Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados
A Bíblia: Os Ketuvim
A terceira parte da Bíblia tem o nome de Ketuvim (Escritos) ou Hagiógrafos, em grego. Neles estão reunidos os Salmos (Tehilim), atribuídos, em, grande parte, ao rei Davi, os Provérbios (Mishlei) de Salomão, o Livro de Jó (Yov), as cinco Meguilot, o Livro de Daniel, os Livros de Esdras e Nehemias (Ezrá e Nehemiá) e as Crônicas (Divrei haYamim).
As cinco Meguilot (Rolos), que são lidas em
Pessah, Pascoa - Cântico dos Cânticos (Shir haShirim), idílio campestre atribuído a Salomão que é uma alegoria sobre o amor entre Deus e Israel;
Shavuot - Festa das colheitas ou Primícias - Livro de Rute, que conta a estória de uma camponesa do tempo dos juízes, bisavó do rei Davi;
Tishá beAv - Destruição do templo, dia dos dez espias (choro de não ouvir a Josué e a Calebe)- Lamentações de Jeremias (Ei’há), sobre a destruição do Templo;
Sucot - Festa das cabanas - Tabernáculos- Eclesiastes (Kohelet), considerações do rei Salomão sobre a vaidade da vida;
Purim - Livro de Ester.
publicado por wellcorp às 09:37 | link do post
A Bíblia: Os Ketuvim
A terceira parte da Bíblia tem o nome de Ketuvim (Escritos) ou Hagiógrafos, em grego. Neles estão reunidos os Salmos (Tehilim), atribuídos, em, grande parte, ao rei Davi, os Provérbios (Mishlei) de Salomão, o Livro de Jó (Yov), as cinco Meguilot, o Livro de Daniel, os Livros de Esdras e Nehemias (Ezrá e Nehemiá) e as Crônicas (Divrei haYamim).
As cinco Meguilot (Rolos), que são lidas em
Pessah, Pascoa - Cântico dos Cânticos (Shir haShirim), idílio campestre atribuído a Salomão que é uma alegoria sobre o amor entre Deus e Israel;
Shavuot - Festa das colheitas ou Primícias - Livro de Rute, que conta a estória de uma camponesa do tempo dos juízes, bisavó do rei Davi;
Tishá beAv - Destruição do templo, dia dos dez espias (choro de não ouvir a Josué e a Calebe)- Lamentações de Jeremias (Ei’há), sobre a destruição do Templo;
Sucot - Festa das cabanas - Tabernáculos- Eclesiastes (Kohelet), considerações do rei Salomão sobre a vaidade da vida;
Purim - Livro de Ester.
publicado por wellcorp às 09:37 | link do post

Los Esponsales (o Desposorio)
De acuerdo a las costumbres antiguas, la Ceremonia de Esponsales (o Desposorio) se llevaba a cabo un año antes o más, antes de llegar al Día de la Boda. Durante los Esponsales (o Desposorio), las familias de la Novia y el Novio se reunían junto con unas cuantas personas que no eran miembros de la familia y que servirían de testigos. El Novio le entregaba a la Novia un anillo de oro u otro artículo de valor. Y si eran pobres, y esas cosas estaban fuera de su alcance, el novio sencillamente le entregaba a la novia un documento en que le prometia casarse con ella. Entonces el Novio le diría a la Novia, “Mira, por este anillo (o esta señal) tú estás reservada para mí, de acuerdo con la ley de Moisés y de Israel”. Familiares y amigos le entregaban entonces regalos a la Novia. Después de esta ceremonia, la Novia regresaba a la casa de su padre y el Novio regresaba a la suya. La vida continuaba como antes, sin embargo, a partir de aquel día la Novia era ya la esposa legítima del Novio. Fue durante este período de Esponsales o Desposorio que María de Nazaret halló que había concebido un hijo. José, profundamente dolido sin duda, tuvo estas opciones de acuerdo a la ley. Ya que María era su mujer legítima, José podía haber permitido que ella fuese castigada a muerte. (Levítico 20:10), o podía haberle dado carta de divorcio. (Deuteronomio 24:1). La Biblia nos dice que debido a que José era un hombre justo y recto él escogió librar la vida de María. No obstante, él podría haber optado por hacer que ella hubiese sido un ejemplo público de lo que le ocurriría a una mujer desposada descubierta en aparente infidelidad. Pero él prefirió que su impureza se mantuviera en secreto mandándola lejos y luego divorciarse de ella discretamente. Fue en ese momento que un ángel del Señor le aseguró que María había permanecido fiel y que el hijo que esperaba había sido engendrado por el Espíritu Santo. (Mateo 1:18-25) la Procesión Nupcial Un año después, poco más o menos, de haberse celebrado la Ceremonia de Esponsales o Desposorio, la Novia sabía que el Día de la Boda se aproximaba. Sin embargo, ella no estaba segura respecto al día y hora exacta en que su Novio regresaría por ella. Todos estamos familiarizados con el término, “¡Corre, apúrate… espera!” que parece describir la situación de la Novia. Mientras ella observaba su calendario y contaba los días hasta que se completara su Desposorio, ella sabía que el tiempo se iba acercando. La Novia sabía que ella tenía que estar lista para ser “llevada” en cualquier momento, pero no sabía ni el día exacto ni la hora precisa en que el Novio vendría por ella. Ya que de acuerdo a la cultura judía el día comienza al ponerse el sol, el Novio generalmente venía de noche. Muchos meses antes del Día de la Boda, la Novia haría todo lo posible para suavizar su piel y hacer que su pelo brillara. Cuando ella pensara que el Día de la Boda ya estaba próximo, se vestiría de bodas cada día al no estar segura si el Novio vendría por ella ese día o no. Posiblemente su pelo sería trenzado con oro
y perlas. Se le colocaba una corona sobre la cabeza y se le ponían brazaletes y pendientes o zarcillos y se adornaba su cabeza con joyas y piedras preciosas de la familia. Si el padre de la novia era un hombre pobre, entonces ella le pediría prestado a sus amigas cualquier cosa que pudiera hacerla verse más bella. Cuando el padre del Novio comprobaba que todos los preparativos estaban listos, le daba permiso a su hijo para que trajese a su Novia a casa. El Novio
reunía a sus Amigos que lo ayudaban a vestirse con hermosos ropajes perfumados de incienso y mirra. Una corona de oro o una guirnalda de flores era colocada sobre su cabeza a fin de que pudiera tener el aspecto lo más cercano posible a como se vería un Rey. Los amigos en broma y jugando le harían venias como si tratara de un miembro de la realeza. Una banda de músicos o cantores los acompañarían.
