chamada Moloque, em rituais malditos no vale do lixão, o vale de Hinon. Jeremias sabia sob parte dos sacerdotes se acostumando com noites de orgias nos cultos dos templos de Baal e da deusa da fertilidade. De dia preparavam oferendas no templo do Senhor. Mas a noite queimavam bolos de farinha com o azeite que roubavam do templo, a rainha dos céus. Os profetas pagos falavam somente aquilo agradável ao rei e seus asseclas. Por toda parte latifundiários escravizavam seus irmãos e irmãs israelitas em suas fazendas ilegítimas. As terras das famílias israelitas eram hereditárias. De 49 em 49 anos teriam que voltar as famílias asncestrais. Os fazendeiros jamais praticaram tal coisa. Nas disputas judiciais da cidade, os pobres que não podiam comprar as decisões dos juízes perdiam até a roupa do corpo, quando não a própria liberdade. Zedequias reclamava promessas que não tinha direito de reclamar. E lógico, por isso, Jeremias agora estava preso... No meio da noite, no entanto, uma revelação louca acordou o profeta indignado:
Amanhã teu sobrinho virá te vender uma fazenda, que pertenceu a teus avós. Compre-a.
Ela fica na terra de teu nascimento, lá em Benjamim.
Pela manhã Hanamel sobrinho de Jeremias apareceu afoito com uma oferta absurda. Uma imensa fazenda de valor de pelo menos 40 kilos de prata, vendendo por uma pechincha. 200 gramas de prata. Jeremias tomou testemunhas e redigiu de seu próprio punho o contrato. Pediu aos guardas que liberassem suas economias. Abriu sua velha bolsa e tirou de lá cerca de 30 moedas. E comprou o campo. O ex-proprietário tinha um anel com um selo, que por falta de tinta, usa com seu próprio sangue, para marcar o rolo de pergaminho. Descalça um dos seus sapatos e entrega a escritura nas mãos de Jeremias. As testemunhas admirando aquele estranho ato gritam: Está FEITO! Está consumado. Jeremias chama seu amigo escriba, biógrafo e que trabalhava como intérprete e cronista no palácio. Por entre as grades entrega o rolo nas mãos de Baruc e solicita que seja guardado num lugar apropriado. A comitiva parte, enquanto a chuva de flechas se levanta no horizonte. Então Jeremias entende. Haverá um amanhã. Ele sobreviverá para vê-lo. Haverá esperança, haverá um futuro. Mesmo que os exércitos entrem, mesmo que a cidade seja destruída, Deus mostrava que ainda haveriam vinhas e olivais, que ainda haveria vida, que um dia a guerra cessaria. A terra de ninguém tinha dono. Deus julgava a nação pela morte dos inocentes, mas cessado o juto juízo, haveria paz. As conseqüencias de atos terríveis não seriam suficientes para impedir que a graça e a misericórdia suplantassem sobre o juízo. O pecado humano seria julgado. Mas no fim, haveria esperança. Quando Jeremias entendeu o que Deus estava lhe mandando fazer, exclamou:
24Vejam só estes baluartes com que o inimigo sitia a cidade, e que se aproxima ofensivamente das muralhas; os babilónios acabarão por conquistar a cidade pela espada, pela fome e pela peste. Desta forma tudo aconteceu como tinhas dito, e como estava determinado que fosse!
25Pois mesmo assim, apesar disso tudo, tu disseste-me que comprasse o campo - que pagasse o dinheiro pedido por ele, perante testemunhas, num acto legal - embora a cidade esteja já praticamente dada nas mãos dos nossos inimigos.
Então Deus respondeu a Jeremias algo que todos os governantes da terra deveriam conhecer de cor. A razão oculta para que tanta tragédia se manifeste entre os seres humanos.


