Um Blog de poesia, imagens estudos das Escrituras, mensagens e textos engraçados

PROVÉRBIOS 1

PROVÉRBIOS 1:1
Estes são os provérbios de Salomão, filho de Davi, rei de Israel.



PROVÉRBIOS 1:2
Eles ajudarão a experimentara sabedoria e a disciplina;a compreender as palavras que dão entendimento;



PROVÉRBIOS 1:3
a viver com disciplina e sensatez,fazendo o que é justo, direito e correto;



PROVÉRBIOS 1:4

ajudarão a dar prudência aos inexperientes e conhecimento e bom senso aos jovens.


PROVÉRBIOS 1:5
Se o sábio lhes der ouvidos,aumentará seu conhecimento,e quem tem discernimento obterá orientação




PROVÉRBIOS 1:6
para compreender provérbios e parábolas,ditados e enigmas dos sábios.




PROVÉRBIOS 1:7
O temor do Senhor é o princípio[1] do conhecimento,mas os insensatos desprezam a sabedoria e a disciplina.
PROVÉRBIOS:1:71 Ou a chave; também em 9.10.


(Coordenador da FUNASA-Goianésia Belchior José da Silva entrega EPI para Agente de Combate a Endemias)


PROVÉRBIOS 1:8
Ouça, meu filho, a instrução de seu pai e não despreze o ensino de sua mãe.




PROVÉRBIOS 1:9
Eles serão um enfeite para a sua cabeça,um adorno para o seu pescoço.



PROVÉRBIOS 1:10
Meu filho, se os maus tentarem seduzi-lo,não ceda!



PROVÉRBIOS 1:11
Se disserem: “Venha conosco;fiquemos de tocaia para matar alguém,vamos divertir-nos armando emboscada contra quem de nada suspeita!



PROVÉRBIOS 1:12
Vamos engoli-los vivos,como a sepultura[2] engole os mortos;vamos destruí-los inteiros,como são destruídos os que descem à cova;






PROVÉRBIOS:1:122 Hebraico: Sheol. Essa palavra também pode ser traduzida por profundezas, pó ou morte; também em 5.5; 7.27 e 9.18.
PROVÉRBIOS 1:13
acharemos todo tipo de objetos valioso se encheremos as nossas casas com o que roubarmos;




PROVÉRBIOS 1:14
junte-se ao nosso bando;dividiremos em partes iguais tudo o que conseguirmos!”




PROVÉRBIOS 1:15
Meu filho,não vá pela vereda dessa gente!Afaste os pés do caminho que eles seguem,




PROVÉRBIOS 1:16
pois os pés deles correm para fazer o mal,estão sempre prontos para derramar sangue.



PROVÉRBIOS 1:17
Assim como é inútil estender a rede se as aves o observam,



PROVÉRBIOS 1:18
também esses homens não percebem que fazem tocaia contra a própria vida;armam emboscadas contra eles mesmos!




PROVÉRBIOS 1:19
Tal é o caminho de todos os gananciosos;quem assim procede a si mesmo se destrói.



PROVÉRBIOS 1:20
A sabedoria clama em alta voz nas ruas,ergue a voz nas praças públicas;




PROVÉRBIOS 1:21
nas esquinas das ruas barulhentas[3]ela clama,nas portas da cidade faz o seu discurso: 







PROVÉRBIOS:1:213 A Septuaginta diz no alto dos muros.
PROVÉRBIOS 1:22
“Até quando vocês, inexperientes,irão contentar-se com a sua inexperiência?Vocês, zombadores,até quando terão prazer na zombaria?E vocês, tolos,até quando desprezarão o conhecimento?




PROVÉRBIOS 1:23
Se acatarem a minha repreensão,eu lhes darei um espírito de sabedoria e lhes revelarei os meus pensamentos.



PROVÉRBIOS 1:24
Vocês, porém, rejeitaram o meu convite;ninguém se importou quando estendi minha mão!


PROVÉRBIOS 1:25
Visto que desprezaram totalmente o meu conselho e não quiseram aceitar a minha repreensão,



PROVÉRBIOS 1:26
eu, de minha parte,vou rir-me da sua desgraça;zombarei quando o que temem se abater sobre vocês,
PROVÉRBIOS 1:27
quando aquilo que temem abater-se sobre vocês como uma tempestade,quando a desgraça os atingir como um vendaval,quando a angústia e a dor os dominarem.




PROVÉRBIOS 1:28
“Então vocês me chamarão,mas não responderei;procurarão por mim,mas não me encontrarão.




PROVÉRBIOS 1:29
Visto que desprezaram o conhecimento e recusaram o temor do Senhor ­,




PROVÉRBIOS 1:30
não quiseram aceitar o meu conselho e fizeram pouco caso da minha advertência,



PROVÉRBIOS 1:31
comerão do fruto da sua conduta e se fartarão de suas próprias maquinações.



PROVÉRBIOS 1:32
Pois a inconstância dos inexperientes os matará,e a falsa segurança dos tolos os destruirá;




PROVÉRBIOS 1:33
mas quem me ouvir viverá em segurança e estará tranqüilo, sem temer nenhum mal”.




publicado por wellcorp às 21:24 | link do post

PROVÉRBIOS 1

PROVÉRBIOS 1:1
Estes são os provérbios de Salomão, filho de Davi, rei de Israel.



PROVÉRBIOS 1:2
Eles ajudarão a experimentara sabedoria e a disciplina;a compreender as palavras que dão entendimento;



PROVÉRBIOS 1:3
a viver com disciplina e sensatez,fazendo o que é justo, direito e correto;



PROVÉRBIOS 1:4

ajudarão a dar prudência aos inexperientes e conhecimento e bom senso aos jovens.


PROVÉRBIOS 1:5
Se o sábio lhes der ouvidos,aumentará seu conhecimento,e quem tem discernimento obterá orientação




PROVÉRBIOS 1:6
para compreender provérbios e parábolas,ditados e enigmas dos sábios.




PROVÉRBIOS 1:7
O temor do Senhor é o princípio[1] do conhecimento,mas os insensatos desprezam a sabedoria e a disciplina.
PROVÉRBIOS:1:71 Ou a chave; também em 9.10.


(Coordenador da FUNASA-Goianésia Belchior José da Silva entrega EPI para Agente de Combate a Endemias)


PROVÉRBIOS 1:8
Ouça, meu filho, a instrução de seu pai e não despreze o ensino de sua mãe.




PROVÉRBIOS 1:9
Eles serão um enfeite para a sua cabeça,um adorno para o seu pescoço.



PROVÉRBIOS 1:10
Meu filho, se os maus tentarem seduzi-lo,não ceda!



PROVÉRBIOS 1:11
Se disserem: “Venha conosco;fiquemos de tocaia para matar alguém,vamos divertir-nos armando emboscada contra quem de nada suspeita!



PROVÉRBIOS 1:12
Vamos engoli-los vivos,como a sepultura[2] engole os mortos;vamos destruí-los inteiros,como são destruídos os que descem à cova;






PROVÉRBIOS:1:122 Hebraico: Sheol. Essa palavra também pode ser traduzida por profundezas, pó ou morte; também em 5.5; 7.27 e 9.18.
PROVÉRBIOS 1:13
acharemos todo tipo de objetos valioso se encheremos as nossas casas com o que roubarmos;




PROVÉRBIOS 1:14
junte-se ao nosso bando;dividiremos em partes iguais tudo o que conseguirmos!”




PROVÉRBIOS 1:15
Meu filho,não vá pela vereda dessa gente!Afaste os pés do caminho que eles seguem,




PROVÉRBIOS 1:16
pois os pés deles correm para fazer o mal,estão sempre prontos para derramar sangue.



PROVÉRBIOS 1:17
Assim como é inútil estender a rede se as aves o observam,



PROVÉRBIOS 1:18
também esses homens não percebem que fazem tocaia contra a própria vida;armam emboscadas contra eles mesmos!




PROVÉRBIOS 1:19
Tal é o caminho de todos os gananciosos;quem assim procede a si mesmo se destrói.



PROVÉRBIOS 1:20
A sabedoria clama em alta voz nas ruas,ergue a voz nas praças públicas;




PROVÉRBIOS 1:21
nas esquinas das ruas barulhentas[3]ela clama,nas portas da cidade faz o seu discurso: 







PROVÉRBIOS:1:213 A Septuaginta diz no alto dos muros.
PROVÉRBIOS 1:22
“Até quando vocês, inexperientes,irão contentar-se com a sua inexperiência?Vocês, zombadores,até quando terão prazer na zombaria?E vocês, tolos,até quando desprezarão o conhecimento?




PROVÉRBIOS 1:23
Se acatarem a minha repreensão,eu lhes darei um espírito de sabedoria e lhes revelarei os meus pensamentos.



PROVÉRBIOS 1:24
Vocês, porém, rejeitaram o meu convite;ninguém se importou quando estendi minha mão!


PROVÉRBIOS 1:25
Visto que desprezaram totalmente o meu conselho e não quiseram aceitar a minha repreensão,



PROVÉRBIOS 1:26
eu, de minha parte,vou rir-me da sua desgraça;zombarei quando o que temem se abater sobre vocês,
PROVÉRBIOS 1:27
quando aquilo que temem abater-se sobre vocês como uma tempestade,quando a desgraça os atingir como um vendaval,quando a angústia e a dor os dominarem.




PROVÉRBIOS 1:28
“Então vocês me chamarão,mas não responderei;procurarão por mim,mas não me encontrarão.




PROVÉRBIOS 1:29
Visto que desprezaram o conhecimento e recusaram o temor do Senhor ­,




PROVÉRBIOS 1:30
não quiseram aceitar o meu conselho e fizeram pouco caso da minha advertência,



PROVÉRBIOS 1:31
comerão do fruto da sua conduta e se fartarão de suas próprias maquinações.



PROVÉRBIOS 1:32
Pois a inconstância dos inexperientes os matará,e a falsa segurança dos tolos os destruirá;




PROVÉRBIOS 1:33
mas quem me ouvir viverá em segurança e estará tranqüilo, sem temer nenhum mal”.




publicado por wellcorp às 21:24 | link do post

Olivia Wilde.



Pra desmistificar que o 13 dá azar.


Thirteen ou Treze é um personagem de ficção da série televisiva House, M.D.. É interpretada pela atriz Olivia Wilde. Ela entra na 4a temporada.
Como já sugere seu apelido, ela foi a concorrente de número 13 durante os jogos em que House escolheu os três novos membros de sua equipe.
A sua mãe sofreu da doença de Huntington, e Thirteen tinha 50% de chance de ter herdado a doença. Ela, porém, não queria fazer o teste, e se recusa a ver o resultado quando House o faz; House também não vê. No último episódio da quarta temporada, impelida por House, 'Treze' finalmente faz o teste que dá positivo para Huntington.
Nos episódios finais da 4a temporada, Foreman e House sugerem que ela é bissexual, o que é confirmado na 5a temporada. No episódio 5 uma das mulheres com quem Thirteen passou a noite passa mal e é atendida pelo doutor House.
Seu nome real é Remy Hadley, dito por ela mesma no Episódio 8 da 5a temporada [1].
publicado por wellcorp às 09:26 | link do post
tags:

Olivia Wilde.



Pra desmistificar que o 13 dá azar.


Thirteen ou Treze é um personagem de ficção da série televisiva House, M.D.. É interpretada pela atriz Olivia Wilde. Ela entra na 4a temporada.
Como já sugere seu apelido, ela foi a concorrente de número 13 durante os jogos em que House escolheu os três novos membros de sua equipe.
A sua mãe sofreu da doença de Huntington, e Thirteen tinha 50% de chance de ter herdado a doença. Ela, porém, não queria fazer o teste, e se recusa a ver o resultado quando House o faz; House também não vê. No último episódio da quarta temporada, impelida por House, 'Treze' finalmente faz o teste que dá positivo para Huntington.
Nos episódios finais da 4a temporada, Foreman e House sugerem que ela é bissexual, o que é confirmado na 5a temporada. No episódio 5 uma das mulheres com quem Thirteen passou a noite passa mal e é atendida pelo doutor House.
Seu nome real é Remy Hadley, dito por ela mesma no Episódio 8 da 5a temporada [1].
publicado por wellcorp às 09:26 | link do post
tags:

publicado por wellcorp às 09:12 | link do post

publicado por wellcorp às 09:12 | link do post
En portunhol y português.
Django Y Pablo especial
Mui alén del passado
- Patinha? Patinha! Vai já pra rua e não esquece a câmera, que o bicho tá pegando. E não me venha com chororo, que tá o maior rebu lá na praça Saens Pena. Parece que uns doidos vestidos de mexicanos fugiram de um hospício qualquer e tá o maior alvoroço pra pegar os carcamano. Os caras tão resistindo a três horas ao batalhão de choque da polícia militar, duas unidades especiais e a um vasto contigente de policiais. E leva a máscara que tem gás lacrimogeneo espalhado por todo o quarteirão. Aproveita que você já está fazendo essa matéria sobre a história do México mesmo, admita um trabalho superinteressante. Patinha. Patinha é sua mãe, editor safado, pensava Patrícia enquanto pegava o gravador, o bloco de anotações, a Nikon digital e a velha máscara que ganhou na cobertura da greve estudantil de março. Sobre sua mesa um grupo de fotos velhas de cidades e o recorte antigo de um jornal falando sobre uma tropa rebelada do exército mexicano conhecida como os Federales. Ela sai apressada da redação. O oficce-boy, o Borges dá um sorriso e leve tapa nas suas costas. O tapa foi proposital. Patrícia fuzila o Borges com o olhar.
- Mais tarde a gente conversa. Mais tarde a gente conversa.
Foi o Borges que colocou nela o apelido de Patinha.
A Welington Coorporation
em conjunto com a Well Records
tem o prazer de apresentar, mais outra história fenômenal da mais desconhecida dupla del bandoleros de toda la tierra
- Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! (buááá) Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! Coff!
- Salud,(buáááá') Senor (buáááá)
- Estoy tossindo, Pablo!
- Perdon Senor. Pensaba que (buáááá') estabas espirrando.
- Más, que fedor (buáááá'). Y no consigo para de chorar. Essa fumaça verde, Pablo (buáááááá) deve ser enfeitiçada!
Está mexendo com nuessos sentimentos.
- Si senor! (buáááááá)
- Abaxa-te Pablo que lá ven otra daquelas cosas que explodem con lá fumaça enfeitiçada!
- Si Senor!!!! (buááááááá')
Kabbbbllooooonnnnn!!!
-Pelas barbas del Pancho Villa! Estoy surdo! Pablo! Onde estámos hombre? Quiem son estás personas ingratas que,
como de costume, quieren nos matar más una viez? Essa porcaria que tiens en tu mano, la arma que tirastes del lagarton en el desierto no funciona derecho!!!
Policial com megafone:
- Atenção, ai, os dois palhaços vestidos de mexicanos, se continuarem a resistir a ordem de prisão vamos descarregar um caminhão de gás lacrimogêneo sobre vocês. Levantem as mãos e se entreguem pacificamente ou vamos enviar o batalhão antichoque, ai a coisa vai ferver para o lado de vocês.
- Pablo! que lingua é esta que estes hombres hablam?
- Yo no sei Senor! É parecida con la nuessa! Senor, tenemos que fugir, para no apanharmos nuevamiente. Vamos para la
rua entre las contruciones y tentemos entrar en àquelas carruagens sen cabalos, como si fuesse trens sen trilhos y entonce partimos!
- Cobre-me Pablo! COFF! Eta el fedor!
Django y Pablo corriendo en el meion de lo gás lacrimogêneo en direçon a la rua Conde de Bonfim. Los cordões del policiales indo en su captura. Django correndo por sobre el carros. Pablo pulando sobre un Santana. Batalhon de choque com dificuldade de entrar por el meion del engarrafamiento. Atiradores del elite sen condiçon del tiro por causa del carros. Policiais militares en perseguiçon. Vidraças del prédios próximos explodindo por tiros de granadas del efeito moral. Tiro del
Pablo derrubando metralhadora del mano del policial. Pablo pegando la metralhadora. Pablo mirando la metralhadora en la tropa del choque. Policiais pulando a el chão. Pablo explodindo las vidraças del prédios sen controle del tiros disparados por la metralhadora. Django ojando fixiamente para Pablo. Django y Pablo correndo más ainda.
Oja, Pablo, una escada entrando para la tierra!
-Si, Senor, debe ser una mina ou una passagen subterranea! Corramos para ela! Por la cucarachas del Postoqueaquiacabmos! La escada desce su degraus, sozinha!
- Cala-te y corre Pablo, este lugar estrano possui cosas que desconecemos, o que no importa tanto, já que temos vivido tanto tiempo en los desiertos. Isso debe ser por la revolucion industrial deste lugar estrano. Pablo, acabo de cunhar una nueva expression! Revolucion industriale. Corramos hombre!
Django y Pablo descendo las escadas del metro. Las equipes del policiales van atrás. Lo tiroteo continua por dientro del metro.
Patrícia quase conseguiu chegar na praça Saens Pena. Quase. O engarrafamento não deixou. Ela desceu do onibus e pegou uma composição do metrô lotada. O pão-durismo da tesouraria da redação chegava a irritar. Talvez não desse para fazer a cobertura, afinal. Uma menina pequena com um patinho de brinquedo na mão dá um sorriso para Patrícia. Um grupo de estudantes atrás dela cochicha algo. Ela escuta um som familiar.
- Quac.
Patrícia vira a cabeça querendo saber de onde saiu aquele som. Só ouve um burburinho dos estudantes. A composição chegou enfim na estação subterranea da Praça Saens Pena. As portas se abriram quando notou a confusão. Escutou a multidão correndo na estação e o barulho dos tiros. Uma granada de gás lacrimogêneo explodiu a vinte metros nos trilhos a frente do trem. Patrícia contempla os dois mexicanos que correm justamente em direção do seu vagão.
- Oja, Pablo! Un tren! un tren! Eles fizeran tuneis por baxo de la ciudad! Ai, caramba! Passemos para el tren.
Django y Pablo atropelando o pessoal que saiu do vagão. Django y Pablo entrando no vagão. Pablo atropelando Patrícia.
Django atropelando a Pablo. Policiales y batalhon del choque descendo para la estacion. Composicion del metro fechando su puertas. Tren rumando para el centro del Rio de Janeiro.
Se a jornalista não vai até a notícia...
- SAIAM DE CIMA DE MIM SEUS PALHAÇOS FANTASIADOS! Gritou Patrícia indignada.
- Acalma-te Senorita! No sabiamos que iriamos atropelar la senorita! Mi parcero Pablo no tien um trato mui harmonioso com las mujeres. Y alén do más, isso é una perseguicion, essas cosas acontecen.
Patrícia de costas para Pablo. Pablo hablando:
- ooooooooooooooh. Mi cabeça.........Desculpe-me Senorita... Senorita....Patinha.
Patrícia se virando e fuzilando um olhar raivoso para Pablo:
- O que é que você falou, "conpanero"?
Django retira um cartaz grudado nas costas de Patrícia. Com o desenho de uma pata e os dizeres: Volta logo Patinha.
Django:
- Que tipo de lapion usteds usan dientro deste vagon? Que tipo de iluminacion é esta? Por que si vesten desta maneira?
Porquie las mujeres como tu si vesten como hombre? Onde estámos, por los ciélos! Que lugar estrano é este?
Patrícia tem dificuldade de entender o que Django diz. Suas roupas estranhas parecem ter saído de uma loja de antiquários. A arma que o outro rapaz fantasiado usa parece ter sido tirada de uym museu. As botas carcomidas dos dois possuem esporas. O pente de balas sobre seus ombros é feito de couro rústico. Afinal, quem são esses sujeitos saídos de um ensaio sobre a revolução mexicana?
O vagão está lotado de gente assustada. As portas se abrem na estação de Afonso pena. Uma multidão corre para fora do vagão.
Django oja par Pablo y habla:
-No podiemos ficar parando nessas estaciones, Pablo! Vá atié el maquinista y força-o a seguir derecho para el cientro diesta ciudad louca! Lá conseguiremos munições en lo armazén y robando cabalos partiremos más una viez. Los Federales deben estar en nuesso encalço y no debemos estar longe del Postoqueaquiacabamos! Arriba hombre!
Pablo velozmiente sae del vagon y corre para lo vagon en la frientedel tren., carregando la metralhadora y su velho colt. Las puertas si fechan enquanto de las escadarias un otro grupo del policiales desce furiosamiente las escadas. Uma saraivada del balas detona los vidros del vagon y del puertas. Django si joga entre los bancos.
Patrícia coloca as mãos sobre a cabeça tentando se proteger dos estilhaços que se espalham pelo vagão.
O condutor, aturdido com um colt que não devia existir mais apontado para sua cabeça, parte para o centro do Rio, avisando que terá que pular três estações e parar na estação do Largo da Carioca, próximo ao edifício Avenida Central. O comunicado é repetido a central do Metro. As autoridades avisadas improvisam recursos para tentar prender os sequestradores do vagão nessa estação. Policiais solicitam ajuda ao quartel do exército que fica ao lado da Central do Brasil, no antigo prédio onde se alojava o Ministério da Guerra, para que enviem um grupo de soldados para a estação do Largo. A confusão tem inicio no Centro do Rio de Janeiro.
Patrícia pergunta para Django:
- Quem são vocês? O que vocês querem?
Django limpando o sombrero:
- Mi nombre é Django, Django Kid, y aquél otro é mi companero Pablo. Suemos bandoleros y aventureros en el nuevo Mexico, oriundos del un Vilarejo hermoso, que fica ao sul del Viemosparalamuerte. Bien...erámos na verdade mariachis y fuemos confundidos con otros dois hombres que no lembro más los nomes, y havemos sido perseguidos cruélmiente desde enton. Y estámos famintos. Parece que no comiemos faz dias. Pode nos hablar las horas, Senorita? Eran nove hueras del manhana quando fuemos ciercados por el Federales en el sallon en Postoqueaquiacabamos.
A palavra Federales soou como uma bomba aos ouvidos de Patrícia. Como podiam saber dos Federales, uma matéria obscura de um folhetim mexicano de 1877? Como assim perseguidos?
- Como vocês sabem sobre os Federales?
- Senorita...Patinha, eles tentam nos matar a unos diez ou doze anos. Desde la primavera del 1865 y ainda hoje tentaran más una viez retirar nuessa vida.
Verdadeiramente esses caras eram malucos. Ela resolveu entrar na brincadeira.
- Mas...se os Federales perseguem vocês a doze anos....desde 1864...então...já tem 136 anos que eles perseguem a vocês? Hoje é outubro do ano 2000.
- La Senorita bebeu Tequila demás. Estámos en julho del 1876. Dexa-me exámina-la para ojar si una bala no si alojou en su cabeça...
-Tira as suas mãos de minha cabeça!
O vagão para na estação do Largo da Carioca.
A polícia cercou o local. De um caminhão do exército descem vinte soldados para o interior da estação. Django sai correndo de dentro do vagão, Patrícia vai atrás do estranho homem. Pablo se encontra com Django e os dois correm para o plataforma superior. Patrícia corre tentando alcança-los. Escuta uma saraivada de metralhadora e tiros de fuzil. Logo vê os dois correndo de volta.
- Para el tren! Para el tren!
A composição do vagão fecha as portas e se vai. Django y Pablo ojando el tren saindo. Django y Pablo ojando Patrícia. los soldados desciendo las escadas del estacion. O comandante da operacion no dexa los soldados atiraren por causa da jornalista. Patrícia entende que o exército veio disposto a executar os dois fantasiados. mas, entendeu que podiam ser loucos, mas não eram marginais. Ela se coloca entre os dois e os soldados.
- Ei! Esses dois são desequilibrados! Precisam de ajuda médica! O que vocês pensam em fazer?
Django hablando para Pablo:
- Como asi, desequilibrados? Esta menina pensa que estámos en 2000 y yo é que soy un desequilibrado?
O comandante:
- Sai da frente moça, que esses dois são indivíduos perigosos. Estão armados e precisam ser detidos!
Patrícia discute com o comandante. Pablo se vira para Django. Django oja para Pablo. Pablo si juega sobre Patrícia y cae en el piso del estacion. Django atira nos soldados.
- Leva la senorita louca para un lugar seguro, Pablo!
- Si Senor!
Pablo arrasta Patrícia para os trilhos eletrificados do metro. Patrícia grita, que se forem para ali, irão morrer.
Django retruca:
- Si ficarmos, tambiém Agora cala-te, senorita louca.
Patrícia e Pablo caindo nos trilhos. Django pulando também. Soldados atirando
Um clarão acontece.
Uma cratera se abriu entre o convento Santo Antônio e a parte lateral do Edifício Avenida Central. Graças ao cerco externo feito pelos polícias poucas pessoas tiveram ferimentos leves. Um trilho foi arremessado tão longe que arrancou metade da fachada de alumínio, conhecida como "brises", do lado norte do edifício sede da Petrobrás.
Levaram dois dias escavando para chegar ao local onde caíra Patrícia e os dois loucos fantasiados de mexicanos.
Não havia vestígio algum.
1876. Uma pianola toca ragtime, sobre um teto incendiado por las flexas (eu sei que é com "ch"), Os balcões crivados de balas. Django oja para Pablo com su cabelos arrepiados. Pablo segura una metralhadora en su mano derecha. En su mano esquierda segura una jornalista assustada.
- Espero que goste de la hospitalidad del Federales aqui en Postoqueaquiacabamos, Senorita Patinha.
Django y Pablo
By Well
publicado por wellcorp às 19:26 | link do post
Postoqueaquiacabamos, el retuerno.
En los capítulos anteriores, nuessos heroes estaban ciercados en un Sallon en chamas, por el bando cruel de los Cabaleros Brabos, Los Federales y los indíos. Quando tudo parecia perdido, como siempre, fueran transportados en lo tiempo até más ou menos el presente por la arma que tiraran das manos del lagarton en el desierto. Siendo que voltaran a el passadon, más ou menos en el mismo instante que sairan, dientro del miesmo Sallon incendiado y ainda ciercados por tuedos os lados. Somiente que agora estã aconpanados de una chica. La senorita Patrícia. Patinha para los íntimos.
Y la luta continua, conpaneros.
Caminando y cantando y seguindo la liçon
Suemos tuedos iguales, braçons dados ou no
Nos quarteles ensinam antigas liçones
De vivir pela pátria y morrir sen raziones
Mem Ex Group
Ven vamos embora, que esperar no és saber
Quen sábe faz la hora, no espera acontecer!
Eta el musiquinha chata.
Más una aventura del usted sabe quien
con la participacion especiale de Ana Paula Arósio como la mamacita, nuevamiente.
Pausa para lo suspiro
Y Patrícia del la história Patomorphia.
Patrícia:
- Más, afinal, que espécie del lugar é este? Oh! Mi garganta! Mi voz! Que está aconteciendo com mi palabras? Porquie estoy hablando assi?
Django
- Pablo, la senorita louca agora habla nuessa lingua! Pena que estámos prestes a morrir, más una vez. Gostaria muito de hablar con ela sobre àquele lugar estrano onde estábamos antes. Sinto una estrana sensacion. No si sientes assi Pablo?
- Si Senor. Estoy a mi sentir cansado.
- Pablo! Oja! Contempla las chamas!
Las chamas en camera lenta
-Protege la mujer, Pablo! Una flexa está vindo en su direçon.
La flexa en camera lenta. Pablo se joga sobre Patrícia. Levanta su cabeça y la flexa voeja lentamiente até cravar-se en el balcon.
Una bala espatifa el vidron sobre el balcon, los cacos voam lentamente, Django pula y no é acertado.
- Pablo! O que está acontecer? Tudo viaja y camina y anda lentamiente! Somiente nós parecemos estar a una velocidad
normale!
- Debe ser efecho del arma que tiramos das manos del lagarton.
Patrícia abismada observa flexas incendiárias voando lentamente en um sallon que parecia ter saído de um spaguetti italiano sobre lo velho oeste. Olha para fuera del vidros quebrados del janelonas y contempla centenas del hombres vestidos como las velhas fotos sobre su mesa de la redacion. Devia esta sonhando. Essa era a respuesta. Un suenho.
Somiente un suenho.
-Pablo, seja como for, corramos para fuera del sallon, lebando la senorita que trouxemos sei lá de onde. En nuesso tipo de vida, corremos primero y perguntamos sobre las situaciones despues.
Django jogando Patrícia sobre las cuestas.
-Solte-me! su animal!
Django y Pablo si desviando de los tiros y flexas incendiárias retardadas. Django y Pablo y Patrícia si jogando por sobre las vidraças partidas. La multidon del índios en camera lenta. Los atiradores del Cabaleros Brabos en camera lenta. Django y Pablo Y Patrícia passando por la friente del bando sen serem atingidos. Django y Pablo parando distantes del ajuntamiento a friente del Sallon.
Lo tiempo repentinamiente passa a fluir normalmiente.
Lo Sallon desabando sobre el artilharia pesada del Federales.
La cancion del guerra del Federales siendo entoada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
Lo generale erguendo su manos para los cielos y bradando:
- MUERTOS! LOS DESGRACIADOS ESTAN MUERTOS!
Django para Pablo, con la senorita en el colo:
- Sabe, Pablo. Sinto un cierto derespeito a nuessas vidas por parte del Generale. Una nueta de profundo prazer y tremenda alegria, conn nuessas muertes. Como puede? Alegra-se con la muerte de los otros hombres? No debia havir tristeza mesmo quando morre nuessos inimigos?
- É mui triste Senor. Aqueles que si alegran con la desgracia del otros. Su alegria só si completa con la perdicion del hombres. Fazen del destruiçon su vida y su caminos. La vingança é su cabestro y la espada su lei. Admiravél camino torto.
- Pablo. Oja! Capturaran uma mujer! Oja!
Una mujer del ojos azuis e tez branca é arrastada por los crués hombres del cabaleros Brabos y jogada às patas del cavalo negron del cruel y temível Generale del Federales. Django reconhece la mujer.
La mamacita.
Pedimos a tuedos os nuessos leitores que retiren de la friente del computador las crianças y personas com problemas cardíacos. La cosa vai pegar fuego.
Django solta Patrícia en el poerento chão.
- Senorita Patinha, esconde-te y foge. La ira del Django foi acesa y tuedas las árvores del campo del nuevo méxico no terian madera suficiente para alimenta-la.
La dor de la queda foi bien real para um suenho. Aquilo no era un suenho. Las letras garrafais del cartaz a sobre su cabeza gritan dientro de su alma. 1876.
La ciudad. Las flexas. Lo Sallon. Los Federales. La explosion en los trilhos del metro.
Aquilo era el passadon. Patrícia viajara en el tiempo.Esses hombres no eran dois loucos fantasiados del mexicanos. Eran dois mexicanos loucos.
Django jogando su pente del balas en lo chão. Django ajeitando su sombrero. Pablo jogando su pente del balas en el chão.
Pablo ajeitando su sombrero.
- LA ÚLTIMA BATALHA COMPANERO.
Lo generale segura com fuerça los cachos azulados del cabelon negron del mamacita.
- Entan, fuetes tu la bruja que destes guarida a los bandoleros? Oja agora mujer, su bandidos estan muertos en los
escombros del Sallon incendiado. Y tu serás acusada del traiçon. Vamos enforcar-te agora y jogar-te para serdes quemada junto del bandolerosmuertos.
La mamacita cospe en lo pé enfaxado del Generale.
Los hombres arrastando la mamacita para ser enforcada.
Django amarrando su lenço.
Pablo amarrando su lenço.
La corda siendo arremessada por los galhos del figuera.
La corda siendo passado por lo pescoçon de la mamacita.
Lo cabalo com la otra ponta dl corda siendo espantado y corriendo.
Pablo sacando su revólver a duzientos metros di distancia e estorando la corda.
Lo imenso ajuntamento si virando y ojando los dois hombres que corren en su direçon atirando.
Mui emocionante.
.
- Pablo! Lo paiol! Lo paiol! Lo paiol era un lugar onde la pólvora del ciudad era estocada. Estaba a cien metros del Sallon.
Pablo corriendo para dentro del paiol. Django corriendo para el paiol.
Cabaleros Brabos ciercando el paiol y atirando.
Django y Pablo si atirando para fora de los vidros traseros del paiol
El paiol si tornando história.
Patrícia caindo longe com lo delocamento de ar del paiol explodindo
La explosion derrubando los Cabaleros Brabos.
La ciudad incendiada.
Los ïndios fugindo ao veren el paiol explodindo
Mamacita si levantando y corriendo, segurando la cuerda amarrada na boca de un poço d,água y
pulando para dientro del miesmo.
La infantaria del Federales en confusion. Lo generale ordenado el grupo que atravesse la ciudad incendiada
en busca del Django y Pablo
Django y Pablo enegrecidos por la fumaça negra del pé ao sul del Postoqueaquiacabamos.
Los Federales avistan los dois hombres
Lo generale ordena los sescentos hombres sobre su comnado que destrocen aos bandoleros
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
Los dois hombres aguardam la chegada del pequeno exército del pé.
- Pablo. Mejor assi. Más, bien que poderiamos ter tido una musiquinha nuessa.
- Talvez, Senor.
- Talvez.
Inda que nos sobrassen sombreros tuertos
Y los caminos por que trilhamos nués
Posto que tudo más que nós desejamos
Importa no o que temos
Más o que suemos
Seran lembrados los hombres
Por su destino?
Ou si andaran retos diante del Dios?
No que encontren manchas na integridad
Que hasta si faz presente
Nos coraciones
Cada nino y nina nos foi precioso
Y cada vida nunca nos foi en vão
La injustiça doura los montes frios
Más la justiça quema en nuessos coraciones
Que la paz desejada
A muitas geraçiones
Derrame-se sobre la tierra
Y descanse en paz
Pablo sacando la arma tirada de las manos del lagarton en lo desierto.
En lo nuerte del Alaska una geleira si desprende.
En la tierra del fuego los vulcões si agitan
Una ciudad intera desapareceo del tierra en julho del 1876.
Três dias apués la explosion que iluminou tuedo el nuevo Mexico,
Una mujer saiu del dientro de un poço dágua en lo meion
Daquilo que si chamava Postoqueaquiacabamos.
Patrícia foi encontrada desmaiada por uma equipe de busca no terceiro dia de escavação no metro da estação do Largo da Carioca.
Admiraram-se que ela tenha ficado tanto tempo desacordada, com apenas alguns ferimentos leves.
Os apitos com barulho de pato, ensurdecedores, encheran o prédio da redação no dia em que Patrícia retornou ao trabalho.
Quando chegou na sua sala, fora as faixas de sempre decoradas com pato e a tradicional "bemvinda Patinha",
tinha uma caixa de presente próxima ao seu computador.
Presente do Carlos Borges.
Era um patinho.
De verdade.
Patrícia chamou ele de Pablo.
Django Pablo








Mem Ex group

Welington Institute Language


By Well
 
publicado por wellcorp às 19:26 | link do post
En portunhol y português.
Django Y Pablo especial
Mui alén del passado
- Patinha? Patinha! Vai já pra rua e não esquece a câmera, que o bicho tá pegando. E não me venha com chororo, que tá o maior rebu lá na praça Saens Pena. Parece que uns doidos vestidos de mexicanos fugiram de um hospício qualquer e tá o maior alvoroço pra pegar os carcamano. Os caras tão resistindo a três horas ao batalhão de choque da polícia militar, duas unidades especiais e a um vasto contigente de policiais. E leva a máscara que tem gás lacrimogeneo espalhado por todo o quarteirão. Aproveita que você já está fazendo essa matéria sobre a história do México mesmo, admita um trabalho superinteressante. Patinha. Patinha é sua mãe, editor safado, pensava Patrícia enquanto pegava o gravador, o bloco de anotações, a Nikon digital e a velha máscara que ganhou na cobertura da greve estudantil de março. Sobre sua mesa um grupo de fotos velhas de cidades e o recorte antigo de um jornal falando sobre uma tropa rebelada do exército mexicano conhecida como os Federales. Ela sai apressada da redação. O oficce-boy, o Borges dá um sorriso e leve tapa nas suas costas. O tapa foi proposital. Patrícia fuzila o Borges com o olhar.
- Mais tarde a gente conversa. Mais tarde a gente conversa.
Foi o Borges que colocou nela o apelido de Patinha.
A Welington Coorporation
em conjunto com a Well Records
tem o prazer de apresentar, mais outra história fenômenal da mais desconhecida dupla del bandoleros de toda la tierra
- Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! (buááá) Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! Coff! Coff!
- Salud,(buáááá') Senor (buáááá)
- Estoy tossindo, Pablo!
- Perdon Senor. Pensaba que (buáááá') estabas espirrando.
- Más, que fedor (buáááá'). Y no consigo para de chorar. Essa fumaça verde, Pablo (buáááááá) deve ser enfeitiçada!
Está mexendo com nuessos sentimentos.
- Si senor! (buáááááá)
- Abaxa-te Pablo que lá ven otra daquelas cosas que explodem con lá fumaça enfeitiçada!
- Si Senor!!!! (buááááááá')
Kabbbbllooooonnnnn!!!
-Pelas barbas del Pancho Villa! Estoy surdo! Pablo! Onde estámos hombre? Quiem son estás personas ingratas que,
como de costume, quieren nos matar más una viez? Essa porcaria que tiens en tu mano, la arma que tirastes del lagarton en el desierto no funciona derecho!!!
Policial com megafone:
- Atenção, ai, os dois palhaços vestidos de mexicanos, se continuarem a resistir a ordem de prisão vamos descarregar um caminhão de gás lacrimogêneo sobre vocês. Levantem as mãos e se entreguem pacificamente ou vamos enviar o batalhão antichoque, ai a coisa vai ferver para o lado de vocês.
- Pablo! que lingua é esta que estes hombres hablam?
- Yo no sei Senor! É parecida con la nuessa! Senor, tenemos que fugir, para no apanharmos nuevamiente. Vamos para la
rua entre las contruciones y tentemos entrar en àquelas carruagens sen cabalos, como si fuesse trens sen trilhos y entonce partimos!
- Cobre-me Pablo! COFF! Eta el fedor!
Django y Pablo corriendo en el meion de lo gás lacrimogêneo en direçon a la rua Conde de Bonfim. Los cordões del policiales indo en su captura. Django correndo por sobre el carros. Pablo pulando sobre un Santana. Batalhon de choque com dificuldade de entrar por el meion del engarrafamiento. Atiradores del elite sen condiçon del tiro por causa del carros. Policiais militares en perseguiçon. Vidraças del prédios próximos explodindo por tiros de granadas del efeito moral. Tiro del
Pablo derrubando metralhadora del mano del policial. Pablo pegando la metralhadora. Pablo mirando la metralhadora en la tropa del choque. Policiais pulando a el chão. Pablo explodindo las vidraças del prédios sen controle del tiros disparados por la metralhadora. Django ojando fixiamente para Pablo. Django y Pablo correndo más ainda.
Oja, Pablo, una escada entrando para la tierra!
-Si, Senor, debe ser una mina ou una passagen subterranea! Corramos para ela! Por la cucarachas del Postoqueaquiacabmos! La escada desce su degraus, sozinha!
- Cala-te y corre Pablo, este lugar estrano possui cosas que desconecemos, o que no importa tanto, já que temos vivido tanto tiempo en los desiertos. Isso debe ser por la revolucion industrial deste lugar estrano. Pablo, acabo de cunhar una nueva expression! Revolucion industriale. Corramos hombre!
Django y Pablo descendo las escadas del metro. Las equipes del policiales van atrás. Lo tiroteo continua por dientro del metro.
Patrícia quase conseguiu chegar na praça Saens Pena. Quase. O engarrafamento não deixou. Ela desceu do onibus e pegou uma composição do metrô lotada. O pão-durismo da tesouraria da redação chegava a irritar. Talvez não desse para fazer a cobertura, afinal. Uma menina pequena com um patinho de brinquedo na mão dá um sorriso para Patrícia. Um grupo de estudantes atrás dela cochicha algo. Ela escuta um som familiar.
- Quac.
Patrícia vira a cabeça querendo saber de onde saiu aquele som. Só ouve um burburinho dos estudantes. A composição chegou enfim na estação subterranea da Praça Saens Pena. As portas se abriram quando notou a confusão. Escutou a multidão correndo na estação e o barulho dos tiros. Uma granada de gás lacrimogêneo explodiu a vinte metros nos trilhos a frente do trem. Patrícia contempla os dois mexicanos que correm justamente em direção do seu vagão.
- Oja, Pablo! Un tren! un tren! Eles fizeran tuneis por baxo de la ciudad! Ai, caramba! Passemos para el tren.
Django y Pablo atropelando o pessoal que saiu do vagão. Django y Pablo entrando no vagão. Pablo atropelando Patrícia.
Django atropelando a Pablo. Policiales y batalhon del choque descendo para la estacion. Composicion del metro fechando su puertas. Tren rumando para el centro del Rio de Janeiro.
Se a jornalista não vai até a notícia...
- SAIAM DE CIMA DE MIM SEUS PALHAÇOS FANTASIADOS! Gritou Patrícia indignada.
- Acalma-te Senorita! No sabiamos que iriamos atropelar la senorita! Mi parcero Pablo no tien um trato mui harmonioso com las mujeres. Y alén do más, isso é una perseguicion, essas cosas acontecen.
Patrícia de costas para Pablo. Pablo hablando:
- ooooooooooooooh. Mi cabeça.........Desculpe-me Senorita... Senorita....Patinha.
Patrícia se virando e fuzilando um olhar raivoso para Pablo:
- O que é que você falou, "conpanero"?
Django retira um cartaz grudado nas costas de Patrícia. Com o desenho de uma pata e os dizeres: Volta logo Patinha.
Django:
- Que tipo de lapion usteds usan dientro deste vagon? Que tipo de iluminacion é esta? Por que si vesten desta maneira?
Porquie las mujeres como tu si vesten como hombre? Onde estámos, por los ciélos! Que lugar estrano é este?
Patrícia tem dificuldade de entender o que Django diz. Suas roupas estranhas parecem ter saído de uma loja de antiquários. A arma que o outro rapaz fantasiado usa parece ter sido tirada de uym museu. As botas carcomidas dos dois possuem esporas. O pente de balas sobre seus ombros é feito de couro rústico. Afinal, quem são esses sujeitos saídos de um ensaio sobre a revolução mexicana?
O vagão está lotado de gente assustada. As portas se abrem na estação de Afonso pena. Uma multidão corre para fora do vagão.
Django oja par Pablo y habla:
-No podiemos ficar parando nessas estaciones, Pablo! Vá atié el maquinista y força-o a seguir derecho para el cientro diesta ciudad louca! Lá conseguiremos munições en lo armazén y robando cabalos partiremos más una viez. Los Federales deben estar en nuesso encalço y no debemos estar longe del Postoqueaquiacabamos! Arriba hombre!
Pablo velozmiente sae del vagon y corre para lo vagon en la frientedel tren., carregando la metralhadora y su velho colt. Las puertas si fechan enquanto de las escadarias un otro grupo del policiales desce furiosamiente las escadas. Uma saraivada del balas detona los vidros del vagon y del puertas. Django si joga entre los bancos.
Patrícia coloca as mãos sobre a cabeça tentando se proteger dos estilhaços que se espalham pelo vagão.
O condutor, aturdido com um colt que não devia existir mais apontado para sua cabeça, parte para o centro do Rio, avisando que terá que pular três estações e parar na estação do Largo da Carioca, próximo ao edifício Avenida Central. O comunicado é repetido a central do Metro. As autoridades avisadas improvisam recursos para tentar prender os sequestradores do vagão nessa estação. Policiais solicitam ajuda ao quartel do exército que fica ao lado da Central do Brasil, no antigo prédio onde se alojava o Ministério da Guerra, para que enviem um grupo de soldados para a estação do Largo. A confusão tem inicio no Centro do Rio de Janeiro.
Patrícia pergunta para Django:
- Quem são vocês? O que vocês querem?
Django limpando o sombrero:
- Mi nombre é Django, Django Kid, y aquél otro é mi companero Pablo. Suemos bandoleros y aventureros en el nuevo Mexico, oriundos del un Vilarejo hermoso, que fica ao sul del Viemosparalamuerte. Bien...erámos na verdade mariachis y fuemos confundidos con otros dois hombres que no lembro más los nomes, y havemos sido perseguidos cruélmiente desde enton. Y estámos famintos. Parece que no comiemos faz dias. Pode nos hablar las horas, Senorita? Eran nove hueras del manhana quando fuemos ciercados por el Federales en el sallon en Postoqueaquiacabamos.
A palavra Federales soou como uma bomba aos ouvidos de Patrícia. Como podiam saber dos Federales, uma matéria obscura de um folhetim mexicano de 1877? Como assim perseguidos?
- Como vocês sabem sobre os Federales?
- Senorita...Patinha, eles tentam nos matar a unos diez ou doze anos. Desde la primavera del 1865 y ainda hoje tentaran más una viez retirar nuessa vida.
Verdadeiramente esses caras eram malucos. Ela resolveu entrar na brincadeira.
- Mas...se os Federales perseguem vocês a doze anos....desde 1864...então...já tem 136 anos que eles perseguem a vocês? Hoje é outubro do ano 2000.
- La Senorita bebeu Tequila demás. Estámos en julho del 1876. Dexa-me exámina-la para ojar si una bala no si alojou en su cabeça...
-Tira as suas mãos de minha cabeça!
O vagão para na estação do Largo da Carioca.
A polícia cercou o local. De um caminhão do exército descem vinte soldados para o interior da estação. Django sai correndo de dentro do vagão, Patrícia vai atrás do estranho homem. Pablo se encontra com Django e os dois correm para o plataforma superior. Patrícia corre tentando alcança-los. Escuta uma saraivada de metralhadora e tiros de fuzil. Logo vê os dois correndo de volta.
- Para el tren! Para el tren!
A composição do vagão fecha as portas e se vai. Django y Pablo ojando el tren saindo. Django y Pablo ojando Patrícia. los soldados desciendo las escadas del estacion. O comandante da operacion no dexa los soldados atiraren por causa da jornalista. Patrícia entende que o exército veio disposto a executar os dois fantasiados. mas, entendeu que podiam ser loucos, mas não eram marginais. Ela se coloca entre os dois e os soldados.
- Ei! Esses dois são desequilibrados! Precisam de ajuda médica! O que vocês pensam em fazer?
Django hablando para Pablo:
- Como asi, desequilibrados? Esta menina pensa que estámos en 2000 y yo é que soy un desequilibrado?
O comandante:
- Sai da frente moça, que esses dois são indivíduos perigosos. Estão armados e precisam ser detidos!
Patrícia discute com o comandante. Pablo se vira para Django. Django oja para Pablo. Pablo si juega sobre Patrícia y cae en el piso del estacion. Django atira nos soldados.
- Leva la senorita louca para un lugar seguro, Pablo!
- Si Senor!
Pablo arrasta Patrícia para os trilhos eletrificados do metro. Patrícia grita, que se forem para ali, irão morrer.
Django retruca:
- Si ficarmos, tambiém Agora cala-te, senorita louca.
Patrícia e Pablo caindo nos trilhos. Django pulando também. Soldados atirando
Um clarão acontece.
Uma cratera se abriu entre o convento Santo Antônio e a parte lateral do Edifício Avenida Central. Graças ao cerco externo feito pelos polícias poucas pessoas tiveram ferimentos leves. Um trilho foi arremessado tão longe que arrancou metade da fachada de alumínio, conhecida como "brises", do lado norte do edifício sede da Petrobrás.
Levaram dois dias escavando para chegar ao local onde caíra Patrícia e os dois loucos fantasiados de mexicanos.
Não havia vestígio algum.
1876. Uma pianola toca ragtime, sobre um teto incendiado por las flexas (eu sei que é com "ch"), Os balcões crivados de balas. Django oja para Pablo com su cabelos arrepiados. Pablo segura una metralhadora en su mano derecha. En su mano esquierda segura una jornalista assustada.
- Espero que goste de la hospitalidad del Federales aqui en Postoqueaquiacabamos, Senorita Patinha.
Django y Pablo
By Well
publicado por wellcorp às 19:26 | link do post
Postoqueaquiacabamos, el retuerno.
En los capítulos anteriores, nuessos heroes estaban ciercados en un Sallon en chamas, por el bando cruel de los Cabaleros Brabos, Los Federales y los indíos. Quando tudo parecia perdido, como siempre, fueran transportados en lo tiempo até más ou menos el presente por la arma que tiraran das manos del lagarton en el desierto. Siendo que voltaran a el passadon, más ou menos en el mismo instante que sairan, dientro del miesmo Sallon incendiado y ainda ciercados por tuedos os lados. Somiente que agora estã aconpanados de una chica. La senorita Patrícia. Patinha para los íntimos.
Y la luta continua, conpaneros.
Caminando y cantando y seguindo la liçon
Suemos tuedos iguales, braçons dados ou no
Nos quarteles ensinam antigas liçones
De vivir pela pátria y morrir sen raziones
Mem Ex Group
Ven vamos embora, que esperar no és saber
Quen sábe faz la hora, no espera acontecer!
Eta el musiquinha chata.
Más una aventura del usted sabe quien
con la participacion especiale de Ana Paula Arósio como la mamacita, nuevamiente.
Pausa para lo suspiro
Y Patrícia del la história Patomorphia.
Patrícia:
- Más, afinal, que espécie del lugar é este? Oh! Mi garganta! Mi voz! Que está aconteciendo com mi palabras? Porquie estoy hablando assi?
Django
- Pablo, la senorita louca agora habla nuessa lingua! Pena que estámos prestes a morrir, más una vez. Gostaria muito de hablar con ela sobre àquele lugar estrano onde estábamos antes. Sinto una estrana sensacion. No si sientes assi Pablo?
- Si Senor. Estoy a mi sentir cansado.
- Pablo! Oja! Contempla las chamas!
Las chamas en camera lenta
-Protege la mujer, Pablo! Una flexa está vindo en su direçon.
La flexa en camera lenta. Pablo se joga sobre Patrícia. Levanta su cabeça y la flexa voeja lentamiente até cravar-se en el balcon.
Una bala espatifa el vidron sobre el balcon, los cacos voam lentamente, Django pula y no é acertado.
- Pablo! O que está acontecer? Tudo viaja y camina y anda lentamiente! Somiente nós parecemos estar a una velocidad
normale!
- Debe ser efecho del arma que tiramos das manos del lagarton.