Algunos invitados a la Boda estarían esperando a lo largo de la senda que conduciría a la casa de la Novia y se unirían a la procesión nupcial conforme esta fuera pasando. Cuando llegaban a la casa de la Novia, el Novio, sus Amigos y los invitados expresarían su alegría y gozo cantando mientras el Novio “tomaba” a su esposa y se la llevaba sacándola de su casa paterna. Hoy en día, quien presida una ceremonia de boda dirá: “¿Tomas a esta mujer como tu legítima esposa?” Probablemente la parte más emocionante de la ceremonia nupcial es cuando se “toma o recibe” a la novia. Adonde la llevaría el Novio dependía de si este era rico o pobre. Si era rico, probablemente ya tenía un lugar preparado para los dos. Si era pobre, irían a la casa del padre del Novio. La Procesión Nupcial partía de la casa de los padres de la Novia y se dirigía a la casa del Novio, adonde se celebraría el Banquete de Boda. Esperando el cortejo y atentos a las voces de alegría y celebración, el resto de invitados, junto con la Damas de Honor de la Novia se unían a la procesion nupcial a lo largo del camino.
Ya que las calles eran muy oscuras, era necesario que cualquiera que transitara de noche llevara consigo una antorcha o una lámpara. El término “llevando sus lámparas” quería decir que uno estaba listo y a la expectativa de ser parte de la celebración. Algo así como haber hecho una reservación hoy en día, sin una antorcha o lámpara uno no podía unirse a la procesión ni tampoco entrar a la casa del Novio. Una vez dentro de la casa, el anfitrión de la fiesta de bodas, que generalmente era el padre del Novio, les entregaría a los invitados preciosas vestiduras que ponerse.

La Novia es llevada donde el Novio que la espera bajo un Dosel Nupcial. Las bodas judías de hoy en día todavía se celebran bajo un dosel (1), y muchas parejas que no son judías escojen casarse bajo algún tipo de lugar techado, como una pérgola o bajo algún tipo de toldo por ejemplo. Esta idea de estar a cubierto surge de las antiguas tradiciones hebreas y la cubierta sobre sus cabezas representa que la pareja está bajo la bendición de Dios.
(1) Nota

En una boda tradicional judía de hoy en día, un dosel de boda (heb. "jupá") está representado
por un paño que se sostiene sobre cuatro postes. A menudo se usa un manto de oración (talit).
publicado por wellcorp às 09:00 | link do post

Los Esponsales (o Desposorio)
De acuerdo a las costumbres antiguas, la Ceremonia de Esponsales (o Desposorio) se llevaba a cabo un año antes o más, antes de llegar al Día de la Boda. Durante los Esponsales (o Desposorio), las familias de la Novia y el Novio se reunían junto con unas cuantas personas que no eran miembros de la familia y que servirían de testigos. El Novio le entregaba a la Novia un anillo de oro u otro artículo de valor. Y si eran pobres, y esas cosas estaban fuera de su alcance, el novio sencillamente le entregaba a la novia un documento en que le prometia casarse con ella. Entonces el Novio le diría a la Novia, “Mira, por este anillo (o esta señal) tú estás reservada para mí, de acuerdo con la ley de Moisés y de Israel”. Familiares y amigos le entregaban entonces regalos a la Novia. Después de esta ceremonia, la Novia regresaba a la casa de su padre y el Novio regresaba a la suya. La vida continuaba como antes, sin embargo, a partir de aquel día la Novia era ya la esposa legítima del Novio. Fue durante este período de Esponsales o Desposorio que María de Nazaret halló que había concebido un hijo. José, profundamente dolido sin duda, tuvo estas opciones de acuerdo a la ley. Ya que María era su mujer legítima, José podía haber permitido que ella fuese castigada a muerte. (Levítico 20:10), o podía haberle dado carta de divorcio. (Deuteronomio 24:1). La Biblia nos dice que debido a que José era un hombre justo y recto él escogió librar la vida de María. No obstante, él podría haber optado por hacer que ella hubiese sido un ejemplo público de lo que le ocurriría a una mujer desposada descubierta en aparente infidelidad. Pero él prefirió que su impureza se mantuviera en secreto mandándola lejos y luego divorciarse de ella discretamente. Fue en ese momento que un ángel del Señor le aseguró que María había permanecido fiel y que el hijo que esperaba había sido engendrado por el Espíritu Santo. (Mateo 1:18-25) la Procesión Nupcial Un año después, poco más o menos, de haberse celebrado la Ceremonia de Esponsales o Desposorio, la Novia sabía que el Día de la Boda se aproximaba. Sin embargo, ella no estaba segura respecto al día y hora exacta en que su Novio regresaría por ella. Todos estamos familiarizados con el término, “¡Corre, apúrate… espera!” que parece describir la situación de la Novia. Mientras ella observaba su calendario y contaba los días hasta que se completara su Desposorio, ella sabía que el tiempo se iba acercando. La Novia sabía que ella tenía que estar lista para ser “llevada” en cualquier momento, pero no sabía ni el día exacto ni la hora precisa en que el Novio vendría por ella. Ya que de acuerdo a la cultura judía el día comienza al ponerse el sol, el Novio generalmente venía de noche. Muchos meses antes del Día de la Boda, la Novia haría todo lo posible para suavizar su piel y hacer que su pelo brillara. Cuando ella pensara que el Día de la Boda ya estaba próximo, se vestiría de bodas cada día al no estar segura si el Novio vendría por ella ese día o no. Posiblemente su pelo sería trenzado con oro
y perlas. Se le colocaba una corona sobre la cabeza y se le ponían brazaletes y pendientes o zarcillos y se adornaba su cabeza con joyas y piedras preciosas de la familia. Si el padre de la novia era un hombre pobre, entonces ella le pediría prestado a sus amigas cualquier cosa que pudiera hacerla verse más bella. Cuando el padre del Novio comprobaba que todos los preparativos estaban listos, le daba permiso a su hijo para que trajese a su Novia a casa. El Novio
reunía a sus Amigos que lo ayudaban a vestirse con hermosos ropajes perfumados de incienso y mirra. Una corona de oro o una guirnalda de flores era colocada sobre su cabeza a fin de que pudiera tener el aspecto lo más cercano posible a como se vería un Rey. Los amigos en broma y jugando le harían venias como si tratara de un miembro de la realeza. Una banda de músicos o cantores los acompañarían.
Algunos invitados a la Boda estarían esperando a lo largo de la senda que conduciría a la casa de la Novia y se unirían a la procesión nupcial conforme esta fuera pasando. Cuando llegaban a la casa de la Novia, el Novio, sus Amigos y los invitados expresarían su alegría y gozo cantando mientras el Novio “tomaba” a su esposa y se la llevaba sacándola de su casa paterna. Hoy en día, quien presida una ceremonia de boda dirá: “¿Tomas a esta mujer como tu legítima esposa?” Probablemente la parte más emocionante de la ceremonia nupcial es cuando se “toma o recibe” a la novia. Adonde la llevaría el Novio dependía de si este era rico o pobre. Si era rico, probablemente ya tenía un lugar preparado para los dos. Si era pobre, irían a la casa del padre del Novio. La Procesión Nupcial partía de la casa de los padres de la Novia y se dirigía a la casa del Novio, adonde se celebraría el Banquete de Boda. Esperando el cortejo y atentos a las voces de alegría y celebración, el resto de invitados, junto con la Damas de Honor de la Novia se unían a la procesion nupcial a lo largo del camino.
Ya que las calles eran muy oscuras, era necesario que cualquiera que transitara de noche llevara consigo una antorcha o una lámpara. El término “llevando sus lámparas” quería decir que uno estaba listo y a la expectativa de ser parte de la celebración. Algo así como haber hecho una reservación hoy en día, sin una antorcha o lámpara uno no podía unirse a la procesión ni tampoco entrar a la casa del Novio. Una vez dentro de la casa, el anfitrión de la fiesta de bodas, que generalmente era el padre del Novio, les entregaría a los invitados preciosas vestiduras que ponerse.

La Novia es llevada donde el Novio que la espera bajo un Dosel Nupcial. Las bodas judías de hoy en día todavía se celebran bajo un dosel (1), y muchas parejas que no son judías escojen casarse bajo algún tipo de lugar techado, como una pérgola o bajo algún tipo de toldo por ejemplo. Esta idea de estar a cubierto surge de las antiguas tradiciones hebreas y la cubierta sobre sus cabezas representa que la pareja está bajo la bendición de Dios.
(1) Nota

En una boda tradicional judía de hoy en día, un dosel de boda (heb. "jupá") está representado
por un paño que se sostiene sobre cuatro postes. A menudo se usa un manto de oración (talit).
publicado por wellcorp às 09:00 | link do post
O livro de Josué celebra a conquista. De fato: tribos nômades se infiltram por vales, instalando-se aos pés das colinas fortificadas onde se defendem. Num lugar combatem, noutro, fazem acordo, com o risco de serem assimilados.
Antes do século doze a.C., antes da tomada e ocupação da terra de Israel, temos ali uma população. Canaã no séc. treze a.C.
A Bíblia se refere a uma população pré-israelita integrada por canaanitas ou amoritas.
Nos dias do Império Egípcio, Canaã era o nome oficial de uma província ou distrito que abrangia o oeste de Israel, a maior parte da Fenícia e o sul da Síria. Canaanita seria uma designação de uma população, predominantemente semítica do noroeste desta província, densamente povoada ao longo da costa na Planície de Esdrelon e o vale do Jordão.
Amorita é uma palavra acádia que significa “ocidental”, que era usada no tempo patriarcal e antes como designação geral de vários povos semíticos do noroeste da Alta Mesopotâmia e Síria, donde vieram os antepassados de Israel. Estes nômades se infiltraram em Israel, e andaram vagueando e se estabeleceram no interior montanhoso. Vejam a distinção que a Bíblia faz Números 13:29 e Deuteronômio 1:7. Amoritas nas montanhas e canaanitas no litoral. Os termos são quase sinônimos.
É preciso ressaltar que havia também indo-arianos e hurrianos. Gênesis 14:6;36:20-30. Os hititas Gênesis 23:10; 25:9
As cidades eram bem construídas, com sólidas fortificações, esgotos, e em alguns casos (p.Ex. Jerusalém), poços eram escavados nas rochas para obtenção de fontes que garantiam o abastecimento de água em caso de cerco.
Os canaanitas eram gente de comércio, grandes exportadores de madeira, líderes na indústria têxtil e especialistas em tinta púrpura.
Antes do terceiro milênio a.C. , os canaanitas de Byblos aperfeiçoaram uma escrita silábica modelada na escrita egípcia.
No último período do Bronze os escribas canaanitas escreviam não só em acádio mas em outras linguas.
O deus pai El era nominalmente o deus principal. A principal divindade era Ba’al , título do antigo deus da tempestade semítico Hadad. Divindades femininas Asera (Jz:6:25 ss), Astarte (Astarote e Astoret, na Bíblia).
O livro de Josué narra de forma muito prodigiosa a conquista da terra, iniciando pela passagem do rio Jordão.
A instalação das tribos obedece aos critérios assumidos compromissos sócio-religiosos(Josué 1:10-18). As tribos tinham suas autoridades escolhidas para que pudessem representar dignamente os ideais do povo (Juízes 1:1ss).
Aos poucos os israelitas adotaram o “sistema” de doze tribos.
Na experiência que vivia o povo, temos o capítulo 17 de Juízes. O Senhor Deus torna-se um entre outros, idolatria. Em seguida temos o conflito entre tribos(Juízes 20:14-21,25) Veja a falta de consistência militar e força política das tribos (Josué 6:1ss)
A sociedade tribal era patriarcal em sua organização, mas sem estratificação. Apesar dos anciãos das tribos, em virtude da sua posição julgarem as disputas de acordo com o procedimento tradicional e serem considerados pela sabedoria de seus conselhos, não havia absolutamente nada que parecesse com um governo organizado.
Diz John Bright que a melhor maneira que temos de saber sobre as tribos é lendo o livro de Juízes. Ali vemos as tribos levando uma existência precária, cercadas de inimigos, mas sem governo organizado.
Em tempos de perigo surgia um juiz , homem sobre quem “descansava o Espírito do Senhor” (Jz.3:10; 14:6) e que convocava as tribos para repelir o inimigo. Sua força militar consistia no recrutamento das tribos. As tribos não eram obrigadas a atender as convocações do juiz, mas veja Jz.5:15-17,23. É bom ressaltar que o juiz não era rei. Sua autoridade não era permanente, e nem hereditário.
As possessões de Israel não constituíam uma unidade territorial perfeita. A faixa costeira como a planície de Esdrelon permaneceram fora de seu controle. Os israelitas que aí se estabeleceram ou se misturaram com os cananitas (Jz.1:31ss).
As tribos da Galiléia estavam separadas das outras pelas possessões cananitas em Esdrelon. Entre as tribos ocidentais e orientais ficava profundo vale do Jordão. A comunicação era dificultada por inúmeros vales laterais.
O periodo dos juízes foi uma adaptação e uma normalização. Transição para aqueles que estavam vindo do deserto para o modo de vida agrário.
O período dos juízes viu um progresso gradual, porém marcante, na economia de Israel. À medida que eles aprendiam a técnica, a cultura ia aumentando.
Uma questão séria, foi o início da tensão com a religião de Canaã. Muitas das pessoas absorvidas eram canaanitas. Membors de Israel, embora todos eles tinham tornado adoradores do Senhor . O fato é que havia aqueles que continuavam pagãos de coração. Supõe –se que santuários locais mantinham práticas pré-mosaicas, não combinando com a fé chamada Javista.
Os juízes de modo nenhum tinham o caráter idêntico. Mas nenhum deles conseguiu unir Israel para combater os inimigos. Um fato havia em comum: todos eram apresentados em épocas de perigo por suas qualidades pessoais (carisma).
O primeiro juiz Otoniel (Jz.3:7-11; Jz.3:12-30). E daí outros juízes.
Depois de uns duzentos anos de existência o “sistema” de tribos é derrubado pelos filisteus. Os filisteus dominavam a fundição do ferro (espadas e lanças), agora veja Israel 1º Samuel 13:19-22 Os filisteus chegaram não muito depois de Israel, e viveram conflitos intermitentes, durante quase todo período dos juízes. Neste contexto que surge Samuel. (1º Samuel 3:1-10: 1º Samuel 8:10-22)
Israel começa a se organizar como nação.
publicado por wellcorp às 08:58 | link do post
O livro de Josué celebra a conquista. De fato: tribos nômades se infiltram por vales, instalando-se aos pés das colinas fortificadas onde se defendem. Num lugar combatem, noutro, fazem acordo, com o risco de serem assimilados.
Antes do século doze a.C., antes da tomada e ocupação da terra de Israel, temos ali uma população. Canaã no séc. treze a.C.
A Bíblia se refere a uma população pré-israelita integrada por canaanitas ou amoritas.
Nos dias do Império Egípcio, Canaã era o nome oficial de uma província ou distrito que abrangia o oeste de Israel, a maior parte da Fenícia e o sul da Síria. Canaanita seria uma designação de uma população, predominantemente semítica do noroeste desta província, densamente povoada ao longo da costa na Planície de Esdrelon e o vale do Jordão.
Amorita é uma palavra acádia que significa “ocidental”, que era usada no tempo patriarcal e antes como designação geral de vários povos semíticos do noroeste da Alta Mesopotâmia e Síria, donde vieram os antepassados de Israel. Estes nômades se infiltraram em Israel, e andaram vagueando e se estabeleceram no interior montanhoso. Vejam a distinção que a Bíblia faz Números 13:29 e Deuteronômio 1:7. Amoritas nas montanhas e canaanitas no litoral. Os termos são quase sinônimos.
É preciso ressaltar que havia também indo-arianos e hurrianos. Gênesis 14:6;36:20-30. Os hititas Gênesis 23:10; 25:9
As cidades eram bem construídas, com sólidas fortificações, esgotos, e em alguns casos (p.Ex. Jerusalém), poços eram escavados nas rochas para obtenção de fontes que garantiam o abastecimento de água em caso de cerco.
Os canaanitas eram gente de comércio, grandes exportadores de madeira, líderes na indústria têxtil e especialistas em tinta púrpura.
Antes do terceiro milênio a.C. , os canaanitas de Byblos aperfeiçoaram uma escrita silábica modelada na escrita egípcia.
No último período do Bronze os escribas canaanitas escreviam não só em acádio mas em outras linguas.
O deus pai El era nominalmente o deus principal. A principal divindade era Ba’al , título do antigo deus da tempestade semítico Hadad. Divindades femininas Asera (Jz:6:25 ss), Astarte (Astarote e Astoret, na Bíblia).
O livro de Josué narra de forma muito prodigiosa a conquista da terra, iniciando pela passagem do rio Jordão.
A instalação das tribos obedece aos critérios assumidos compromissos sócio-religiosos(Josué 1:10-18). As tribos tinham suas autoridades escolhidas para que pudessem representar dignamente os ideais do povo (Juízes 1:1ss).
Aos poucos os israelitas adotaram o “sistema” de doze tribos.
Na experiência que vivia o povo, temos o capítulo 17 de Juízes. O Senhor Deus torna-se um entre outros, idolatria. Em seguida temos o conflito entre tribos(Juízes 20:14-21,25) Veja a falta de consistência militar e força política das tribos (Josué 6:1ss)
A sociedade tribal era patriarcal em sua organização, mas sem estratificação. Apesar dos anciãos das tribos, em virtude da sua posição julgarem as disputas de acordo com o procedimento tradicional e serem considerados pela sabedoria de seus conselhos, não havia absolutamente nada que parecesse com um governo organizado.
Diz John Bright que a melhor maneira que temos de saber sobre as tribos é lendo o livro de Juízes. Ali vemos as tribos levando uma existência precária, cercadas de inimigos, mas sem governo organizado.
Em tempos de perigo surgia um juiz , homem sobre quem “descansava o Espírito do Senhor” (Jz.3:10; 14:6) e que convocava as tribos para repelir o inimigo. Sua força militar consistia no recrutamento das tribos. As tribos não eram obrigadas a atender as convocações do juiz, mas veja Jz.5:15-17,23. É bom ressaltar que o juiz não era rei. Sua autoridade não era permanente, e nem hereditário.
As possessões de Israel não constituíam uma unidade territorial perfeita. A faixa costeira como a planície de Esdrelon permaneceram fora de seu controle. Os israelitas que aí se estabeleceram ou se misturaram com os cananitas (Jz.1:31ss).
As tribos da Galiléia estavam separadas das outras pelas possessões cananitas em Esdrelon. Entre as tribos ocidentais e orientais ficava profundo vale do Jordão. A comunicação era dificultada por inúmeros vales laterais.
O periodo dos juízes foi uma adaptação e uma normalização. Transição para aqueles que estavam vindo do deserto para o modo de vida agrário.
O período dos juízes viu um progresso gradual, porém marcante, na economia de Israel. À medida que eles aprendiam a técnica, a cultura ia aumentando.
Uma questão séria, foi o início da tensão com a religião de Canaã. Muitas das pessoas absorvidas eram canaanitas. Membors de Israel, embora todos eles tinham tornado adoradores do Senhor . O fato é que havia aqueles que continuavam pagãos de coração. Supõe –se que santuários locais mantinham práticas pré-mosaicas, não combinando com a fé chamada Javista.
Os juízes de modo nenhum tinham o caráter idêntico. Mas nenhum deles conseguiu unir Israel para combater os inimigos. Um fato havia em comum: todos eram apresentados em épocas de perigo por suas qualidades pessoais (carisma).
O primeiro juiz Otoniel (Jz.3:7-11; Jz.3:12-30). E daí outros juízes.