26Então veio esta mensagem a Jeremias:
27-31Eu sou o Senhor, o Deus de toda a humanidade. Haverá por acaso alguma coisa demasiado difícil de realizar, para mim? Sim, com certeza que darei esta cidade aos babilónios, a Nabucodonozor, o rei deles; ele há-de conquistá-la. Os soldados que lá estão de fora entrarão, porão fogo à cidade e queimarão todas esta habitações, cujos telhados serviram para oferecer incenso a Baal, e para derramar libações a outros deuses, provocando assim a minha ira! Porque Israel e Judá só souberam praticar o mal, desde os primeiros tempos; enfureceram-me com todos os seus actos pecaminosos. Desde o tempo em que esta cidade foi construída até agora, não têm feito senão suscitar-me a cólera; por isso estou decidido a lançá-los fora da minha presença.
32-35Os pecados de Israel e de Judá - os pecados do povo, dos reis, dos responsáveis pela administração pública, dos sacerdotes e dos profetas - exasperam-me. Voltaram-me as costas, e recusam converter-se; dia após dia, ano após ano, lhes ensinei a distinguir o bem do mal, mas não querem ouvir-me e obedecer. Conspurcaram o meu próprio templo, fazendo adorações, aqui mesmo, aos seus abomináveis ídolos. Construíram enormes altares a Baal no vale de Hinom. Lá queimaram os filhos em sacrifício ao deus Moloque - coisa que lhes recomendei que nunca fizessem, e nada nas minhas leis poderia ter-lhes sugerido tal coisa. Que tremenda e incrível maldade, ter feito Judá pecar dessa maneira!
36-39Por isso agora o Senhor Deus de Israel diz respeitante a esta cidade, que cairá nas mãos do rei de Babilónia através da guerra, da fome e da pestilência, mas que tornará a trazer o povo de volta, de todos os países para onde a sua cólera os dispersou. Tornarei a trazê-los para esta mesma cidade, e farei com que vivam em paz e em segurança. Serão o meu povo e serei o seu Deus. Dar-lhes-ei um só coração e uma só mente para que me adorem para sempre, para seu próprio bem e para a felicidade dos seus descendentes.
40-42Farei com eles uma aliança eterna, em como nunca mais os abandonarei, e só lhes farei bem. Porei um só desejo no seu coração: o de me adorar; e nunca mais me deixarão. Terei alegria em lhes fazer bem; tornarei a plantá-los nesta terra, com grande alegria. Assim como lhes enviei todos estes terrores e males, assim também depois lhes farei todo o bem que prometi.
43-44As terras tornarão a ser compradas e vendidas, terras essas agora desvastadas pelos babilónios, e donde os homens e animais desapareceram. Sim, os campos serão novamente transaccionados - e os contratos respectivos selados perante testemunhas - tanto na terra de Benjamim como aqui na zona de Jerusalém, nas cidades de Judá, como na reigão das colinas; na planície da Filisteia, como no Negueve. Há-de vir o tempo em que restaurarei a sua prosperidade.

Jeremias não comprava um campo para si. Comprava para nós. Ele executava um ato profético, uma alegoria, um símbolo. Seu ato louco traduzia outra perspectiva. Desdobrava-se numa outra dimensão. A dimensão dos atos de fé, dos atos de homens que obedeceram a Deus, quando tudo o mais dizia que Deus já não existia mais. O ato profético de Jeremias reverberava Cristo. Narrava Cristo. Gritava fatos sobre um homem a quem representava que verdadeiramente compraria o MUNDO num tempo de guerra.

Jesus um dia viria a terra e a compraria para Deus. Derramaria seu espírito como sinal dessa aliança. Na ceia ele fala desse contrato:

Lucas 22:20 fala "Este é o cálice da Nova Aliança no meu sangue derramado por vós" Jeremias ergue nas mãos numa "terra de ninguém" um pergaminho que lhe dá direito a uma herança impensada. Jesus ergueu o cálice e comemorou a redenção humana iniciada. As testemunhas gritariam para Jeremias: Está feito! Jesus gritaria na cruz: Está Consumado! Ainda havia guerra quando Jeremias comprou um terreno da herdade de seus pais. Ainda existe uma insana guerra espiritual desde que a cruz se ergueu na terra. Mas, a herança e a esperança de dias maiores revigoraram o coração do profeta. O clamor da guerra não sufoca a realidade da palavra de Deus. Profecias verdadeiras são como espadas cravadas na terra depois de vencida a batalha. Elas testemunham o que já aconteceu, depois de ser o instrumento que na verdade, moldou o amanhã. Os tambores batiam pavorosamente naquela manhã, as trombetas altissonantes entoavam notas de dispor para a batalha. As prisões ainda detinham o sofrido e rejeitado profeta e a destruição que ele mesmo profetizou não tardaria a ceifar a cidade. Quando caminhava em direção a semana derradeira de seu ministério, Jesus chorou sobre a visão da mesma cidade, perto do mesmo lugar onde Jeremias foi preso, dizendo:

"Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os mensageiros que Deus lhe manda! Quantas vezes eu quis abraçar todo o seu povo, assim como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo de suas asas, mas vocês não quiseram!" O mundo ainda vive dias de cerco. As nações ainda respiram a guerra. Por todo lado ainda domina a fome, a ignorância, a mentira, a corrupção. Da venda de medicamentos falsos, a criação e disseminação de doenças fabricadas em laboratório, de atos insanos de auto-terrorismo para justificar a necessidade do petróleo alheio. Recursos essenciais começam a faltar. O homem vive dias de cerco espiritual, do mesmo tipo que envolveu o ministério de Jesus onde por cada esquina uma pessoa endemoninhada gritava à sua passagem. Vive cercos numa busca incessante de velhas religiões, envolto no clamor crescente da crença num universo sem Deus. Cerco burro, zombando dos demônios como inexistentes, como só fossem abstrações da mente, ao mesmo tempo em que invoca a magia e poderes que POR ELES É REALIZADA. Milhares de denominações que se dizem cristãs, AINDA NO CERCO, vivem como os falsos profetas da época de Jeremias dizendo: - Está tudo bem. O inferno já foi vencido. Opressão maligna é coisa do passado. O apocalipse é só uma reinterpretação teológica da história pregressa. As profecias, todas elas, já se cumpriram. O mal não virá sobre a terra. Não haverá juízo sobre a maldade humana. E será delas, dessas instituições proféticas falidas (falo dos falsos mestres e profetas que nelas habitam, não da instituição em si), que cobrar-se-á o altíssimo preço da omissão da verdade.

No livro de Apocalipse, João envolto de grandiosa tristeza, aguardava a chegada de um ser, um único, qual em todo o universo fosse digno o suficiente para abrir um estranho pergaminho selado por dentro e por fora entregue pelo próprio Deus. Na visão percebe que havia, entre os bilhões de anjos, quem fosse digno de tal coisa. Até que Jesus vem caminhando, triunfantemente, ao meio de todos os seres viventes e pessoalmente TOMA em suas mãos o CONTRATO que está nas mãos de Deus o Criador de tudo. É esse dia que aconteceu no invisível, é sobre esse fato eterno, sobre a legitimidade de CRISTO ser possuidor de TUDO, retomando para si o que lhe pertence por DIREITO eterno, é sobre tal fato que Jeremias prefigurava. Isto é o que ele representava.

Hananel ia rindo tendo nas mãos suas duzentas gramas de prata, e Jeremias quase sem nada possuir, apropriou-se de uma herança que jamais pensou que pudesse ter. Jeremias presenciou tudo de pior que sua nação foi capaz de protagonizar. Cansou de ver os corpos ainda carbonizados das crianças queimadas em honra de deuses que não eram nada. E possuía pouca ou nenhuma esperança nos seres humanos. Não viu mudanças nos corações de pedra de seus compatriotas, não conheceu a transformação de gente pela sua pregação, caminhou em meio a monólitos, gente incapaz de amar. Ele entendia a razão da indignação de Deus. Ele entendia que a justiça deveria acontecer. Mas naquela manhã, Jeremias recebeu de volta algo que o abraçaria até o fim de sua vida. Zedequias morreria preso no exílio. Jeremias SABIA. Sim ele sabia. Ainda lançaria sementes na antiga fazenda de seus pais. Atualmente essa fazenda é um Kibutz, uma fazenda administrada por uma sociedade agrícola. Mas, mesmo depois de séculos, na verdade está só arrendada. Ainda pertence ao profeta que ousou enfrentar um rei. Ainda é símbolo de um contrato, que transformará essa "terra de ninguém" chamada mundo, numa propriedade de Cristo, que como absoluto Senhor, realizará a paz.

Mas até que este retorne, selou corações que crêem com alegria e certeza. E nos sinalizou com sua presença, como sinal, que a guerra não é forte o bastante, para enfrentar o "está consumado" emitido na cruz.

Porque a terra de ninguém, tem dono.

Welington J Ferreira


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub