Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Welington Corporation

Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados

Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados

Welington Corporation

10
Fev09

Jagunçada

wellcorp

Jagunçada.


Uma história de cão entre um homem e uma mulher.



Cantador de causos, o contador, de uma perna e de uma braço e de um olho e de uma orelha só, chegou de novo na cidade, e a multidão se acomodou. Era a última vez que contaria a história que por cinquenta anos contou, como jura feita a muito, a quem não se sabe, a quem não se viu.

Trazia sempre aos lombos, um alforge, e uma sacola com alguma coisa que só mostraria quando chegasse a hora.

A cidade em rebuliço esperaria o entardecer, porque no dia ditoso, quando contasse a Jagunçada, pela derradeira vez, o que levara consigo por quase cinquenta anos, finalmente, iria mostrar.

Como falava o cantador. As crianças em polvorosa, pois todos queriam ouvir, outra vez a jagunçada, outra feita, outro senão, a interminável história e sua canção.


E assim que entardeceu, começou, o contador a contar seu causo:


  • Cabra-ruim-de-más-bicho-muito-ruim-mermo. Era ele assim conhecido. Cabrunco odioso de mal. Jagunço afamado da região que compreende a pequena faixa entre Ponta-porã e Juazeiro do Norte. Cabra jurado de morte por Cabra-ruim era um homê marcado pra morrer. Qual como cabra defunto seria tido, aos olhos da populaça trêmula, que a muito adentrava as noite pra sepultar os matado, daquele cabra matador.


  • Longe de mim, criatura abestada, teu distino tá traçado, e num se aproxegue naum, que na várzea da artilharia pode sobrá tiro pra mim.


Assim excomungavam aos mortifundos, quando os coronéis avisavam que Cabra-ruim-de-más-bicho-muito-ruim-mermo estava pra chegar.


Fizeram-lhe, num dia nebuloso cujas sombras já se esvaem, emboscada ferina com os mais perversos matadores que o dinheiro podia comprar. Vinte e três homens, cada um com trinta quilo de balas, com mais facão na cinta que unha de jaburu nas mão, se atiraram incólumes pelas costas do caramunhão. Triste sina dos matuto que findaram entre as bala do marvado matador.

No mermo dia em que Cabra-ruim-de-más, chorou uma lágrima tormentosa pelo olho que ainda tinha, compungido o coração.

Pois nunca, em toda sua andança desgraçada como exímio matador, matara tão pouca gente de uma só feita.


  • Somente vinte e três...


Corpo que nem uma peneira, Cabra-ruim tava acostumado, mas lhe incomodava a média.

  • Homem macho que nem eu num mata menos de trinta. Como é que foi acontecer? Tô perdendo a postura, tô desvalorizado? Vinte e três! Só de raiva vou passar a cidadela no facão, pra essa gente miserável respeitar quem é o cão.


E assim seguia aquela praga, jagunço de renome, eta cabra ruim sim sinhô.


O afamado Coronel Desarraiga da Lima e Silva Teodoro, Capitão, azucrinado pelos feitos desta peste mortifúndia, arresolveu convocar o jagunço derradeiro, NA VERDADE, UMA MUIÉ. Amorosa da Caatinga linda. Mais conhecida como Diga-adeus-que-vais-morrer, de quem contava a lenda, seria o quinta cavaleira do apocalipse em fase de treinamento, convocada para tomar 'sastifação' com o recalcitrante marfegaçanho. Aquela muié sofrida, que perdera sete irmãos, pai, mãe e cabritos, nas fomes das secas incontáveis nas tormentas do sertão, se tornara numa lenda tamanha que fazia Maria-bonita parecê uma doce donzela sonhadora. Trocentos homens jaziam sem cabeça pelas estradas sertanejas, frutos da pontaria daquela órfã impressionante.


O dia inda tava claro quando a jagunça Diga-adeus entrou na cidade sofrida de Nazaré das Farinha. Uma romaria de matuto rumou para qualquer lugar, entre o ontem e o amanhã, porque sabe-se lá que iria acontecer quando os dois cabra da peste, arresolvessem se bulir.

Esticando o queixo duro, com voz de paca atarracada grunhiu Diga-Adeus:

  • Pra onde ocês vão, raça de matuto fugidor?

  • Nóis vamo pra duas légua depois que o cafundó-dos-Judas termina! Gritou a populaça.

E assim se ia a aterrorizada multidão.


Cabra-ruim se encontrou com Diga-adeus as duas da tarde em frente do cemitério. Cabra-ruim com uma pá nas mão, sorriu amostrando os dois dentes escurecidos que ainda tinha e gritou:


  • Vem cá minha nega, já preparei procê um lugar, bicha safada, pra tu num tê que se aperreá com aluguel. Nunca mais. Tá querendo tu segurá o toro brabo com as mão? Vô tê cortar aos poco, pra tu aprendê a respeitar os cabra-macho, muié despeitada!

  • Cumpadre Cabra-ruim, homem perverso de dá dó, aprumado na arte do exterminío, tá na hora, mormente chega pra qualquer um de nós, de intendê que as pessoa são que nem os indivíduo. Que bobagem é espirrar na farofa. E que boi lerdo bebe água suja.


Cabra-ruim-de-más-bicho-muito-ruim-mermo nem se coçou. Um tédio só. Eta cabra faladora, essa tal de Diga-Adeus.

  • Tá querendo me matá falando, muié?

Mãos crispadas de Diga-adeus sobre as empunhaduras dos facões de cortar cana:


  • Ao assustado a própria sombra assusta? Burro velho não toma freio? Cabra-ruim-de-más; cachorro comedor de ovelha, só matando. Diz então, cabrunco, como é que tu qué morrê.


Cabra-ruim responde.


  • Cavalo bom e muié valente, a gente só conhece na chegada.


Cabra-ruim cospe no chão. Se é que aquilo que saiu e sua boca podia ser chamado e cuspe. Levanta a aba da chapeleira de couro de toro castrado a unha por ele mesmo, dá uma rabanada de olho, aquele tipo de olhar enviezado que quando não aleija, mata, três fungadas e um buchicho e então fala:

  • Tanto acoar em sombra de corvo, pelo menos me diverte um pouco. Mas tu sabe que te dou valor. Por isso tu vais morrer aos pouco, coisas que não faço com todo mundo, só com os privilegiado. Agora vamo nóis cerra a noite, cabrita marcada pra morrer.


A tiranbança desenfreiada começou ali, os dois pulando mais que corisco em dia de temporal.


E assim foi.

No mais porreta de todos os enfrentamentos.


Incendiaram Nazaré das Farinha. Entraram por dentro de três plantação de cana, e num deixaram uma mardita em pé. Os gados desperado daquele confronto intenso, correram pro lugar errado e se atinaram em meio aos matadores. A boiada foi destroçada pela força dos peleantes. Era rebenque subindo, talagaço feito chuva e nada parava o gasqueaço daquele intenso entrevero.

E assim foi por quase três dias.

Cabra-ruim já tava todo cortado. A calça de couro de cabra de Diga-Adeus mostrava sua perna torneada, arranhada e suada, mas de todo modo a perna de uma muié.

Pela primeira vez em toda sua vida, Cabra-ruim vacilou. Diga-Adeus arfava quase sem se mantê de pé. A mão tremia enquanto seu olhar se fixava na fronte do caramunhão. E pela primeira vez em toda sua lida, Diga- Adeus se admirou de um homem.

Mas, partiram resolutos um pra dentro do outro, que aquilo num era hora de namorá.


Eta confronto arretado das terras queimadas, onde o sol inclemente decidiu jamais se afastar!

E assim foi. Por mais dois dias.

E quem sabe quando essa peleja intensa, arresolvia terminá?


Inté que chegaram as tropas di coroné Serapião, amigo de Rufoespino, parente

do afamado Coronel Desarraiga da Lima e Silva Teodoro Capitão. Trezentos jagunços treinados pelas mãos do Capitão.

Os cabra cercaram a cidade armados até a unha dos dedos dos pés.


Vixe Maria! Como falava o contador! Então cansado, o cantador de causos, o contador, de uma perna e de uma braço e de um olho e de uma orelha só, por ordem da promessa feita, dispois ocês hão de saber a quem, arresolveu terminá.


  • Pra encurtar essa lida, desta história renhida, como fiz, foi minha sina, agora livre vou-me embora, acabou-se, ai vou eu, pois na vertente dos dias, no cochicho da noite e quando fina a promessa, me vou.


Lentamente o contador abriu a bolsa, para o espanto da multidão, e delas cairam dois cranios, feitos pedaços, no chão.

Os cranios foram rolando batendo entre as pedras dos paralelepípedos caiados de branco, até pararem.