Depois de uns duzentos anos de existência o “sistema” de tribos é derrubado pelos filisteus. Os filisteus dominavam a fundição do ferro (espadas e lanças), agora veja Israel 1º Samuel 13:19-22 Os filisteus chegaram não muito depois de Israel, e viveram conflitos intermitentes, durante quase todo período dos juízes. Neste contexto que surge Samuel. (1º Samuel 3:1-10: 1º Samuel 8:10-22)
Israel começa a se organizar como nação.
publicado por wellcorp às 08:58 | link do post
Sonhos e visões têm freqüentemente guiado a humanidade, desde os mais remotos tempos. Deus constantemente tem feito uso de sonhos para comunicar sua vontade aos homens. Os sonhos a seguir estão especialmente registrados no livro de Gênesis no Tawrat, escrito pelo Profeta Musa (Moisés, pbuh):Yaqub(Jacó, pbuh) (28:12 & 31:10)Laban (31:24)Yusuf (José, pbuh) (37:9-11)Abimelech (20:3-7)Faraó do Egito (41:1-8). (Faraó também é mencionado no Qur'an, em Surah 10, Ayat 90-92)O mordomo e o padeiro do Faraó do Egito (40:5)
E em outros livros do que é conhecido como o Velho Testamento, também chamado às vezes de Tawrat:Gideão (Livro de Juízes, 7),Rei Sulaiman (Salomão) (Livro de 1 Reis, 3:5)O Povo Midianita (Livro de Juízes, 7:13)Rei Nabucodonossor (Livro de Daniel, 2:1; 4:10, 18)
E no Injil (Novo Testamento), nós achamos:· José, esposo de Maryam (Maria), a mãe de Jesus"E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo' E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz: EIS QUE A VIRGEM CONCEBERÁ, E DARÁ Á LUZ UM FILHO, E CHAMÁ-LO-ÃO PELO NOME DE EMMANUEL,' que traduzido é: DEUS CONOSCO." (Livro de Mateus, 1:20. veja também 2:12, 13, 19)Os sábiosdo oriente que foram levados ao lugar de nascimento de Isa al Masih (Jesus) (Livro de Mateus. 2:12)A esposa de Pilatos (Livro de Mateus. 27:19)Paulo Em uma visão noturna, um "homem da Macedônia" diante de Paulo lhe disse: " Venha à Macedônia, e ajuda-nos " (Atos 16:9; veja também 18:9; 27:23)
Deus é Maravilhoso! Assim como Ele fez no passado, Deus está mostrando Sua misericórdia e direção aos muçulmanos por todo o mundo nos nossos dias! Leia os seguintes trechos de histórias de muçulmanos, de vários lugares do mundo, que têm relatado tais sonhos e que agora seguem a Isa al Masih (Jesus - como denominado por Mulçulmano convertido) como seu Salvador:
"...dois anjos vestidos em túnicas brancas estavam no topo da montanha. Jesus estava entre os anjos. Ele deixou os anjos e veio até onde eu estava. Quando ele se aproximou de mim, eu me ajoelhei e ele pôs suas mãos sobre minha cabeça..."
"...['D.'] sonhou que ele estava sentado com seus braços amarrados a uma cadeira. Então ele viu um homem a quem reconheceu como Jesus, que veio até ele. Jesus tocou as amarras e elas caíram de seus braços..."
"...No sonho, Jesus me disse que eu fosse até Ele e lêsse a Bíblia a Ele me mostraria o caminho, a verdade e a vida..."
"...Eu estava em uma cruz com um baixo muro em redor. Em minha mão direita, Eu tinha uma grande pilha de papel em branco. Eu permanecia na viga da cruz e olhava para um pequeno grupo de pessoas que estava no topo. Todos eles usavam longas roupas brancas, mas um deles era diferente. Ele estava no lado direito, e com sua mão esquerda ele guiava as pessoas a uma porta no muro. Além da porta havia luz, e não podia ver o que estava lá dentro. Em um momento eu estava no sonho, e no momento seguinte eu estava vendo a cruz de cima..."
"...Eu vi alguns cristãos em uma fila para entrar no Paraíso. Tentei entrar na fila, mas um ser muito alto bloqueou meu caminho; e comecei a chorar, porque o lado em que eu estava era realmente horrível mas o lado em que eles estavam era um lugar muito bonito, tão azul..."
"...Voltei para a cama depois de uma pequena oração e vi um segundo sonho. Esta vez era Jesus, assim como eu o tinha visto no filme Jesus anos atrás, e eu havia desprezado seu vídeo. Ele estava pendurado na cruz, os pregos estavam em suas mãos e pés, ainda assim ele estava sorrindo para mim e falando comigo. Apesar de estar morrendo ele parecia tão belo. A cruz era imensa e eu parecia um garotinho. Meu pescoço estava reclinado para trás para tentar ver toda a face de Jesus e de repente, um grande círculo de luz veio de cima da cruz e desceu sobre mim..."
"...Eu estava nadando. Estava muito escuro, sem nenhuma estrela no céu. Depois de nadar por um momento, parei e olhei para o céu. De repente, vi uma estrela brilhando. Fechei meus olhos e fiz um desejo. Eu disse, 'Estrela da Manhã, ensina-me o segredo da vida'... Continuei a ter esse sonho por anos a quase todo mês e esse padrão continuou até alguns meses depois de minha conversão, quando li Apocalipse. 22:16, que diz, 'Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã'..."
Outras Histórias:
Muçulmanos Filipinos. Histórias das regiões de Zamboanga e Basilan, no sul das Filipinas estão começando a chegar. Muçulmanos Yakan e Tausug estão relatando ter sonhos de Jesus durante e depois do Ramadã.
Uma revista publicada na Califórnia reporta o seguinte (baseada em questionários respondidos por cerca de 600 muçulmanos que colocaram sua fé em Jesus) [1]:"Embora os sonhos desempenhem um papel insignificante na conversão da maioria dos Ocidentais, cerca de um-quarto daquele grupo entrevistado afirma enfaticamente que os sonhos e visões foram aspectos-chave em trazê-los a Cristo e em sustentá-los em tempos difíceis. Rick Love, Diretor International de Fronteiras, também reconheceu esse padrão. Ele escreve que, 'Assim como Deus usou uma visão para converter Paulo, da mesma maneira Ele se revela aos muçulmanos através de sonhos e visões. Assim como Deus preparou Cornélio para ouvir o Evangelho através de uma visão, também Deus está preparando uma multidão de muçulmanos para responder às Suas boas novas.' [2]
Um crente da Guiné recontou certa vez o sonho com uma figura que posteriormente ele creu ser Cristo. A figura usava túnicas brancas e o chamava para chegar-se a Ele. Eu um sonho semelhante, ele se lembra que os braços da mesma figura estavam estendidos, acenando para ele. Sonhos desse tipo têm sido reconhecidos como um padrão de trabalho entre muçulmanos. Embora haja variações, Cristo aparecendo em túnicas brancas é uma imagem recorrente entre aqueles que tiveram sonhos e visões. Similarmente, uma mulher muçulmana malaia teve uma visão de seus pais, cristãos que haviam morrido. Ela os viu alegrando-se com outros no paraíso. Jesus apareceu numa tunica branca e lhe disse: "Se você quiser vir, venha." Sentindo que ela havia tentado alcançar Deus durante toda a sua vida, mas sem sucesso, ela agora viu Deus iniciando o esforço para alcançá-la através de Jesus."
Um convertido do Oriente Médio que vinha sendo afligido com severas dores de cabeça estava deitado em sua cama após ter orado por seu filho adoentado. Um homem com uma bela e pacífica face apareceu. Vestido de branco, a figura dirigiu-se à cama do homem e o tocou três vezes na cabeça. Na manhã seguinte suas dores de cabeça haviam ido embora. Seu filho, também, estava completamente curado. Compreensivelmente, esse homem agora afirma com segurança, "Eu creio na oração em nome de Cristo."
A grande maioria dos sonhos parece se enquadrar em uma das duas categorias maiores. A primeira poderia ser considerada como um sonho preparatório. Como Cristo aparecendo em túnicas brancas, a visão confirma pensamentos ou conversas que a pessoa teve sobre Cristo ou sobre a fé Cristã. A segunda poderia ser chamada de sonho fortalecedor.Aqui o sonho ou visão comumente dá ao crente forças em face da perseguição. Na falta de perseguição, ele pode tornar os crentes mais audazes, fortalecendo a natureza de seu testemunho.
Preparatório. Uma mulher sunita da Península Arábica teve um sonho em que uma figura lhe dizia para visitar uma mulher cristã que ela conhecia. A figura, que depois ela teve certeza ser Cristo, lhe disse que essa mulher poderia lhe ensinar.
Antes de sua conversão, um homem Persa teve uma visão. Nela, ele caía na escuridão de cima de um monte e era salvo por uma luz que lhe segurava pelas costas.
Em um fascinante misto do uso de sonhos e dormidas, uma algeriana contou como ela ouvia sua avó muçulmana dizer, "Jesus não está morto. Quero lhe dizer que Ele está aqui."
Um homem da África Ocidental conta uma sucinta mas poderosa visão que ele teve antes de se converter. Ele viu um muçulmano devoto no inferni e um pobre cristão que não tinha dinheiro nem para esmolas no paraíso. Uma voz lhe explicou que a diferença era Jesus.
Fortalecimento AUm crente norte-africano achou a força necessária de que precisava para enfrentar seu aprisionamento através de um sonho que teve enquanto esteve preso por causa de sua fé. Nesse sonho, ele viu milhares de crentes saindo pelas ruas de sua cidade, proclamando abertamente sua fé naquele país de liberdade restrita. Na prisão, ele foi torturado, pendurado de cabeça para baixo e pelado durante horas, espancado e repetidamente ameaçado de execução. Sua visão de que um dia as pessoas de seu país poderiam proclamar abertamente sua fé nas ruas lhe deu grande força para perseverar através desse tempo mais difícil.
Encontro.Embora não estritamente um sonho ou uma visão, vários crentes de ascendência muçulmana têm tido significantes encontros sobrenaturais que foram instrumentais para levá-los a Jesus. Um muçulmano egípcio estava lendo o Injil (Evangelho), quando ele leu Lucas 3, capítulo que narra quando o Espírito Santo desceu sobre Jesus na forma de um pombo. Deus disse: "Este é meu filho, em quem me allegro." Assim que ele leu essas palavras, uma ventania adentrou seu quarto. Uma voz lhe disse, 'Eu sou Jesus Cristo, a quem você odeia. Eu sou o Senhor a quem você está procurando. Ele se lembra que chorou e chorou, aceitando Jesus desde então.
Qualquer que seja a perpectiva pessoal que alguém tem sobre sonhos, visões e o caminho cristão da fé, é difícil considerar se envolver em ministérios com muçulmanos sem reconhecer e se abrir para que Deus continue a resgatar pessoas através de meios que podem ser vistos como não convencionais.
A História de Al-'UrisAl-'Uris foi uma figura histórica associada com a família de Saladino e os jornais de Ayyubids e seus conflitos com os Cruzados. A história muçulmana registra um sonho que ele teve que parece muito similar às histórias narradas acima:"Al-'Uris viu em seu sonho Cristo Jesus filho de Maria, que parecia voltar seu rosto em direção a ele desde o céu. Al-'Uris lhe perguntou, 'A crucificação realmente aconteceu?' Jesus respondeu, 'Sim, a crucificação realmente aconteceu'. Al-'Uris então relatou seu sonho a um intérprete, que disse, 'O homem que viu esse sonho deve ser crucificado. Porque Jesus é infalível e só pode falar a verdade, assim a crucificação de que ele falou não deve ser a dele mesmo, porque o Glorioso Qur'an diz especificamente que Jesus não foi crucificado ou morto. Assim, isto deve se referir ao sonhador, e é ele que deve ser crucificado.' A história acabou ocorrendo como o intérprete disse. (p. 205)" [3]
Tristemente, é registrado que Al-'Uris enfrenteou uma morte terrível pouco tempo depois de ter contado seu sonho a alguém que não acreditava na ressurreição de Jesus. Se essa história é verdadeira, está claro que Jesus estava tentando contar-lhe a verdade de sua morte e ressurreição para chamar Al'Uris para junto de si.Talvez Al-'Uris colocou sua fé em Jesus como seu Salvador já que essa história registra que ele mesmo foi crucificado. Como um buscador da verdade, talvez ele estivesse querendo seguir a verdade mesmo que ela o levasse à morte.
O Próximo Passo: Você já teve sonhos ou visões de Cristo? Ele está tentando te contar algo de grande importância: a certeza da salvação e a aceitação de Deus.

Notas de rodapé:This material is a portion of an article originally published in Mission Frontiers magazine, March 2001. http://www.missionfrontiers.org/ . Reprinted with permission.Rick Love, Muslims, Magic and the Kingdom of God (Pasadena, William Carey Library, 2000), 156The Muslim Jesus: Sayings and Stories in Islamic Literature by Tarif Khalidi, Harvard University Press, 2001. Jamal al-Din Wasil (d. 697/1298), Mufarrij al-Kurub, 1:248. Cf. al-Abshihi, al-Mustatraf, 2:83 (variant).
publicado por wellcorp às 08:47 | link do post
Sonhos e visões têm freqüentemente guiado a humanidade, desde os mais remotos tempos. Deus constantemente tem feito uso de sonhos para comunicar sua vontade aos homens. Os sonhos a seguir estão especialmente registrados no livro de Gênesis no Tawrat, escrito pelo Profeta Musa (Moisés, pbuh):Yaqub(Jacó, pbuh) (28:12 & 31:10)Laban (31:24)Yusuf (José, pbuh) (37:9-11)Abimelech (20:3-7)Faraó do Egito (41:1-8). (Faraó também é mencionado no Qur'an, em Surah 10, Ayat 90-92)O mordomo e o padeiro do Faraó do Egito (40:5)
E em outros livros do que é conhecido como o Velho Testamento, também chamado às vezes de Tawrat:Gideão (Livro de Juízes, 7),Rei Sulaiman (Salomão) (Livro de 1 Reis, 3:5)O Povo Midianita (Livro de Juízes, 7:13)Rei Nabucodonossor (Livro de Daniel, 2:1; 4:10, 18)
E no Injil (Novo Testamento), nós achamos:· José, esposo de Maryam (Maria), a mãe de Jesus"E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo' E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz: EIS QUE A VIRGEM CONCEBERÁ, E DARÁ Á LUZ UM FILHO, E CHAMÁ-LO-ÃO PELO NOME DE EMMANUEL,' que traduzido é: DEUS CONOSCO." (Livro de Mateus, 1:20. veja também 2:12, 13, 19)Os sábiosdo oriente que foram levados ao lugar de nascimento de Isa al Masih (Jesus) (Livro de Mateus. 2:12)A esposa de Pilatos (Livro de Mateus. 27:19)Paulo Em uma visão noturna, um "homem da Macedônia" diante de Paulo lhe disse: " Venha à Macedônia, e ajuda-nos " (Atos 16:9; veja também 18:9; 27:23)
Deus é Maravilhoso! Assim como Ele fez no passado, Deus está mostrando Sua misericórdia e direção aos muçulmanos por todo o mundo nos nossos dias! Leia os seguintes trechos de histórias de muçulmanos, de vários lugares do mundo, que têm relatado tais sonhos e que agora seguem a Isa al Masih (Jesus - como denominado por Mulçulmano convertido) como seu Salvador:
"...dois anjos vestidos em túnicas brancas estavam no topo da montanha. Jesus estava entre os anjos. Ele deixou os anjos e veio até onde eu estava. Quando ele se aproximou de mim, eu me ajoelhei e ele pôs suas mãos sobre minha cabeça..."
"...['D.'] sonhou que ele estava sentado com seus braços amarrados a uma cadeira. Então ele viu um homem a quem reconheceu como Jesus, que veio até ele. Jesus tocou as amarras e elas caíram de seus braços..."
"...No sonho, Jesus me disse que eu fosse até Ele e lêsse a Bíblia a Ele me mostraria o caminho, a verdade e a vida..."
"...Eu estava em uma cruz com um baixo muro em redor. Em minha mão direita, Eu tinha uma grande pilha de papel em branco. Eu permanecia na viga da cruz e olhava para um pequeno grupo de pessoas que estava no topo. Todos eles usavam longas roupas brancas, mas um deles era diferente. Ele estava no lado direito, e com sua mão esquerda ele guiava as pessoas a uma porta no muro. Além da porta havia luz, e não podia ver o que estava lá dentro. Em um momento eu estava no sonho, e no momento seguinte eu estava vendo a cruz de cima..."
"...Eu vi alguns cristãos em uma fila para entrar no Paraíso. Tentei entrar na fila, mas um ser muito alto bloqueou meu caminho; e comecei a chorar, porque o lado em que eu estava era realmente horrível mas o lado em que eles estavam era um lugar muito bonito, tão azul..."
"...Voltei para a cama depois de uma pequena oração e vi um segundo sonho. Esta vez era Jesus, assim como eu o tinha visto no filme Jesus anos atrás, e eu havia desprezado seu vídeo. Ele estava pendurado na cruz, os pregos estavam em suas mãos e pés, ainda assim ele estava sorrindo para mim e falando comigo. Apesar de estar morrendo ele parecia tão belo. A cruz era imensa e eu parecia um garotinho. Meu pescoço estava reclinado para trás para tentar ver toda a face de Jesus e de repente, um grande círculo de luz veio de cima da cruz e desceu sobre mim..."
"...Eu estava nadando. Estava muito escuro, sem nenhuma estrela no céu. Depois de nadar por um momento, parei e olhei para o céu. De repente, vi uma estrela brilhando. Fechei meus olhos e fiz um desejo. Eu disse, 'Estrela da Manhã, ensina-me o segredo da vida'... Continuei a ter esse sonho por anos a quase todo mês e esse padrão continuou até alguns meses depois de minha conversão, quando li Apocalipse. 22:16, que diz, 'Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã'..."
Outras Histórias:
Muçulmanos Filipinos. Histórias das regiões de Zamboanga e Basilan, no sul das Filipinas estão começando a chegar. Muçulmanos Yakan e Tausug estão relatando ter sonhos de Jesus durante e depois do Ramadã.
Uma revista publicada na Califórnia reporta o seguinte (baseada em questionários respondidos por cerca de 600 muçulmanos que colocaram sua fé em Jesus) [1]:"Embora os sonhos desempenhem um papel insignificante na conversão da maioria dos Ocidentais, cerca de um-quarto daquele grupo entrevistado afirma enfaticamente que os sonhos e visões foram aspectos-chave em trazê-los a Cristo e em sustentá-los em tempos difíceis. Rick Love, Diretor International de Fronteiras, também reconheceu esse padrão. Ele escreve que, 'Assim como Deus usou uma visão para converter Paulo, da mesma maneira Ele se revela aos muçulmanos através de sonhos e visões. Assim como Deus preparou Cornélio para ouvir o Evangelho através de uma visão, também Deus está preparando uma multidão de muçulmanos para responder às Suas boas novas.' [2]
Um crente da Guiné recontou certa vez o sonho com uma figura que posteriormente ele creu ser Cristo. A figura usava túnicas brancas e o chamava para chegar-se a Ele. Eu um sonho semelhante, ele se lembra que os braços da mesma figura estavam estendidos, acenando para ele. Sonhos desse tipo têm sido reconhecidos como um padrão de trabalho entre muçulmanos. Embora haja variações, Cristo aparecendo em túnicas brancas é uma imagem recorrente entre aqueles que tiveram sonhos e visões. Similarmente, uma mulher muçulmana malaia teve uma visão de seus pais, cristãos que haviam morrido. Ela os viu alegrando-se com outros no paraíso. Jesus apareceu numa tunica branca e lhe disse: "Se você quiser vir, venha." Sentindo que ela havia tentado alcançar Deus durante toda a sua vida, mas sem sucesso, ela agora viu Deus iniciando o esforço para alcançá-la através de Jesus."
