Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Welington Corporation

Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados

Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados

Welington Corporation

04
Out07

A criança indobrável

wellcorp

26.11.03:::

A criança indobrável.

Desde ontem minha filha não anda.
O que a deixou assim não foi um acidente de carro, nenhuma síndrome rara, nem doença degenerativa paralizante (toc, toc, toc.).
O que a deixou presa à cama, ao colo ou rastejando (literalmente: ras-te-jan-do) pelo chão da casa foi um ridicularmente minúsculo arranhão no joelho.
(Fotografei sim, pra ninguém achar que eu tô relativizando a dor alheia).
Tudo começou com um tombinho bobo na escola. Quando eu fui buscar, estava andando quase normalmente. Ao chegar em casa, o arranhão virou uma enfermidade só menor do que o drama que a portadora do mesmo anda fazendo.
Esticar a perna? Nem pensar.
Apoiar o pé no chão? Nem com as piores chantagens emocionais.
Dar um passo? Só se for no colo de alguém, ou sentada de bunda no chão, arrastando o corpo com a força dos bracinhos.
(Deus me perdoe a comparação, mas ela tá "andando" igualzinha, igualzinha a uma mendiga aleijadinha que esmolava pelo Centro de Belo Horizonte quando eu era mais nova. Quem é daqui há de lembrar).
Isso desde ontem pela manhã.
Eu já tentei de tudo. Da infinita paciência materna, com direito a milhares de beijinhos e mãe faltando ao trabalho, até psicologias pouco ortodoxas, que incluem alguns berros e ameaças de palmada.
Não funciona.
Nada funciona.
Não consigo dobrar a Alice e fazê-la pelo menos tentar esticar a perna. Segundo ela, isso só vai acontecer quando a casquinha do machucado sumir, senão dói "muito, muito, muito, muito, muito, muito..."
(Persistindo esse veredicto, pelo pouco que eu conheço de processos cicatrizantes e Lei de Murphy, é altíssima a chance de eu embarcar para a Bahia, no domingo, com 14 kg no colo).

Como simpatizante de Leitura Corporal e outras abordagens holísticas para toda sorte de problemas, resolvi conversar a sério com o pai da criança:
- Ed, o que você acha que pode estar acontecendo?
- Como assim?
- Esse drama todo por causa desse joelho, o que será? Qual o recado que ela quer dar? Eu tô preocupada!


O pai, fiel a sua profunda formação zen-budista, filosofa:
- Juliana, já passou pela sua cabeça que a sua filha pode simplesmente ser uma chata?
Tem tanta gente chata e enjoada no mundo! Todas elas foram criança algum dia. Nossa filhinha querida também pode ser isso: uma mala!


É. Agora eu tô realmente mais calma.

: : Ju : :
http://mothern.blogspot.com/
04
Out07

A criança indobrável

wellcorp

26.11.03:::

A criança indobrável.

Desde ontem minha filha não anda.
O que a deixou assim não foi um acidente de carro, nenhuma síndrome rara, nem doença degenerativa paralizante (toc, toc, toc.).
O que a deixou presa à cama, ao colo ou rastejando (literalmente: ras-te-jan-do) pelo chão da casa foi um ridicularmente minúsculo arranhão no joelho.
(Fotografei sim, pra ninguém achar que eu tô relativizando a dor alheia).
Tudo começou com um tombinho bobo na escola. Quando eu fui buscar, estava andando quase normalmente. Ao chegar em casa, o arranhão virou uma enfermidade só menor do que o drama que a portadora do mesmo anda fazendo.
Esticar a perna? Nem pensar.
Apoiar o pé no chão? Nem com as piores chantagens emocionais.
Dar um passo? Só se for no colo de alguém, ou sentada de bunda no chão, arrastando o corpo com a força dos bracinhos.
(Deus me perdoe a comparação, mas ela tá "andando" igualzinha, igualzinha a uma mendiga aleijadinha que esmolava pelo Centro de Belo Horizonte quando eu era mais nova. Quem é daqui há de lembrar).
Isso desde ontem pela manhã.
Eu já tentei de tudo. Da infinita paciência materna, com direito a milhares de beijinhos e mãe faltando ao trabalho, até psicologias pouco ortodoxas, que incluem alguns berros e ameaças de palmada.
Não funciona.
Nada funciona.
Não consigo dobrar a Alice e fazê-la pelo menos tentar esticar a perna. Segundo ela, isso só vai acontecer quando a casquinha do machucado sumir, senão dói "muito, muito, muito, muito, muito, muito..."
(Persistindo esse veredicto, pelo pouco que eu conheço de processos cicatrizantes e Lei de Murphy, é altíssima a chance de eu embarcar para a Bahia, no domingo, com 14 kg no colo).

Como simpatizante de Leitura Corporal e outras abordagens holísticas para toda sorte de problemas, resolvi conversar a sério com o pai da criança:
- Ed, o que você acha que pode estar acontecendo?
- Como assim?
- Esse drama todo por causa desse joelho, o que será? Qual o recado que ela quer dar? Eu tô preocupada!


O pai, fiel a sua profunda formação zen-budista, filosofa:
- Juliana, já passou pela sua cabeça que a sua filha pode simplesmente ser uma chata?
Tem tanta gente chata e enjoada no mundo! Todas elas foram criança algum dia. Nossa filhinha querida também pode ser isso: uma mala!


É. Agora eu tô realmente mais calma.

: : Ju : :
http://mothern.blogspot.com/
04
Out07

dinossauros cantam?

wellcorp
A Nina perguntou:
dinossauros cantam?
e a Fal respondeu:

Nina, minha flor
quando os dinossauros viviam
eles amavam
corriam para todo lado
e sim
cantavam de tudo
até fado!
Eles eram felizes então
não andavam de skate
nem de caminhão
não brincavam de bola
(mas também não iam à escola)
não tinham nem um tostão
E, ah!
adoravam uma canção!
Daí vieram tempos difíceis
complicados, bagunçados
meteoros, vulcões, era glaciais
trecos que tornavam as vidas dos dinossauros infernais
E os pobres dinossauros
foram banidos
mas não esquecidos
e agora, passado um tempão
(e depois que um tal de Darwin inventou a evolução)
os dinossauros inda cantam sim
mas só na nossa imaginação!

um beijo
Tia Fal.

http://mothern.blogspot.com/
04
Out07

dinossauros cantam?

wellcorp
A Nina perguntou:
dinossauros cantam?
e a Fal respondeu:

Nina, minha flor
quando os dinossauros viviam
eles amavam
corriam para todo lado
e sim
cantavam de tudo
até fado!
Eles eram felizes então
não andavam de skate
nem de caminhão
não brincavam de bola
(mas também não iam à escola)
não tinham nem um tostão
E, ah!
adoravam uma canção!
Daí vieram tempos difíceis
complicados, bagunçados
meteoros, vulcões, era glaciais
trecos que tornavam as vidas dos dinossauros infernais
E os pobres dinossauros
foram banidos
mas não esquecidos
e agora, passado um tempão
(e depois que um tal de Darwin inventou a evolução)
os dinossauros inda cantam sim
mas só na nossa imaginação!

um beijo
Tia Fal.

http://mothern.blogspot.com/

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D