E um menino de sopetão, tomado de grande assombro, gritou e fêz a pergunta, do meio da confusão:

  • Porventura são esses os cranios de Cabra-ruim e da desgraçada Diga-Adeus? Os infame matador, naquele mês de horror, viraram enfim vatapá?

A multidão acompanhou em coro a pergunta:

  • Responde, cantador!


O contador entortou a boca, balançou a cabeça, deu um silvo e sua mão declinou.

Então quase que rindo, não se conteve e bradou:


  • Esses são os corenéis Serapião e Capitão, dos trezentos condenado, só eu sobrei, ninguém mais não... Cabra-ruim e Diga-Adeus fizeram o que nóis nunca iria esperar. Quando se viram cercados, decidiram por de lado as desavenças e entraram por dentro da Caatinga, os mardito. Nóis procuramos por três semanas. Nos embrenhando pela ata virgem, perdemos, inda naquela semana, mais de trinta cabruncos. Foi quando com armas tiradas Padre Cícero sabe da onde, Aquela muié bandida e aquele capanga de nome, arresolveram nos matá. Me deixaram viver pra que eu contasse a história, levando eles inté a fazenda de Serapião e Capitão.

A multidão ovacionava a história renhida, daquela luta marfadada, daquela jagunçada terrível.

E de novo o menino curioso sem se conter, sem segurá, questionou:

E que fim levou, os jagunços, desta história que finda?

O contador parou. Se virou. Olhou sério a multidão, agora silenciada. Os olhos atentos, o murmúrio do vento. Então falou:


  • Intão, mormente finda a lida, a sina... juntaram os trapo, as ferida e a dor,

e si uniram pelos sagrados votos do matrimônio...




E sem se virar de novo,

o cantador...

...disse adeus.














Autor:

Welington José Ferreira


10
Fev09

Jagunçada

wellcorp

Jagunçada.


Uma história de cão entre um homem e uma mulher.



Cantador de causos, o contador, de uma perna e de uma braço e de um olho e de uma orelha só, chegou de novo na cidade, e a multidão se acomodou. Era a última vez que contaria a história que por cinquenta anos contou, como jura feita a muito, a quem não se sabe, a quem não se viu.

Trazia sempre aos lombos, um alforge, e uma sacola com alguma coisa que só mostraria quando chegasse a hora.

A cidade em rebuliço esperaria o entardecer, porque no dia ditoso, quando contasse a Jagunçada, pela derradeira vez, o que levara consigo por quase cinquenta anos, finalmente, iria mostrar.

Como falava o cantador. As crianças em polvorosa, pois todos queriam ouvir, outra vez a jagunçada, outra feita, outro senão, a interminável história e sua canção.


E assim que entardeceu, começou, o contador a contar seu causo:


  • Cabra-ruim-de-más-bicho-muito-ruim-mermo. Era ele assim conhecido. Cabrunco odioso de mal. Jagunço afamado da região que compreende a pequena faixa entre Ponta-porã e Juazeiro do Norte. Cabra jurado de morte por Cabra-ruim era um homê marcado pra morrer. Qual como cabra defunto seria tido, aos olhos da populaça trêmula, que a muito adentrava as noite pra sepultar os matado, daquele cabra matador.


  • Longe de mim, criatura abestada, teu distino tá traçado, e num se aproxegue naum, que na várzea da artilharia pode sobrá tiro pra mim.


Assim excomungavam aos mortifundos, quando os coronéis avisavam que Cabra-ruim-de-más-bicho-muito-ruim-mermo estava pra chegar.


Fizeram-lhe, num dia nebuloso cujas sombras já se esvaem, emboscada ferina com os mais perversos matadores que o dinheiro podia comprar. Vinte e três homens, cada um com trinta quilo de balas, com mais facão na cinta que unha de jaburu nas mão, se atiraram incólumes pelas costas do caramunhão. Triste sina dos matuto que findaram entre as bala do marvado matador.

No mermo dia em que Cabra-ruim-de-más, chorou uma lágrima tormentosa pelo olho que ainda tinha, compungido o coração.

Pois nunca, em toda sua andança desgraçada como exímio matador, matara tão pouca gente de uma só feita.


  • Somente vinte e três...


Corpo que nem uma peneira, Cabra-ruim tava acostumado, mas lhe incomodava a média.

  • Homem macho que nem eu num mata menos de trinta. Como é que foi acontecer? Tô perdendo a postura, tô desvalorizado? Vinte e três! Só de raiva vou passar a cidadela no facão, pra essa gente miserável respeitar quem é o cão.


E assim seguia aquela praga, jagunço de renome, eta cabra ruim sim sinhô.


O afamado Coronel Desarraiga da Lima e Silva Teodoro, Capitão, azucrinado pelos feitos desta peste mortifúndia, arresolveu convocar o jagunço derradeiro, NA VERDADE, UMA MUIÉ. Amorosa da Caatinga linda. Mais conhecida como Diga-adeus-que-vais-morrer, de quem contava a lenda, seria o quinta cavaleira do apocalipse em fase de treinamento, convocada para tomar 'sastifação' com o recalcitrante marfegaçanho. Aquela muié sofrida, que perdera sete irmãos, pai, mãe e cabritos, nas fomes das secas incontáveis nas tormentas do sertão, se tornara numa lenda tamanha que fazia Maria-bonita parecê uma doce donzela sonhadora. Trocentos homens jaziam sem cabeça pelas estradas sertanejas, frutos da pontaria daquela órfã impressionante.


O dia inda tava claro quando a jagunça Diga-adeus entrou na cidade sofrida de Nazaré das Farinha. Uma romaria de matuto rumou para qualquer lugar, entre o ontem e o amanhã, porque sabe-se lá que iria acontecer quando os dois cabra da peste, arresolvessem se bulir.

Esticando o queixo duro, com voz de paca atarracada grunhiu Diga-Adeus:

  • Pra onde ocês vão, raça de matuto fugidor?

  • Nóis vamo pra duas légua depois que o cafundó-dos-Judas termina! Gritou a populaça.

E assim se ia a aterrorizada multidão.


Cabra-ruim se encontrou com Diga-adeus as duas da tarde em frente do cemitério. Cabra-ruim com uma pá nas mão, sorriu amostrando os dois dentes escurecidos que ainda tinha e gritou:


  • Vem cá minha nega, já preparei procê um lugar, bicha safada, pra tu num tê que se aperreá com aluguel. Nunca mais. Tá querendo tu segurá o toro brabo com as mão? Vô tê cortar aos poco, pra tu aprendê a respeitar os cabra-macho, muié despeitada!

  • Cumpadre Cabra-ruim, homem perverso de dá dó, aprumado na arte do exterminío, tá na hora, mormente chega pra qualquer um de nós, de intendê que as pessoa são que nem os indivíduo. Que bobagem é espirrar na farofa. E que boi lerdo bebe água suja.


Cabra-ruim-de-más-bicho-muito-ruim-mermo nem se coçou. Um tédio só. Eta cabra faladora, essa tal de Diga-Adeus.

  • Tá querendo me matá falando, muié?

Mãos crispadas de Diga-adeus sobre as empunhaduras dos facões de cortar cana:


  • Ao assustado a própria sombra assusta? Burro velho não toma freio? Cabra-ruim-de-más; cachorro comedor de ovelha, só matando. Diz então, cabrunco, como é que tu qué morrê.


Cabra-ruim responde.


  • Cavalo bom e muié valente, a gente só conhece na chegada.


Cabra-ruim cospe no chão. Se é que aquilo que saiu e sua boca podia ser chamado e cuspe. Levanta a aba da chapeleira de couro de toro castrado a unha por ele mesmo, dá uma rabanada de olho, aquele tipo de olhar enviezado que quando não aleija, mata, três fungadas e um buchicho e então fala:

  • Tanto acoar em sombra de corvo, pelo menos me diverte um pouco. Mas tu sabe que te dou valor. Por isso tu vais morrer aos pouco, coisas que não faço com todo mundo, só com os privilegiado. Agora vamo nóis cerra a noite, cabrita marcada pra morrer.


A tiranbança desenfreiada começou ali, os dois pulando mais que corisco em dia de temporal.


E assim foi.

No mais porreta de todos os enfrentamentos.


Incendiaram Nazaré das Farinha. Entraram por dentro de três plantação de cana, e num deixaram uma mardita em pé. Os gados desperado daquele confronto intenso, correram pro lugar errado e se atinaram em meio aos matadores. A boiada foi destroçada pela força dos peleantes. Era rebenque subindo, talagaço feito chuva e nada parava o gasqueaço daquele intenso entrevero.

E assim foi por quase três dias.