Um convertido do Oriente Médio que vinha sendo afligido com severas dores de cabeça estava deitado em sua cama após ter orado por seu filho adoentado. Um homem com uma bela e pacífica face apareceu. Vestido de branco, a figura dirigiu-se à cama do homem e o tocou três vezes na cabeça. Na manhã seguinte suas dores de cabeça haviam ido embora. Seu filho, também, estava completamente curado. Compreensivelmente, esse homem agora afirma com segurança, "Eu creio na oração em nome de Cristo."
A grande maioria dos sonhos parece se enquadrar em uma das duas categorias maiores. A primeira poderia ser considerada como um sonho preparatório. Como Cristo aparecendo em túnicas brancas, a visão confirma pensamentos ou conversas que a pessoa teve sobre Cristo ou sobre a fé Cristã. A segunda poderia ser chamada de sonho fortalecedor.Aqui o sonho ou visão comumente dá ao crente forças em face da perseguição. Na falta de perseguição, ele pode tornar os crentes mais audazes, fortalecendo a natureza de seu testemunho.
Preparatório. Uma mulher sunita da Península Arábica teve um sonho em que uma figura lhe dizia para visitar uma mulher cristã que ela conhecia. A figura, que depois ela teve certeza ser Cristo, lhe disse que essa mulher poderia lhe ensinar.
Antes de sua conversão, um homem Persa teve uma visão. Nela, ele caía na escuridão de cima de um monte e era salvo por uma luz que lhe segurava pelas costas.
Em um fascinante misto do uso de sonhos e dormidas, uma algeriana contou como ela ouvia sua avó muçulmana dizer, "Jesus não está morto. Quero lhe dizer que Ele está aqui."
Um homem da África Ocidental conta uma sucinta mas poderosa visão que ele teve antes de se converter. Ele viu um muçulmano devoto no inferni e um pobre cristão que não tinha dinheiro nem para esmolas no paraíso. Uma voz lhe explicou que a diferença era Jesus.
Fortalecimento AUm crente norte-africano achou a força necessária de que precisava para enfrentar seu aprisionamento através de um sonho que teve enquanto esteve preso por causa de sua fé. Nesse sonho, ele viu milhares de crentes saindo pelas ruas de sua cidade, proclamando abertamente sua fé naquele país de liberdade restrita. Na prisão, ele foi torturado, pendurado de cabeça para baixo e pelado durante horas, espancado e repetidamente ameaçado de execução. Sua visão de que um dia as pessoas de seu país poderiam proclamar abertamente sua fé nas ruas lhe deu grande força para perseverar através desse tempo mais difícil.
Encontro.Embora não estritamente um sonho ou uma visão, vários crentes de ascendência muçulmana têm tido significantes encontros sobrenaturais que foram instrumentais para levá-los a Jesus. Um muçulmano egípcio estava lendo o Injil (Evangelho), quando ele leu Lucas 3, capítulo que narra quando o Espírito Santo desceu sobre Jesus na forma de um pombo. Deus disse: "Este é meu filho, em quem me allegro." Assim que ele leu essas palavras, uma ventania adentrou seu quarto. Uma voz lhe disse, 'Eu sou Jesus Cristo, a quem você odeia. Eu sou o Senhor a quem você está procurando. Ele se lembra que chorou e chorou, aceitando Jesus desde então.
Qualquer que seja a perpectiva pessoal que alguém tem sobre sonhos, visões e o caminho cristão da fé, é difícil considerar se envolver em ministérios com muçulmanos sem reconhecer e se abrir para que Deus continue a resgatar pessoas através de meios que podem ser vistos como não convencionais.
A História de Al-'UrisAl-'Uris foi uma figura histórica associada com a família de Saladino e os jornais de Ayyubids e seus conflitos com os Cruzados. A história muçulmana registra um sonho que ele teve que parece muito similar às histórias narradas acima:"Al-'Uris viu em seu sonho Cristo Jesus filho de Maria, que parecia voltar seu rosto em direção a ele desde o céu. Al-'Uris lhe perguntou, 'A crucificação realmente aconteceu?' Jesus respondeu, 'Sim, a crucificação realmente aconteceu'. Al-'Uris então relatou seu sonho a um intérprete, que disse, 'O homem que viu esse sonho deve ser crucificado. Porque Jesus é infalível e só pode falar a verdade, assim a crucificação de que ele falou não deve ser a dele mesmo, porque o Glorioso Qur'an diz especificamente que Jesus não foi crucificado ou morto. Assim, isto deve se referir ao sonhador, e é ele que deve ser crucificado.' A história acabou ocorrendo como o intérprete disse. (p. 205)" [3]
Tristemente, é registrado que Al-'Uris enfrenteou uma morte terrível pouco tempo depois de ter contado seu sonho a alguém que não acreditava na ressurreição de Jesus. Se essa história é verdadeira, está claro que Jesus estava tentando contar-lhe a verdade de sua morte e ressurreição para chamar Al'Uris para junto de si.Talvez Al-'Uris colocou sua fé em Jesus como seu Salvador já que essa história registra que ele mesmo foi crucificado. Como um buscador da verdade, talvez ele estivesse querendo seguir a verdade mesmo que ela o levasse à morte.
O Próximo Passo: Você já teve sonhos ou visões de Cristo? Ele está tentando te contar algo de grande importância: a certeza da salvação e a aceitação de Deus.

Notas de rodapé:This material is a portion of an article originally published in Mission Frontiers magazine, March 2001. http://www.missionfrontiers.org/ . Reprinted with permission.Rick Love, Muslims, Magic and the Kingdom of God (Pasadena, William Carey Library, 2000), 156The Muslim Jesus: Sayings and Stories in Islamic Literature by Tarif Khalidi, Harvard University Press, 2001. Jamal al-Din Wasil (d. 697/1298), Mufarrij al-Kurub, 1:248. Cf. al-Abshihi, al-Mustatraf, 2:83 (variant).
publicado por wellcorp às 08:47 | link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
17
20
21
27
28
29
30
comentários recentes
Eu já disse que você é demais, mas, não custa nadi...
Você é um ser lindo!
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
You pretty much said what i could not effectively ...
You pretty much said what i could not effectively ...
Maneiro!
Maneiro!
tags

todas as tags

Posts mais comentados
29 comentários
29 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
3 comentários
3 comentários
subscrever feeds
SAPO Blogs