Patrícia abismada observa flexas incendiárias voando lentamente en um sallon que parecia ter saído de um spaguetti italiano sobre lo velho oeste. Olha para fuera del vidros quebrados del janelonas y contempla centenas del hombres vestidos como las velhas fotos sobre su mesa de la redacion. Devia esta sonhando. Essa era a respuesta. Un suenho.
Somiente un suenho.
-Pablo, seja como for, corramos para fuera del sallon, lebando la senorita que trouxemos sei lá de onde. En nuesso tipo de vida, corremos primero y perguntamos sobre las situaciones despues.
Django jogando Patrícia sobre las cuestas.
-Solte-me! su animal!
Django y Pablo si desviando de los tiros y flexas incendiárias retardadas. Django y Pablo y Patrícia si jogando por sobre las vidraças partidas. La multidon del índios en camera lenta. Los atiradores del Cabaleros Brabos en camera lenta. Django y Pablo Y Patrícia passando por la friente del bando sen serem atingidos. Django y Pablo parando distantes del ajuntamiento a friente del Sallon.
Lo tiempo repentinamiente passa a fluir normalmiente.
Lo Sallon desabando sobre el artilharia pesada del Federales.
La cancion del guerra del Federales siendo entoada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
Lo generale erguendo su manos para los cielos y bradando:
- MUERTOS! LOS DESGRACIADOS ESTAN MUERTOS!
Django para Pablo, con la senorita en el colo:
- Sabe, Pablo. Sinto un cierto derespeito a nuessas vidas por parte del Generale. Una nueta de profundo prazer y tremenda alegria, conn nuessas muertes. Como puede? Alegra-se con la muerte de los otros hombres? No debia havir tristeza mesmo quando morre nuessos inimigos?
- É mui triste Senor. Aqueles que si alegran con la desgracia del otros. Su alegria só si completa con la perdicion del hombres. Fazen del destruiçon su vida y su caminos. La vingança é su cabestro y la espada su lei. Admiravél camino torto.
- Pablo. Oja! Capturaran uma mujer! Oja!
Una mujer del ojos azuis e tez branca é arrastada por los crués hombres del cabaleros Brabos y jogada às patas del cavalo negron del cruel y temível Generale del Federales. Django reconhece la mujer.
La mamacita.
Pedimos a tuedos os nuessos leitores que retiren de la friente del computador las crianças y personas com problemas cardíacos. La cosa vai pegar fuego.
Django solta Patrícia en el poerento chão.
- Senorita Patinha, esconde-te y foge. La ira del Django foi acesa y tuedas las árvores del campo del nuevo méxico no terian madera suficiente para alimenta-la.
La dor de la queda foi bien real para um suenho. Aquilo no era un suenho. Las letras garrafais del cartaz a sobre su cabeza gritan dientro de su alma. 1876.
La ciudad. Las flexas. Lo Sallon. Los Federales. La explosion en los trilhos del metro.
Aquilo era el passadon. Patrícia viajara en el tiempo.Esses hombres no eran dois loucos fantasiados del mexicanos. Eran dois mexicanos loucos.
Django jogando su pente del balas en lo chão. Django ajeitando su sombrero. Pablo jogando su pente del balas en el chão.
Pablo ajeitando su sombrero.
- LA ÚLTIMA BATALHA COMPANERO.
Lo generale segura com fuerça los cachos azulados del cabelon negron del mamacita.
- Entan, fuetes tu la bruja que destes guarida a los bandoleros? Oja agora mujer, su bandidos estan muertos en los
escombros del Sallon incendiado. Y tu serás acusada del traiçon. Vamos enforcar-te agora y jogar-te para serdes quemada junto del bandolerosmuertos.
La mamacita cospe en lo pé enfaxado del Generale.
Los hombres arrastando la mamacita para ser enforcada.
Django amarrando su lenço.
Pablo amarrando su lenço.
La corda siendo arremessada por los galhos del figuera.
La corda siendo passado por lo pescoçon de la mamacita.
Lo cabalo com la otra ponta dl corda siendo espantado y corriendo.
Pablo sacando su revólver a duzientos metros di distancia e estorando la corda.
Lo imenso ajuntamento si virando y ojando los dois hombres que corren en su direçon atirando.
Mui emocionante.
.
- Pablo! Lo paiol! Lo paiol! Lo paiol era un lugar onde la pólvora del ciudad era estocada. Estaba a cien metros del Sallon.
Pablo corriendo para dentro del paiol. Django corriendo para el paiol.
Cabaleros Brabos ciercando el paiol y atirando.
Django y Pablo si atirando para fora de los vidros traseros del paiol
El paiol si tornando história.
Patrícia caindo longe com lo delocamento de ar del paiol explodindo
La explosion derrubando los Cabaleros Brabos.
La ciudad incendiada.
Los ïndios fugindo ao veren el paiol explodindo
Mamacita si levantando y corriendo, segurando la cuerda amarrada na boca de un poço d,água y
pulando para dientro del miesmo.
La infantaria del Federales en confusion. Lo generale ordenado el grupo que atravesse la ciudad incendiada
en busca del Django y Pablo
Django y Pablo enegrecidos por la fumaça negra del pé ao sul del Postoqueaquiacabamos.
Los Federales avistan los dois hombres
Lo generale ordena los sescentos hombres sobre su comnado que destrocen aos bandoleros
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
- Sen Perdon. Sen Clemencia. Sen misericódia. Voen cabeças en la fria madrugada.
Los dois hombres aguardam la chegada del pequeno exército del pé.
- Pablo. Mejor assi. Más, bien que poderiamos ter tido una musiquinha nuessa.
- Talvez, Senor.
- Talvez.
Inda que nos sobrassen sombreros tuertos
Y los caminos por que trilhamos nués
Posto que tudo más que nós desejamos
Importa no o que temos
Más o que suemos
Seran lembrados los hombres
Por su destino?
Ou si andaran retos diante del Dios?
No que encontren manchas na integridad
Que hasta si faz presente
Nos coraciones
Cada nino y nina nos foi precioso
Y cada vida nunca nos foi en vão
La injustiça doura los montes frios
Más la justiça quema en nuessos coraciones
Que la paz desejada
A muitas geraçiones
Derrame-se sobre la tierra
Y descanse en paz
Pablo sacando la arma tirada de las manos del lagarton en lo desierto.
En lo nuerte del Alaska una geleira si desprende.
En la tierra del fuego los vulcões si agitan
Una ciudad intera desapareceo del tierra en julho del 1876.
Três dias apués la explosion que iluminou tuedo el nuevo Mexico,
Una mujer saiu del dientro de un poço dágua en lo meion
Daquilo que si chamava Postoqueaquiacabamos.
Patrícia foi encontrada desmaiada por uma equipe de busca no terceiro dia de escavação no metro da estação do Largo da Carioca.
Admiraram-se que ela tenha ficado tanto tempo desacordada, com apenas alguns ferimentos leves.
Os apitos com barulho de pato, ensurdecedores, encheran o prédio da redação no dia em que Patrícia retornou ao trabalho.
Quando chegou na sua sala, fora as faixas de sempre decoradas com pato e a tradicional "bemvinda Patinha",
tinha uma caixa de presente próxima ao seu computador.
Presente do Carlos Borges.
Era um patinho.
De verdade.
Patrícia chamou ele de Pablo.
Django Pablo








Mem Ex group

Welington Institute Language


By Well
 
publicado por wellcorp às 19:26 | link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
20
21
23
25
26
27
28
29
30
comentários recentes
Eu já disse que você é demais, mas, não custa nadi...
Você é um ser lindo!
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
tudo precisa de fundamento:oque significa raiz ori...
You pretty much said what i could not effectively ...
You pretty much said what i could not effectively ...
Maneiro!
Maneiro!
tags

todas as tags

Posts mais comentados
29 comentários
29 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
3 comentários
3 comentários
subscrever feeds
SAPO Blogs