Cabra-ruim já tava todo cortado. A calça de couro de cabra de Diga-Adeus mostrava sua perna torneada, arranhada e suada, mas de todo modo a perna de uma muié.

Pela primeira vez em toda sua vida, Cabra-ruim vacilou. Diga-Adeus arfava quase sem se mantê de pé. A mão tremia enquanto seu olhar se fixava na fronte do caramunhão. E pela primeira vez em toda sua lida, Diga- Adeus se admirou de um homem.

Mas, partiram resolutos um pra dentro do outro, que aquilo num era hora de namorá.


Eta confronto arretado das terras queimadas, onde o sol inclemente decidiu jamais se afastar!

E assim foi. Por mais dois dias.

E quem sabe quando essa peleja intensa, arresolvia terminá?


Inté que chegaram as tropas di coroné Serapião, amigo de Rufoespino, parente

do afamado Coronel Desarraiga da Lima e Silva Teodoro Capitão. Trezentos jagunços treinados pelas mãos do Capitão.

Os cabra cercaram a cidade armados até a unha dos dedos dos pés.


Vixe Maria! Como falava o contador! Então cansado, o cantador de causos, o contador, de uma perna e de uma braço e de um olho e de uma orelha só, por ordem da promessa feita, dispois ocês hão de saber a quem, arresolveu terminá.


  • Pra encurtar essa lida, desta história renhida, como fiz, foi minha sina, agora livre vou-me embora, acabou-se, ai vou eu, pois na vertente dos dias, no cochicho da noite e quando fina a promessa, me vou.


Lentamente o contador abriu a bolsa, para o espanto da multidão, e delas cairam dois cranios, feitos pedaços, no chão.

Os cranios foram rolando batendo entre as pedras dos paralelepípedos caiados de branco, até pararem.

E um menino de sopetão, tomado de grande assombro, gritou e fêz a pergunta, do meio da confusão:

  • Porventura são esses os cranios de Cabra-ruim e da desgraçada Diga-Adeus? Os infame matador, naquele mês de horror, viraram enfim vatapá?

A multidão acompanhou em coro a pergunta:

  • Responde, cantador!


O contador entortou a boca, balançou a cabeça, deu um silvo e sua mão declinou.

Então quase que rindo, não se conteve e bradou:


  • Esses são os corenéis Serapião e Capitão, dos trezentos condenado, só eu sobrei, ninguém mais não... Cabra-ruim e Diga-Adeus fizeram o que nóis nunca iria esperar. Quando se viram cercados, decidiram por de lado as desavenças e entraram por dentro da Caatinga, os mardito. Nóis procuramos por três semanas. Nos embrenhando pela ata virgem, perdemos, inda naquela semana, mais de trinta cabruncos. Foi quando com armas tiradas Padre Cícero sabe da onde, Aquela muié bandida e aquele capanga de nome, arresolveram nos matá. Me deixaram viver pra que eu contasse a história, levando eles inté a fazenda de Serapião e Capitão.

A multidão ovacionava a história renhida, daquela luta marfadada, daquela jagunçada terrível.

E de novo o menino curioso sem se conter, sem segurá, questionou:

E que fim levou, os jagunços, desta história que finda?

O contador parou. Se virou. Olhou sério a multidão, agora silenciada. Os olhos atentos, o murmúrio do vento. Então falou:


  • Intão, mormente finda a lida, a sina... juntaram os trapo, as ferida e a dor,

e si uniram pelos sagrados votos do matrimônio...




E sem se virar de novo,

o cantador...

...disse adeus.














Autor:

Welington José Ferreira


05
Fev09

Até que se aquietem os vales

wellcorp

Até que se aquietem os vales 

 

E foram histórias tristes,
Dentre fábulas fantásticas
E desceram montes apáticos
Vestidos de couraças gélidas
E criam naquelas bandeiras
Na verdade, estandartes levantados
Por jovens de mãos fortes
Acostumados com o gemido das batalhas
E foram torrões acesos
Brilhando com suas espadas
Por entre as vielas Curdas
Por entre os pastos queimados
Sangrando homens treinados
Gritavam cavalos baios
Brindavam espadas raras
Cresciam pavores plenos
Marechais e comandantes
Seus soldados agora errantes
Entre as pilhas dos caídos
Entre os gritos dos vencidos
Avante! Cavalos baios
Por esses morros infames
Lutar na guerra sem nome
Até não poder correr mais livremente
Até que só sobre a fome.
Caiam desfraldadas bandeiras
Caiam pendões entre mãos trêmulas
Até que se aquietem os vales
Até que se aquietem os vales


Welington José Ferreira 

05
Fev09

Até que se aquietem os vales

wellcorp

Até que se aquietem os vales 

 

E foram histórias tristes,
Dentre fábulas fantásticas
E desceram montes apáticos
Vestidos de couraças gélidas
E criam naquelas bandeiras
Na verdade, estandartes levantados
Por jovens de mãos fortes
Acostumados com o gemido das batalhas
E foram torrões acesos
Brilhando com suas espadas
Por entre as vielas Curdas
Por entre os pastos queimados
Sangrando homens treinados
Gritavam cavalos baios
Brindavam espadas raras
Cresciam pavores plenos
Marechais e comandantes
Seus soldados agora errantes
Entre as pilhas dos caídos
Entre os gritos dos vencidos
Avante! Cavalos baios
Por esses morros infames
Lutar na guerra sem nome
Até não poder correr mais livremente
Até que só sobre a fome.
Caiam desfraldadas bandeiras
Caiam pendões entre mãos trêmulas
Até que se aquietem os vales
Até que se aquietem os vales


Welington José Ferreira 

05
Fev09

Acorda!

wellcorp

Acorda!

 Acorda menina bonita
Já chegou a hora
De trabalhar
Desperta do sono
Manhosa menina
É tempo
De acordar
Desperta menina sonhando
Amanheceu
Mais uma vez
Desperta e sai das cobertas
Não segura a cama
Já despertou
Acorda que  o pão
Tá esfriando
E se não acordar
Vai se atrasar
Faz força!
Que os olhos se abrem
E então o outro passo
É levantar!
Desperta
Sua dorminhoca
Que o sol chama
pra despertar...


Welington José Ferreira

05
Fev09

Acorda!

wellcorp

Acorda!

 Acorda menina bonita
Já chegou a hora
De trabalhar
Desperta do sono
Manhosa menina
É tempo
De acordar
Desperta menina sonhando
Amanheceu
Mais uma vez
Desperta e sai das cobertas
Não segura a cama
Já despertou
Acorda que  o pão
Tá esfriando
E se não acordar
Vai se atrasar
Faz força!
Que os olhos se abrem
E então o outro passo
É levantar!
Desperta
Sua dorminhoca
Que o sol chama
pra despertar...


Welington José Ferreira

05
Fev09

Um amigo

wellcorp

Como as águias que habitam as refinarias

Que são suas verdadeiras donas, sob cujo olhar atento trabalham

Seus súditos, inumeráveis criaturas humanas

São como a chuva que cai entre as nuvens

Como os raios que relampejam

Nas profundas águas do mar

Como peixes voadores

Sobre cujas asas elefantes dormitam

Em paz

São como mares em chamas

Por onde golfinhos de gelo

Mergulham sem derreter

São como as luzes que fazem

mesmo abismos tremerem

Ou o tempo inteiro voltar

Ao instante anterior

São como as vozes das folhas

De Tamargueiras milenares

Ou como a força espantosa

De gotas que são tão grandes

Quando dois arranha-céus

 

De tudo isso se entende

Que tal como imaginado

Noutra hora qualquer

 

Amigos são como um manto

Desses que envolvem os sonhos

Que nos lembramos as vezes

 

no instante de acordar


Welington José Ferreira

05
Fev09

Um amigo

wellcorp

Como as águias que habitam as refinarias

Que são suas verdadeiras donas, sob cujo olhar atento trabalham

Seus súditos, inumeráveis criaturas humanas

São como a chuva que cai entre as nuvens

Como os raios que relampejam

Nas profundas águas do mar

Como peixes voadores

Sobre cujas asas elefantes dormitam

Em paz

São como mares em chamas

Por onde golfinhos de gelo

Mergulham sem derreter

São como as luzes que fazem

mesmo abismos tremerem

Ou o tempo inteiro voltar

Ao instante anterior

São como as vozes das folhas

De Tamargueiras milenares

Ou como a força espantosa

De gotas que são tão grandes

Quando dois arranha-céus

 

De tudo isso se entende

Que tal como imaginado

Noutra hora qualquer

 

Amigos são como um manto

Desses que envolvem os sonhos

Que nos lembramos as vezes

 

no instante de acordar


Welington José Ferreira

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub